A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

22/11/2013 06:22

Um ano após dar o galope inicial, cavaleiro encerra cavalgada pelo Pantanal

Paula Maciulevicius
Cavaleiro queria percorrer a rota pioneira, cavalgando pelo mesmo Pantanal por onde passaram seus trisavós. (Foto: Cleber Gellio)Cavaleiro queria percorrer a rota pioneira, cavalgando pelo mesmo Pantanal por onde passaram seus trisavós. (Foto: Cleber Gellio)

Era novembro de 2012 quando em Nossa Senhora do Livramento, no Pantanal do Mato Grosso de lá, Luiz Otávio Barboza Carneiro, de 58 anos, quatro cavalos e dois burros tomaram a estrada rumo ao descobrimento. O que o cavaleiro queria era percorrer a rota pioneira, cavalgando pelo mesmo Pantanal por onde passaram seus trisavós e com os galopes de hoje, viver o sentimento que eles compartilharam ao desbravar a região mais abençoada do Mato Grosso, seja de lá ou de cá.

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

Trineto de Nheco, é justamente do Oeste ao Leste da região que ele pretende terminar esta cavalgada solitária. Pelo Pantanal do Paiaguás à Nhecolândia, ele galopou só, mais de 800 quilômetros e em cada pouso encontrou o que tanto procurava – há um ano atrás, quando o Lado B perguntou a ele o por quê da viagem, ele justificou os galopes para encontrar sua dona - a felicidade.

“Essa eu encontrei com certeza em cada dia que eu viajava, mais encontrava”. Os olhos até brilham. A voz muda, sem que ele perceba, mas o entusiasmo fala por Luiz Otávio. O espírito do homem pantaneiro se sobrepõe ao médico veterinário por formação e leiloeiro rural e a narrativa segue com trilha sonora. A paixão pela qual ele fala do Pantanal e da experiência de vivê-lo só é ditada pelo ritmo do trote. Pocotó, pocotó, pocotó.

“As pessoas perguntavam, como consegui vencer determinadas coisas? Primeiro por vontade, segundo pela felicidade que isso me causava”. O Pantanal prega peças até em quem o tem correndo no sangue. Um burro morto pelo veneno de uma cobra mui venenosa. A ausência da chuva que fez a água faltar. A desconfiança do homem pantaneiro que viu sua terra virar rota de tráfico e de roubo de gado.

O pôr do sol pantaneiro no pouso do cavaleiro. Era assim que os dias terminavam para Luiz Otávio.O pôr do sol pantaneiro no pouso do cavaleiro. Era assim que os dias terminavam para Luiz Otávio.

Das dificuldades, ele elencou começando pelo trajeto. “No asfalto e sem acostamento. É difícil viajar assim. Perdi um burro picado por cobra, tive que abandonar parte do material de cozinha e apesar de estar viajando pelo Pantanal, não tinha chovido e faltava água tanto para eu beber, como a tropa. Por estar sozinho, em determinado momento, procurava ajuda, mas não tinha”.

Boa parte dos trechos foram percorridos em fazendas. Mas ao contrário dos campos, do pasto e da vastidão de um cenário que só o pantaneiro vê, sente, ouve e toca, Luiz Otávio e a tropa, agora de cinco, passaram por corredores boiadeiros fechados, entre arames, hostis. “Mas o homem pantaneiro, de modo geral é um bom anfitrião, apesar de que no primeiro contato, as pessoas ficavam desconfiadas. Mas depois que eu explicava, era bem recebido. Existia uma razão”, justifica.

Quando ele fala de homem pantaneiro, a gente vê a necessidade de pontuar o que é hoje, em 2013, o homem do Pantanal? Nos mesmos trotes e relinchar dos cavalos dele, os que lá habitam são os mesmos dos anos em que o Pantanal era desbravado?

“Homem pantaneiro não é fazendeiro. É o ribeirinho, o vaqueiro, o roceiro. É aquela comunidade que viveu a vida inteira no Pantanal. Esse ser está em extinção”. Essa, foi uma das constatações que a viagem lhe trouxe à tona. Penso que aos olhos de quem é pantaneiro desde o trisavô, dói na alma, no chapéu e na botina ver as casas de peões abandonadas.

Das dificuldades: a cavalgada pelo asfalto às margens de um acostamento inexistente. Das dificuldades: a cavalgada pelo asfalto às margens de um acostamento inexistente.

“Muitas terras foram vendidas. O Pantanal até anos atrás era quase que uma família. O homem pantaneiro você não encontra mais, a família pantaneira e sua cultura acabou”.

Não foi só de tristeza que viagem seguiu. A vontade, o sonho e o desejo de percorrer a rota pioneira vem de décadas. Ele realizou. Em 43 dias, a primeira fase, a última, prestes a começar, deve durar 15. Dos 800 quilômetros já percorridos, os de agora serão, num trote só, uma média de 300.

“Todos os momentos são extremamente emocionantes. A gente vê as facilidades que temos hoje. Nossos avós fizeram isso, mas em 1880. Nada ali era povoado e eu passei por fazendas em que consegui falar em celular. Hoje tem mudanças bastante grandes, cultural e até de mãos”. O Pantanal de Nheco foi parar em outras mãos.

Da cavalgada que se encerra neste ano, a partida da próxima fase será dia 2 e até o Natal, ela termina no leilão do corixão, em Rio Negro. As pessoas perguntam a Luiz Otávio se ele vai escrever um livro do que viu e viveu, já que tudo foi fotografado. Quanto a isso ele diz não saber. Mas parte dos registros estáo na Fan Page do projeto. Dos mais de mil quilômetros de Pantanal desbravado, a certeza que ele tem é de que precisa segurar a extinção do homem ribeirinho. A receita, ele não sabe. “Talvez seja um melhor bem-estar, escolas”.

