A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

09/04/2015 06:12

Há 4 anos com peso de assassinato nas costas, Cristhiano Luna vira confeiteiro

Paula Maciulevicius
Cristhiano Luna de Almeida hoje tem 27 anos e se tornou chef de cozinha. (Foto: Fernando Antunes)Cristhiano Luna de Almeida hoje tem 27 anos e se tornou chef de cozinha. (Foto: Fernando Antunes)

Há 4 anos ele trocou o Direito pela Gastronomia. Seria mais um dos personagens do Lado B, que contaria um relato de transição e apresentaria atitudes diante de um novo desafio, o de quem trocou o terno e a gravata pela dólmãn. Mas não é bem assim. O personagem em questão é alguém que já foi manchete diversas vezes, sob acusação de matar o segurança Jefferson Bruno Escobar, o "Brunão", em março de 2011. 

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Cristhiano Luna de Almeida hoje tem 27 anos. Se tornou chef de cozinha. É com sorriso e olhando para a câmera que ele recebe a equipe, desta vez para falar sobre a profissão, escolhida como caminho a seguir depois de 40 dias preso, entre março e maio daquele ano. Com palavras medidas, ele se restringe a dizer que da parte jurídica, não pode falar, porque o processo está em Brasília e que o restante é apenas com o advogado, Ricardo Trad. 

Formado em Direito, em 2011, Cristhiano trabalhava na assessoria do Tribunal de Contas do Estado quando o crime ocorreu e transformou tudo. "Há quatro anos eu fiz um curso de cozinha básica no Senac, com uma semana fui trabalhar num hotel. Comecei lavando prato e limpando as câmaras frias e na folga de um ou outro cozinheiro, eu cozinhava", lembra. 

Largando a carreira jurídica, ele passou por cozinhas, cafés e confeitarias até chegar a ser chef mesmo num restaurante de carnes do Jardim dos Estados, para depois trabalhar por conta própria. Hoje, além de ser personal chef, cozinhando cardápios na casa dos clientes, ele também tem uma empresa de doces, a "Cake Cris". É por conta dela que ele prepara os últimos detalhes do bolo de churros de 6 quilos, uma encomenda para 50 pessoas.

O Habeas Corpus que lhe garantiu sair da prisão após o assassinato, impôs restrições que são cumpridas há quatro anos, como de estar em casa às 22h e não frequentar bares ou festas. A cozinha então virou um hobby, além de trabalho remunerado. "Por isso eu trabalho 14h feliz, é uma forma que eu encontrei. Uma válvula de escape, uma coisa que me ajudou muito foi a minha comunidade".

No braço direito, um terço o acompanha e se destaca enquanto ele descreve os ingredientes. (Foto: Fernando Antunes)No braço direito, um terço o acompanha e se destaca enquanto ele descreve os ingredientes. (Foto: Fernando Antunes)

O Lado B chegou até Cristhiano pela divulgação das tortas, em especial a de churros que parece deliciosa só de olhar. Mas foi deslizando pelas fotos que percebemos que pela cozinha ele se reinventou e por ela tomou outro caminho a partir do que aconteceu.

"Comecei a fazer bolo para vender aos amigos e familiares e deu certo. O pessoal foi falando e também uma coisa muito legal é que eu faço parte de uma comunidade de Santo Antônio, então 60% da clientela é de lá", completa. A voz é firme, assim como as palavras e Cristhiano, que não desvia o olhar para falar. 

Da propaganda boca a boca, ele foi ganhando pedidos de encomenda até montar o site, o Instagram e a página no Facebook. "O pessoal acabou gostando, todo dia tem encomenda", garante.

Cristhiano entrou com tudo realmente na área. Atua também na consultoria de cardápios para restaurantes e se reúne com frequência com um grupo de chefs da Capital que quer trabalhar no fortalecimento da classe. Para a culinária, a teoria e a prática lhe ensinaram que não existe muito segredo. "Para fazer uma boa comida, o principal são bons ingredientes, a qualidade". 

Foi a mãe de Cristhiano que o matriculou no curso. De contato com o fogão, o chef conta que à época tinha só mesmo através os bolos de caixinhas e macarronadas para os amigos e parentes. "Mas a cozinha foi uma coisa a mais que o Direito. Eu sempre fui de cabeça em tudo, mas a cozinha é uma coisa que me motiva, que eu gosto muito e fiz muitas amizades nesse meio de cozinheiros e garçons. Então temos uma equipe para quando precisar". 

Apesar de não ter a família envolvida na carreira jurídica, ele diz que teve de enfrentar a desaprovação. Mas como tantas outras coisas, mudar de ramo também não estava no script. "Aconteceu, eu como cozinheiro, ter chego a ser chef de cozinha, tudo aonteceu sem eu ter planejado e eu atribuo muito a Deus, à minha fé católica. Eu pedi muito a ele nessa minha transição, para que me desse luz".

