A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

29/10/2015 06:56

Culpadas ou inocentes, sem filtro mulheres presas são fotografadas por policial

Giselli Figueiredo
Olha que ideia a minha. Lorena, grávida de 4 meses, presa ao levar droga para o ex em Dois Irmãos do Buriti. (Foto: Ramona Gamarra)"Olha que ideia a minha". Lorena, grávida de 4 meses, presa ao levar droga para o ex em Dois Irmãos do Buriti. (Foto: Ramona Gamarra)

Uma vida deixada de lado e até o beijo nos filhos antes de ir para o trabalho ficou na lembrança. Um ambiente policial, portões pesados e a sentença as separam do cotidiano de mulheres comuns. Amores bandidos ou a presença na hora e no lugar errados levaram cinco mulheres a aguardar julgamento na Delegacia de Polícia da cidade de Anastácio. Todas com um sentimento em comum: a família se dissolveu no instante em que entravam na viatura, sem direito à despedida.

Veja Mais
Astrologia védica mostra o futuro, mas também ensina a aceitar o destino
Como mágica, o amor encontrou o palhaço e romance vive liberdade em belas fotos

Da delegacia de Anastácio emergem histórias com discretas mudanças de enredo, que uma policial civil lotada em Aquidauana, cidade vizinha, resolveu registrar em ensaio fotográfico sobre o cotidiano feminino atrás das grades. Ramona Gamarra Paiva também é fotógrafa e agora realiza um desejo que durante anos foi crescendo.

“Ao longo desses 11 anos de polícia convivi com diversas situações e histórias. É impossível não se colocar no lugar de cada pessoa, principalmente, de mulheres que passaram por mim. E vi através de um hobby, que é a fotografia, a oportunidade de registrar a história dessas detentas que ficam em Anastácio aguardando julgamento. Através desse projeto quero mostrar as emoções, sentimentos, esperanças e os sonhos de cada uma delas”, conta a policial.

Como policial civil, Ramona conhece a história de cada uma e como fotógrafa resolveu registrar o cotidiano feminino atrás das celas. (Foto: Karin Coelho)Como policial civil, Ramona conhece a história de cada uma e como fotógrafa resolveu registrar o cotidiano feminino atrás das celas. (Foto: Karin Coelho)

Segundo a autora de ‘Grades (re)tratadas’, a ideia é ajudar no resgate da identidade dessas mulheres por meio da fotografia, levar à reflexão, para que fique mais fácil para elas enfrentar a realidade.

O delegado titular, Antônio Souza Ribas Júnior, explica que essas mulheres ficam no local até a sentença. A partir daí, o destino é a volta para casa ou o presídio. “A maior parte está presa por crimes ligados a entorpecentes, porque o marido ou namorado determinou. Não é da personalidade delas, mas ficam vulneráveis, porque amam e acabam se encrencando”.

Sanyara Ferreira chegou no último final de semana em Anastácio. Foi a Dois Irmãos do Buriti visitar o ex-namorado preso e acabou na delegacia. Mesma história de Lorena Miranda. Ambas estão grávidas e escondiam entorpecentes para entregar durante as visitas.

“Não sei o que me deu na cabeça, estava bem com meu marido, mas era usuária e resolvi levar para meu ex no presídio de Dois Irmãos do Buriti, achei que ele estava sentindo falta de usar, olha que ideia a minha”, lembra Lorena que foi pega com maconha escondida na região genital.

Já Loraine Moreira é do Paraná, mas ao passar por Mato Grosso do Sul foi descoberto mandado de prisão contra ela, também por conta do tráfico. “Mudei para Aquidauana, estava trabalhando, conheci outra pessoa, mas agora estou respondendo em regime fechado, longe dos meus filhos, dos meus pais, o único que me apoia é meu namorado”, diz.

Em meio ao ambiente frio de uma cela, Loraine preserva com carinho o retrato da filha que deixou com os pais no Paraná. (Foto: Ramona Gamarra)Em meio ao ambiente frio de uma cela, Loraine preserva com carinho o retrato da filha que deixou com os pais no Paraná. (Foto: Ramona Gamarra)
Eli Rosa com lágrimas nos olhos, mata a saudade dos filhos e netos por fotos. (Foto: Ramona Gamarra)Eli Rosa com lágrimas nos olhos, mata a saudade dos filhos e netos por fotos. (Foto: Ramona Gamarra)

Priscila dos Santos mora em Anastácio e Eli Rosa Paes em Aquidauana. Mesmo perto da família, o preconceito afasta a aproximação.

“Acharam maconha no guarda-roupa do meu irmão, eu estava em casa e acabei sendo presa, não tenho nada a ver com isso, trabalho de doméstica para criar meus filhos, estou há quase um mês aqui aguardando, não posso pagar advogado e um defensor público está lutando pra provar que essa droga só pertence ao meu irmão”, garante Priscila.

O caso de Eli é bem mais complicado, responde por participação no assassinato do chefe do marido. “Alegaram que temos participação, mas fazia apenas 7 dias que estávamos lá, agora luto para provar minha inocência e a do meu marido, mas o mais dolorido são meus irmãos que não acreditam em mim, um até disse que eu morri pra ele, fora a saudade dos meus filhos e netos”, comenta.

Independente da culpa ou inocência, nas fotos feitas pela policial Ramona as mulheres surgem sem filtros. Só com seus olhares, suas penas, culpas, medos, vaidade e solidão.

Veja parte do ensaio na delegacia de Anastácio:

Na parede da cela, Lorena colocou fotos de sua filha de pouco mais de um ano, que não tem contato desde que foi presa. (Foto: Ramona Gamarra)Na parede da cela, Lorena colocou fotos de sua filha de pouco mais de um ano, que não tem contato desde que foi presa. (Foto: Ramona Gamarra)
O ensaio fotográfico fez Priscila sorrir, expressão que não aparecia desde que foi presa, segundo ela, por causa do irmão. (Foto: Ramona Gamarra)O ensaio fotográfico fez Priscila sorrir, expressão que não aparecia desde que foi presa, segundo ela, por causa do irmão. (Foto: Ramona Gamarra)
Um retrato é a única maneira dessas cinco mulheres amenizar a saudade da família. No caso de Loraine, familiares estão em outro estado. (Foto: Ramona Gamarra)Um retrato é a única maneira dessas cinco mulheres amenizar a saudade da família. No caso de Loraine, familiares estão em outro estado. (Foto: Ramona Gamarra)
Sanyara foi a última a chegar em Anastácio, foi presa com drogas ao visitar o ex. Grávida de 7 meses, o futuro do filho agora é incerto. (Foto: Ramona Gamarra)Sanyara foi a última a chegar em Anastácio, foi presa com drogas ao visitar o ex. Grávida de 7 meses, o futuro do filho agora é incerto. (Foto: Ramona Gamarra)
Grades (re)tratadas tem como objetivo devolver a auto estima a essas mulheres, para fortalece-las a enfrentar a realidade. (Foto: Karin Coelho)Grades (re)tratadas tem como objetivo devolver a auto estima a essas mulheres, para fortalece-las a enfrentar a realidade. (Foto: Karin Coelho)
Ramona quer através da fotografia devolver a auto estima a essas mulheres, para fortalece-las a enfrentar a realidade. (Foto: Ramona Gamarra)Ramona quer através da fotografia devolver a auto estima a essas mulheres, para fortalece-las a enfrentar a realidade. (Foto: Ramona Gamarra)



Belíssimo gesto da policial; Parabéns pela iniciativa!
 
Guaraci Mendes em 29/10/2015 13:36:40
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.