O amanhã, se a cavalgada pelo Pantanal termina aqui, ele também não consegue dizer. Repito aqui, as palavras que um dia Luiz Otávio me disse. “Vou falar uma coisa, você que não conhece, mas fique só aqui, o Pantanal é apaixonante. Você larga tudo o que tem no mundo e vem pra Nhecolândia. Me chamam de louco, mas por que? O povo vai a pé para o Caminho de Santiago. A única coisa que eu quero é pegar o meu cabalo e vim de Livramento, como meus ancestrais”.

E isso ele fez. Mais do que desbravar as terras pantaneiras, registrar como está a região, Luiz Otávio redescobriu a si, como homem pantaneiro. “Para ser homem pantaneiro, não precisa ter posse, ter terra. Pantaneiro mesmo somos nós que nascemos, o pescador, o roceiro”. O Pantanal tem seus mistérios e encantos e tem também a felicidade de Luiz Otávio.

Mais do que desbravar as terras pantaneiras, registrar como está a região, Luiz Otávio redescobriu a si, como homem pantaneiro. (Foto: Fernando Barros)Mais do que desbravar as terras pantaneiras, registrar como está a região, Luiz Otávio redescobriu a si, como homem pantaneiro. (Foto: Fernando Barros)



emocionante sua historia luiz otavio...parabens pela coragem, e sabias palavras, sobre o homem pantaneiro...voce esta querendo resgatar a historia de seus ancestrais...abraço
 
gerson marques camargo em 28/12/2013 12:46:01
Luiz Otavio muito me emocionou essa atitude que voce teve em conhecer palmo a palmo esse nosso MAJESTOSO PANTANAL > PARABENS ! voce alem de realizar um sonho seu , nos mostra que a DETERMINAÇAO & a PAIXAO andam de maos dadas ! sou pantaneira, nasci em CORUMBA . ja percorri por TERRA, por AGUA e por AR o PANTANAL TOTAL > MAS NAO DA FORMA VALENTE COMO VOCE FEZ > cavalgando durante 1 ano pela nossa terra pantaneira ! !!!!! MAGNIFICO !
 
LILIAN SAAB em 24/11/2013 10:50:43
Ba tchê, tri legal Luiz Otávio, colega bagual, voltando ao pago, dando uma banda pelo pantanal, despasito tu vais chegar lá. Um forte quebra costela
 
Ivo Bianchin em 24/11/2013 09:47:31
Eu que nasci e fui criado e moro até hoje no pantanal na fazenda Famosa margem direita do rio negro fico feliz de ser amigo a muitos anos e de ter laçado junto castrando boi em souta e competições de laço comprido com este homem que só quem conhece sabe o quanto é bom Deus abençoe você meu amigo você coloca um marco no pantanal com esta viagem pode ter certeza grande abraço do seu amigo Serginho do Barão como você sempre me chamou estou orgulhoso de você !!!!
 
sergio silverio de souza (Barãozinho) em 22/11/2013 22:04:19
Luiz Otávio (Tavião), tenho muito orgulho de ter conhecido você, mais agora nos ensinando que podemos realizar os nossos sonhos, basta planejar e coragem para executar. Parabéns por esse belíssimo projeto e boa sorte nessa ultima etapa.
 
Ademar Mori em 22/11/2013 17:41:21
Luis Otávio, Parabéns caro amigo, que deus lhe de forças pois coragem de determinação sei que você tem, para que possa ensinar a nossa juventude de que temos de ter atitude para conseguir um objetivo. Tenho um dizer comigo, "LONGE E O LUGAR ONDE NÃO QUEREMOS IR." Parabéns e boa sorte mais uma vez.
 
Arthur Lemos Nogueira em 22/11/2013 17:03:22
Sou de Cuiabá/MT e tenho fazenda na região de Nossa Senhora do Livramento/mt. Me emocionei em ler sobre a paixão com que ele fala do Pantanal. Nós estamos à 100km do pantanal mas muitos não sabem pra que rumo fica! Acredito que depois desça viagem haverão outras pois aquele lugar enfeitiça quem daquele ar respira, É mágico.
 
Arllon Gama em 22/11/2013 16:56:20
É isso aí Luiz Otávio. Parabens! Acho que essa história vai virar filme!!!!!! Abraços
 
MARIA ANTONIETTA MENEGHETTI CARROMEU em 22/11/2013 14:28:23
"...para ser PANTANEIRO não precisa ter posse, não precisa ter terra.PANTANEIRO mesmo somos nós que nascemos, o pescador, o roceiro..."Sábias palavras sr. Luiz Otávio somente sendo um PANTANEIRO de alma e coração para entender os mistérios e encantos dessa maravilha que é o PANTANAL! Tenho orgulho de ser nascida e criada no meio dessa exuberante natureza!!!!!!!!!!
 
Girsiley Leite Lara em 22/11/2013 10:20:49
Parabéns Luiz Otávio, pela coragem e determinação. Estamos orgulhosos com essa empreita que já já chega ao fim. Um grande abraço....
 
Walter de Castro Neto em 22/11/2013 08:23:45
Chará, ainda bem que pessoas igual a vc ainda existem, para com coragem e dedicação para registrar essas maravilhas, valeu pantaneiro.
 
Luiz Carlos Rodrigues de Souza em 22/11/2013 07:55:44
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.