A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

15/07/2013 06:48

Velha rodoviária vira divã na madrugada para quem sai da balada

Anny Malagolini
Além de servir lanches, atendentes da velha rodoviária viram 'psicólogos' na madrugada em Campo Grande. (Foto: Anny Malagolini)Além de servir lanches, atendentes da velha rodoviária viram 'psicólogos' na madrugada em Campo Grande. (Foto: Anny Malagolini)

Quem trabalha como atendente, na noite, já está acostumado a lidar com essas situações: cliente depois da balada, de porre e com muita história para contar. O local que era pra ser para comer e dar fim à noite se torna um verdadeiro divã.

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

Garçom amigo é aquele que te serve e ainda lhe empresta os ouvidos para os desabafos na madrugada, causados por crises amorosas e até financeiras.

Em pouco tempo trabalhando como atendente na madrugada, na antiga rodoviária da Capital, Rodrigo Santos, de 17 anos, conta que já “cresceu” muito só ouvindo relatos da vida dos clientes. Mas além da atenção, alguns não só pedem opinião como também sinceridade. “Já tive cliente que trazia as meninas para lanchar e perguntava minha opinião, qual era a mais bonita e até dão gorjeta por isso”, conta Rodrigo, que apesar da pouca idade, já deu conselho a gente “adulta”.

São histórias da vida, desde a infância e até o roteiro da noite, o que fizeram e o que ainda pretendem fazer. Enredos por vezes repetidos, mas que ainda surpreendem quem é veterano em atender. Em 22 anos fazendo lanches na noite campo-grandense, Edilson da Silva, o “Baiano”, é figura conhecida desde os tempos em que os fins de noite acabavam nos canteiros da avenida Afonso Pena.

Com tantos anos na madrugada, nem todas as histórias tiveram um bom final. Foram cervejas jogadas na cara, mesa quebrada, briga de casal e lamentação de quem fica na mesa depois de ver toda a cena. Mas também tem reconciliação, comemoração ao novo emprego e tudo, é claro, dividido na beira da chapa quente do trailer. “Aqui também é lugar de desabafo e é isso que dá graça nas longas noites de trabalho”, afirma Baiano.

Há oito anos, Alceu Hausmanen, 42 anos, serve lanches. No entanto, além de lancheiro já se auto nomeou psicólogo, depois de ouvir tanta história, de forma neutra, sem emitir palpites ou conselhos. “Eles chegam e a gente vai ouvindo os casos, mas não dou pitaco, não está incluído no serviço”, brinca.

Mas com o avançar da noite, o local recebe o dobro de clientes e com a tamanha movimentação ele confessa que fica difícil trabalhar e a análise psicológica acaba atrapalhando. “Tem uns que exageram, estão bêbados e perdem o bom senso”.




OLha a aluninha de psicologia ja querendo botar moral nos comentaristas... nem começou a estudar ja ta se achando ...va se formar linda !!!kkkk
 
carla magda de sá em 15/07/2013 21:40:25
...já se auto nomeou psicólogo... É mole??!!! Gente, é desvalorizar demais os profissionais da área. É a mesma coisa quando falam de terapia de salão de beleza...
Gente, conversar, desabafar, bater papo é uma coisa... TERAPIA é outra completamente diferente!
 
Suellen Kemp em 15/07/2013 18:42:25
Ótimo local para eventos, ambiente familiar, cinemas de última geração, segurança dia e noite, pessoal aprazível, fácil estacionamento. Centro propício para eventos culturais, bem à altura do Sul-Mato_Grossense.
 
Paula Pedra em 15/07/2013 12:52:11
Muito bom, o problema que a maioria dos bêbados saem de carro para casa após terminar a noite lá.

Faça duas blitz no fim de semana, não sobrará ninguém...
 
Roberto Zarour em 15/07/2013 10:56:43
Isso mesmo, mas ainda assim os vizinhos chatos precisam desestressar mais, viajar mais, fazer mais amor e serem mais amados e amáveis.
 
kleber Nantes em 15/07/2013 09:23:49
Para ser psicólogo devemos saber muito mais do que só ouvir! Eles podem ser amigos, conselheiros, qualquer coisa... menos psicólogo! Por favor, esse tipo de comparação invalida os 5 anos de estudo dedicados ao curso de Psicologia e prejudicam o reconhecimento dessa profissão. Até Bruna Surfistinha já se disse "psicóloga". Psicologia não é papo de comadre, existem técnicas científicas que devem ser aplicadas para eficácia do tratamento.
Sandra Letícia - acadêmica de Psicologia
 
Sandra Letícia em 15/07/2013 08:39:02
Olha aí um espaço legal para eventos culturais como o que ocorrem na Orla e sem causar problemas com os vizinhos chatos.
 
Rodrigo Adania em 15/07/2013 08:36:16
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.