A transição ele prefere não denominar, mas engloba também o crime pelo qual responde na Justiça. "A transição na mudança de profissão e de todos os problemas que eu tive", resume. 

De supetão, cheguei onde eu queria chegar. E ele responde que "sim, se reencontrou e se reinventou na cozinha". "Fizeram uma história de uma pessoa que não condiz comigo. Olha como aconteceu... Eu não tive a oportunidade de me pronunciar, é difícil também porque tem o outro lado por isso eu procuro não falar disso", comenta sobre o crime. 

O outro lado é óbvio que é a família de Brunão. "Pela minha e pela dele, a Justiça e as famílias que são os principais interessados e prejudicados com o que aconteceu. Por isso é complicado falar disso". Cristhiano não foi julgado pela Justiça, mas atribui à mídia este feito.

No braço direito, um terço o acompanha. Questionado sobre a religiosidade, ele diz que sempre teve a sua fé, mas que foi nos últimos anos que passou a participar ativamente. "Hoje minha vida se resume a trabalho, cozinha e os meus voluntariados da igreja. Com tudo isso as amizades também se renovaram. Quando eu comecei nessa jornada de cozinha, só veio coisa boa pra mim". 

Cristhiano admite que "bebia muito e saía muito" e que prefere a vida que leva hoje. Para ele, o caso de 2011, com exceção da morte, foi um alerta de Deus. "Eu não tive intenção nenhuma de matar e nem de brigar. Hoje entendo que tinha que acontecer, não a tragédia. Mas agradeço, Deus me tornou uma pessoa bem melhor".

Se a cozinha o salvou de alguma forma, Cristhiano afirma que sim. "Tenho orgulho de dizer que sou cozinheiro. Eu pedi para Deus um caminho".

Questiono se, algum dia, as pessoas não vão associar o trabalho como chef ao rapaz que responde por ter matado o segurança Brunão, depois de uma confusão e de ser expulso da Valley. A resposta é de quem espera que sim. "No meio que eu ando, que eu convivo, a comunidade é grande e muita gente de cozinha era amigo dele e quando ficou próximo a mim não imaginava. Dizia 'eu tinha raiva de você', um ano de convivência depois a pessoa vinha e contava".

Se esta é uma segunda chance, Cristhiano mostra que tem sabido aproveitar. Uma pena que a mesma não foi dada também ao Brunão. (Foto: Fernando Antunes)Se esta é uma segunda chance, Cristhiano mostra que tem sabido aproveitar. Uma pena que a mesma não foi dada também ao Brunão. (Foto: Fernando Antunes)

Desde aquele dia 19 de março, Cristhiano diz que não passa um dia sem pensar no que aconteceu. Da confusão formada dentro da casa noturna que terminou na morte do segurança já do lado de fora, ele fala que não tem como não pensar. Sobre o perdão, enfatiza que seria bem vindo, por mais que saiba o quão difícil será.

"Claro que gostaria de receber, por mais que ache que não tenho culpa. Eles perderam um ente querido. Eu não tinha raiva nenhuma, não tinha nada contra. São pessoas que hoje me odeiam e eu não posso fazer nada. Eu tenho que cuidar de mim, não posso me destruir, senão serão duas mortes. Eu fiquei mal um tempo sim e comecei a cozinhar. Só Deus vem confortando meu coração e trabalhando o perdão. Por mais que eles não me deem, eu tenho que me dar".

Se Cristhiano Luna já se perdoou, o desabafo é de quem está neste caminho. "Tenho que me dar (perdão)... Se eu soubesse, não ia sair de casa aquele dia". 

Da vida nas baladas, pergunto: quem ficou? "Minha família, a comunidade e os cinco amigos de infância que eu nem andava na época. Ficaram só esses".

Por fim, Cristhiano pede ao fotógrafo um registro dele e dos bolos devidamente paramentado, com a dólmã, por não ter nenhuma "de câmera boa". De imediato me lembrei das inúmeras fotos dele que estamparam o jornal, de "câmera boa", como a que ele se refere. 

Na Justiça, o advogado diz que a denúncia contra ele tinha duas qualificadoras, motivo fútil e recurso que teria dificultado a defesa da vítima, que foram retiradas aqui, no Tribunal de Justiça. "O promotor não recorreu dessa decisão, aceitou. Contudo recorreu o assistente da acusação, o advogado que representa os familiares da vítima", descreve Ricardo Trad. As qualificadoras estão sub judice no Tribunal Superior de Justiça, em Brasília, há 1 ano e meio. 

