A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

16/09/2014 06:23

Quantas vezes você reclamou depois de ficar uma eternidade na fila do banco?

Aline Araújo
Dona Amália sempre reclama pelos direitos e coleciona processos no Procon, (Foto: Marcos Ermínio)Dona Amália sempre reclama pelos direitos e coleciona processos no Procon, (Foto: Marcos Ermínio)

Ninguém gosta de esperar, mas a rotina mostra que também é difícil encontrar alguém que goste de reclamar a sério, levando até as últimas consequências um direito que é garantido em lei. Esbravejar na fila, isso muita gente faz, mas quantos realmente reagem depois de, por exemplo, ficar horas para conseguir o que precisam no banco?

Veja Mais
Dentro de uma Unei, agarrei a utopia de não desistir de um mundo melhor
Irmãs fazem tatuagem para provar que diferença de idade nunca foi problema

Depois de um dia útil, com muita coisa para resolver na agência, a justificativa de quem se incomodou, mas deixou por isso mesmo, é a falta de esperança de alguma coisa vai mudar. “Sempre demora muito, mas eu não costumo reclamar para não estressar”, afirma a auxiliar administrativa, Claudinéia Vasques, de 23 anos, já desacreditada.

“Não compensa não, isso nunca vai mudar”, comenta o motorista Alessando Tomás, de 24 anos. Ele acredita, ou melhor, não acredita mais que revindicar pode resolver o problema definitivamente. Para Alessandro, como depende do banco, é melhor aceitar o que é ofertado. É o senso comum, ficar na zona de "desconforto", se acomodar, até mesmo com o que incomoda.

Para fugir da dor de cabeça, Claudinéia nem reclama.  (Foto: Marcos Ermínio)Para fugir da dor de cabeça, Claudinéia nem reclama. (Foto: Marcos Ermínio)
Alessandro já se acostumou com as filas.  (Foto: Marcos Ermínio)Alessandro já se acostumou com as filas. (Foto: Marcos Ermínio)

Mas nem tudo está perdido. No ir e vir da porta giratória, sempre sai alguém que não desiste de tentar e alguns até colecionam processos no Procon (Superintendência da Orientação e Defesa do Consumidor). A aposentada Amália Araújo, 74 anos, é uma das pessoas que não têm tempo ruim na hora de reclamar. “Na lei é uma coisa, mas na prática é outra. E eu reclamo mesmo. Já fui até no Procon reclamar de problema com o banco. E acho que todas as pessoas que foram mal atendidas tem ir até a justiça procurar os seus direitos”, ensina.

Ela não quis dizer o nome do banco, mas contou que já foi destratada e por isso acionou a justiça. “Eles tiveram que fazer um documento pedindo desculpas”, garante. Ela deve ter a fama de encrenqueira, como tantas outras pessoas que partem para o ataque quando se sentem prejudicados. Mas não se intimida não, e lamenta que poucas pessoas têm a mesma postura na hora de exigir o que é de direito.

“O sul-mato-grossense que me desculpe, eu sou daqui também, mas quando se trata de ir para o 'abraço', buscar os direitos, ele inventa uma desculpa. É eu tenho que levar a filha no médico pra lá, eu tenho prova amanhã para cá e na maioria é mentira”, protesta a senhora que fala que sempre incentiva os amigos a reclamarem e explica como funcionam as leis.

Casal está indignado por ter ficado em fila e depois não ter sido atendido no Procon.  (Foto: Marcos Ermínio) Casal está indignado por ter ficado em fila e depois não ter sido atendido no Procon. (Foto: Marcos Ermínio)

“Se todo mundo reclamasse as coisas seriam melhores. Meu pai me ensinou desde pequena, cidadania a gente tem que ter em cima da regra”, conclui.

