A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

06/01/2016 06:34

Presente mágico pedido em carta no Natal chega à autista por vários Papais Noéis

Paula Maciulevicius
Presente chegou nessa terça-feira à casa de Estefânia. (Foto: Fernando Antunes)Presente chegou nessa terça-feira à casa de Estefânia. (Foto: Fernando Antunes)

Estefânia ganhou o presente mágico pedido na carta para o Papai Noel, mas não o recebeu de um único bom velhinho. Foram vários papais e mamães noéis que trouxeram a alegria descrita pela professora até a varanda da casa dela. Em dezembro do ano passado, a professora da menina autista pediu na cartinha dos Correios, uma cama elástica. O presente funciona como mágica para a menina. Como a gente bem pode ver nessa terça-feira (5).

Veja Mais
Papai Noel recebe pedido de presente mágico para fazer menina autista feliz
No Tiradentes, brasão do Chapecoense surge na rua como uma homenagem do bairro

A reportagem "Papai Noel recebe pedido de presente mágico para fazer menina autista feliz" foi publicada no dia 10 de dezembro. De imediato, pais de crianças autistas se reuniram num grupo de WhatsApp denominado "Vaquinha para a Estefânia". Eram mais de 30 integrantes que espalharam entre os amigos o pedido de uma contribuição, qualquer que fosse. Além dos pais de autistas, a doação também saiu do Comitê da Cidadania dos funcionários do Banco do Brasil.

Estefânia tem 10 anos e um diagnóstico de autista dado aos 4. É vitoriosa desde o nascimento, prematura, passou por cirurgias por conta de uma cardiopatia. Caçula de três filhos, mora com os irmãos e os pais numa casa simples, no bairro Jardim Tarumã. A mãe não trabalha para cuidá-la e acompanhá-la no tratamento e o pai é pintor.

Estefânia é a caçula de 3 filhos e mora com os pais no Jardim Tarumã. (Foto: Fernando Antunes)Estefânia é a caçula de 3 filhos e mora com os pais no Jardim Tarumã. (Foto: Fernando Antunes)

A letra que assinava a cartinha destinada ao Papai Noel não era só de Estefânia. O nome saiu a quatro mãos, porque apesar de muito aprendizado, ela ainda não escreve sozinha. Sem falar, é pelo convívio e amor que ela é compreendida pelos pais e também pela professora Maria Ozenilde. Aluna da escola municipal Gonçalina Faustina de Oliveira, quando a notícia de que as turmas entraram no projeto das cartinhas dos Correios, a professora se prontificou a escrever por Estefânia. Ela não precisava falar para que todo mundo soubesse que pular é o brinquedo preferido.

Mãe do autista Guilherme, de 10 anos, Cristiane Rocha, de 34, foi uma das que mobilizou a vaquinha. A notícia correu primeiro entre os integrantes do grupo Amar, criado pelas mãos Ana Lúcia e Alessandra para pais de autistas de Mato Grosso do Sul a fim de compartilhar experiências.

"Tudo que é relacionado à autista, a gente compartilha. Vimos essa notícia e a mobilização foi imediata", conta Cristiane. Cada um doou o que pode por saber como é a rotina de filhos autistas. "Eles são fascinados por cama elástica e nós como mães, nos sentimos muito tocadas", descreve.

O grupo queria muito que a cama elástica tivesse chegado a tempo do Papai Noel, mas para que Estefânia aproveitasse por um maior período de tempo, o ideal seria uma cama maior, que não foi encontrada em lojas físicas e à pronta entrega. O pedido da cama elástica de 3,10m, que comporta ela, os irmãos e a mãe, levou 15 dias úteis para chegar, sendo entregue nessa terça-feira (5).

 

Grupo de pais autistas que encabeçou a vaquinha foi representado entregar e montar a cama. (Foto: Fernando Antunes)Grupo de pais autistas que encabeçou a vaquinha foi representado entregar e montar a cama. (Foto: Fernando Antunes)
Mal estava pronta e Estefânia já queria pular. (Foto: Fernando Antunes)Mal estava pronta e Estefânia já queria pular. (Foto: Fernando Antunes)
Ela se diverte ainda mais quando outra criança oula. Na foto, Erik, também autista. (Foto: Fernando Antunes)Ela se diverte ainda mais quando outra criança oula. Na foto, Erik, também autista. (Foto: Fernando Antunes)

Rosimeire da Silva, de 42 anos, também é mãe de gêmeos autistas: Tiago e Mateus, de 9 anos. E era uma das que estava montando o presente de Natal na varanda da casa de Estefânia. "A criança com autismo gosta muito de brincadeiras motoras. Elas têm dificuldade de usar a imaginação para brincar com um boneco, por exemplo. Então é bicicleta, cama elástica, coisas que ela olha e sabe o que tem que fazer", explica Rosimeire.

Foi o tempo de abrir a caixa e começar a juntar a estrutura para que Estefânia reconhecesse o presente. Assim que a família e o grupo de mães que foram representar quem ajudou na vaquinha montou a primeira parte, ela já fez festa e pedia para subir. "A gente sabe o quanto é importante para eles se desenvolverem. Vai ajudar ela a interagir com os irmãos, a família, a professora e vai ser o veículo pelo qual ela vai poder ser alfabetizada", completou Giani Grando, de 45 anos, mãe do autista Erik, de 5, que aproveitou para pular ao lado da mais nova amiga.

Professora de Estefânia, foi Maria Ozenilde Costa Silva, de 46 anos, quem escreveu, acreditando desde o início que a cartinha seria adotada. "Eu confiei, mas em nenhum momento imaginava esse alcance". Por coincidência, o presente chegou no dia do aniversário dela. "Chegou hoje porque também era um presente meu, para mim", dizia a mestre e amiga. 

A mãe, Vania Odete da Silva, de 47 anos, soube traduzir em palavras o que o grupo todo presenciou. "Na hora que tirou da caixa e colocou, ela já viu o que era e ficou feliz. Eu fico feliz também. Obrigada".

Estefânia me puxou pela mão e me levou até a sala da casa. O gesto foi interpretado por mim como um carinho. A mãe disse que era afeto e que ela "gostou" de mim. Creio que tenha mesmo é gostado do presente. Além da cama elástica, uma quantia em dinheiro foi deixada com a família para quem sabe a compra de roupas, alimentos ou o que mais Estefânia precisar.

Curta o Lado B no Facebook. 

Estefânia com a professora Maria Ozenilde, ela quem escreveu a cartinha pedindo em nome da aula. (Foto: Fernando Antunes)Estefânia com a professora Maria Ozenilde, ela quem escreveu a cartinha pedindo em nome da aula. (Foto: Fernando Antunes)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.