Se esta é uma segunda chance, Cristhiano mostra que tem sabido aproveitar. Uma pena que a mesma não foi dada também ao Brunão.




"não matarás" (Ex 20:13)
"porque todos nós temos de nos apresentar diante de Cristo, para sermos julgados por Ele. E cada um vai receber o que merece de acorde com o que fez de bom ou de mau na sua vida aqui na terra." (II Cor 5:10)
"Eu acertarei as contas com cada ser humano e com cada animal que matar alguém. O ser humano foi criado parecido com Deus, e por isso quem matar uma pessoa será morta por outra." (Gn 9:5-6)
Que Deus toque o seu coração, e você realmente se arrependa em Cristo Jesus, hoje Ele pode ser seu advogado, mas no amanhã com certeza sera seu Juiz!
Jesus veio para perdoar os assassinos, ladrões, idolatras...
 
JC em 11/04/2015 11:44:39
olha,e muito facil vim aqui e dizer que mudou,o bruno mudou também mais vocês sabem pra onde ele mudou, e família do bruno mudou também,es cara e mal carater mesmo depois de tudo qque aconteceu ele vai na mídia dizer que mudou de vida isso e um afronto a família do bruno, em quanto vocês da família do brunao estão sofrendo ainda com a perda do bruno ele na midia pra dizer q mudou de vida faça me um favor você tinha que ta era na cadeia pagando o que vc fez seu covarde tiro a vida de um pai de família,respeita a família do bruno
 
raiva em 10/04/2015 09:45:12
As pessoas criticam tanto os "criminosos", que mesmo com os crimes cometidos e sofrendo punições, não mudam nunca. Então, quando finalmente aparece alguém que se arrepende do que fez, resolvem criticar. É muito difícil entender uma sociedade assim. Lógico que foi uma tragédia o ocorrido, mas pelo menos o cidadão se arrependeu e reconheceu seu erro brutal. E a jornalista da presente reportagem, precisa ao menos saber ao certo o que vai escrever, se vai falar do trabalho e arrependimento do rapaz ou criticá-lo, pois o final ficou duvidoso.
 
NPAC em 09/04/2015 15:06:04
Que lindo! Agora ele mudou, está outra pessoa...
Engraçado né, disso tem matéria, mas dos 4 anos que se passaram sem nada ser feito pela justiça ninguém faz matéria bonitinha assim. Esse é o nosso Brasil!
Campo Grande News decepcionando familiares e amigos do Brunão.
 
RVD em 09/04/2015 11:19:37
Ah, mas que bonitinho! Viva o Brasil, aqui a gente conta história emocionante pra honrar o arrependido. O cara que foi pra debaixo da brachiara nunca mais vai comer churros, mas e daí? Quarenta dias preso e tá pago. Siga o baile companheiro, quem tá no paraíso é você.
 
Bergo em 09/04/2015 10:43:03
Infelizmente, uma fatalidade, como ocorre com diversos brasileiros que saem de suas casas, para o labor e acabam por suas vidas ceifadas. Outro ponto é a questão do arrependimento, da carga que este rapaz traz consigo e que vai levar adiante, este peso e ainda, de se reinventar, na condição de Chefe de Cozinha... Agora, o que não entendi foi o juízo de valor da Jornalista ao final da matéria. Ora, não era pra demonstrar a superação do rapaz e ainda, uma nova forma de condução de sua vida, após o crime? Qual o conceito finalístico de "à época, fotos de câmera boa" e que "o rapaz tem uma segunda chance e o Brunão, não"? Matéria bem escrita no começo e meio, mas destoou da aparente finalidade que era demonstrar uma nova vida, pois há um certo julgamento. Meus sentimentos à família do Brunão.
 
GUILHERME em 09/04/2015 09:45:34
Infelizmente nestes quatro anos ainda não consegui encontrar a paz, a perda foi muito grande.
Todos os dias o meu despertador é a voz do Brunão cantando uma musica que ele fez que diz “Eu tenho um sonho, que tudo é possível, eu tenho um sonho e não tenho medo não é ilusão sonhar...” Todos os dias oro a Deus e peço pra Ele me dar força para te perdoar, ainda não consegui, mas estou no caminho.
Espero que tudo que aconteceu possa mudar sua vida realmente, e sirva de lição para outros jovens, e que este tipo de violência e estupidez não aconteça novamente.
Vivo na esperança de um dia estar com meu filho novamente, e para isto sei que não posso guardar ódio e nem mágoas, e dia a dia tento me libertar destes sentimentos, então já coloquei nas mãos de Deus para que a justiça seja feita.
 
João Márcio Escobar em 09/04/2015 07:52:18
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.