Mas as vezes quem reclama e busca pelos direitos também diz ser vitima da indiferença de quem deveria ajudar. "A última vez que a gente foi no banco esperou mais de duas horas. No próprio Procon acontece o mesmo. A gente chegou às 13h30, foi ser atendido às 15h30 e eles ainda mandaram a gente voltar outro dia, porque não tinham nenhum consultor disponível”, explica, revoltado, o técnico em enfermagem Marcelo Gonçalves, de 30 anos.

 




Sobre esse assunto já existe a lei 4303/05, que diz que todas as agências bancárias, localizadas no âmbito do município de Campo Grande, são obrigadas a prestarem seus serviços em tempo razoável aos usuários que estiverem na fila ou portarem senhas para atendimento no guichê. Em dias comuns o tempo máximo é de 15 minutos. Já nas datas de pagamentos de funcionários públicos municipais, estaduais e federais, de vencimentos de contas de concessionárias de serviços públicos e de recebimentos de tributos, o tempo permitido de espera é de 20 minutos. Nos dias de véspera ou pós feriados prolongados, o atendimento dever ser feito em até 25 minutos. Se isto acontecer, procure seu advogado e ingresse com uma ação de indenização por danos morais. Somente assim, se todos (ou muitos) entrarem, os bancos mudarão suas posturas no atendimento.
Eu acredito, e muito, no ativismo judicial do consumidor para mudar situações tão corriqueiras como esta.
 
Ricardo Edgard da Silva em 16/09/2014 14:08:37
Olá, pessoal! Sou advogado e membro da Comissão de Defesa do Direito do Consumidor da OAB/MS.

Quem sofrer com problemas como este da reportagem deve procurar um advogado para ingressar com uma ação contra o Banco.

Mas como provar que fiquei um tempo "X" na fila? Simples:
Quando você entra no banco, normalmente você pega uma senha, contendo a hora e minuto da retirada; quando pagar sua conta, no boleto (se for o caso) vai estar a hora que você pagou. Pronto, juntando um com o outro você consegue comprovar a hora que entrou e a hora que foi atendido.

No mês passado, se não me engano, um consumidor ganhou R$ 5.000,00 por danos morais, em razão de ter ficado na fila.

Não entrem com processo no Procon, pois não adianta nada. Lá você não vai ganhar nada e dificilmente o banco sofrerá também.
 
Hugo Fanaia de Medeiros em 16/09/2014 13:47:08
Existe um ótimo jeito de fugir da fila do banco: não ir para o banco! Quase TUDO dá para fazer pelo internet ou pelo celular. Este ultimo já é capaz de ler código de barras de boleto e etc com a câmera. A unica coisa que ainda não dá para fazer no celular é sacar/depositar dinheiro, mas para isso existe caixa eletrônica. Se vou para o banco tres, quatro vezes por ano é muito. Realmente não entendo esta multidão que fica esperando na fila. Esperando por que?
Alias, se o banco cobrasse R$ 5 para cada transação feita na caixa que poderia ser feita também em caixa eletrônica ou pelo internet, o problema das filas estaria resolvido em uma semana...
 
Marc Boncz em 16/09/2014 12:38:06
Dia típico em Campo Grande, você vai ao banco, chega lá tem milhões de pessoas, qual melhor estratégia entrar na fila e pronto. Acontece que sempre que tem essas demoras a reclamação não é pra quem deveria realmente ser reclamado. É sempre no nosso ouvido da fila ou pro pobre coitado que está no caixa. Se a pessoa fosse capaz de resolver o problema do caixa ela não trabalharia no caixa, daí o típico reclamão reclama com o cara da frente ou a velha que tá atrás e geralmente fica naquelas indiretas até chegar no caixa. Chega lá fala monte pra pessoa que não merece ouvir aquilo e depois sai dali dizendo que causou no banco. Eu sempre vi essa mesma cena, é assim no mercado é assim no cinema em tudo. ALGUÉM AÍ CONCORDA COMIGO.
 
Cyro Escobar Ribeiro Neto em 16/09/2014 09:54:03
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.