A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

17/09/2012 16:15

No lombo do cavalo, pantaneiro percorrerá 40 fazendas em aventura solitária

Paula Maciulevicius
Mais forte e mais feliz quem sabe. Luiz Otávio Barboza Carneiro segue o caminho devagar porque já teve pressa, em busca de si mesmo, por todo um Pantanal. (Fotos: Paula Maciulevicius)Mais forte e mais feliz quem sabe. Luiz Otávio Barboza Carneiro segue o caminho devagar porque já teve pressa, em busca de si mesmo, por todo um Pantanal. (Fotos: Paula Maciulevicius)

Como um velho boiadeiro levando a boiada, ele vai tocando os dias pela longa estrada. Andando devagar porque já teve pressa e levando consigo só a certeza de que muito pouco sabe.

Veja Mais
A arte de fazer um Quebra Torto de levantar qualquer pantaneiro
Cavalgada em grande estilo dá trabalho, mas garante conforto até no Pantanal

Para conhecer as manhas e as manhãs, ele, dois cavalos pantaneiros, dois burros e o sonho de encontrar o Pantanal e se encontrar nele vão percorrer a rota pioneira em uma cavalgada pelo Pantanal.

Um dos personagens que o Lado B teve a felicidade de encontrar na 5ª Cavalgada no Pantanal é o protagonista desta história. Em novembro ele passa a reviver o papel do pantaneiro já vivido e percorrido pelos seus ancestrais. Trineto de Nheco, que dá o nome à Nhecolândia, Luiz Otávio Barboza Carneiro, vai realizar o sonho de menino, aos 58 anos, de galopar por onde passaram os cavalos de seus bisa e trisavós. Sozinho, revivendo o Pantanal e descobrindo o que a interferência do tempo transformou.

“Depois que criei os filhos, eu passei muitos anos querendo fazer isso. Hoje, não tenho compromisso, eles estão tudo criado. Vou fazer meu sonho que é só de andar a cavalo”. Médico veterinário por formação e leiloeiro rural durante boa parte da vida, o amadurecimento e a aposentadoria lhe dão o fôlego para galopar.

A partida tem data. Dia 12 de novembro, mas a volta não. A cavalgada será dividida em duas partes, saindo da cidade Nossa Senhora do Livramento, no Pantanal mato-grossense até a Fazenda Firme, na Nhecolândia. Aí serão 45 dias, em média, para uma cavalgada estimada em 900 quilômetros.

O segundo trecho é saindo da Fazenda Firme até o Leilão Corixão. Restante que o ‘seo’ Luiz Otávio diz não poder contabilizar por conta dos desvios. É um dos motivos dele estar indo todo aparelhado com GPS que pode dar à família a localização exata e transcrever em números a experiência que a vida pantaneira lhe trouxer.

Quando ele falou da ideia, a família, claro, impôs restrições. Principalmente para os cuidados com a saúde. “Não tinha como falar não vai. Então tá. Mas vai se comunicando com a gente”, conta a filha Renata Carneiro, 28 anos.

Preparando a sela como quem prepara as malas para uma viagem de descobertas e redescobertas de um Pantanal vivido pelos ancestrais. Preparando a sela como quem prepara as malas para uma viagem de descobertas e redescobertas de um Pantanal vivido pelos ancestrais.

O sonho foi todo posto no papel e em formato de projeto mesmo. Com a justificativa histórica e pessoal, os pontos de apoio e abastecimento durante a viagem, o mapa da rota nas duas fases e o projeto piloto, desenvolvido durante a 5ª Cavalgada no Pantanal. Aquela realizada entre os dias 6 e 9 de setembro, na Nhecolândia, que mostraram o dia-a-dia de quem resolveu se aventurar em meio aos pantaneiros.

A aventura de Luiz Otávio promete mais. Ele tem a intenção de registrar tudo. Onde for bem-vindo fica. Fotografa, conta, escreve, vive o modo de viver daquele povo. Uma história para mais de uma série de reportagens. Uma história para uma vida toda.

Na fase piloto foram cinco dias de estrada, saindo da fazenda Nhuporã, já na Nhecolândia, até a sede do evento, na Baía das Pedras. Dentro desta trajetória, a dificuldade foi encontrar água, o que resultou em dois dias sem banho.

A chegada na fazenda foi receptiva. “Em 28 anos, ela nunca me deu um abraço tão apertado como quando eu cheguei”. Ele se referia à filha Renata. A preocupação foi um pouco maior porque o GPS marcou a localização errada de seo Luiz Otávio em todo o trajeto. “Não vai ser fácil, mas coisa fácil não tem graça”, conta já aos risos.

“É com coragem e amor que eu estou fazendo isso. Pode durar um ano. Eu posso ficar uma semana, um dia, como três em um lugar”, vai depender do que mandar o coração.

A intenção de realizar o piloto era anotar o que fosse preciso mudar. A única coisa que a pré-experiência mostrou é que seo Luiz precisa ter um cargueiro a mais. Um só burro, como o feito até a Baía das Pedras, pode não dar conta de conhecer junto do dono, o Pantanal.

“Vim aproveitando a data para testar tudo. Cavalo, equipamento. Era para anotar o que não deu, mas eu não anotei nada”, diz reforçando que tudo estava indo como o esperado.

Durante 5ª Cavalgada no Pantanal, ele ainda tinha a companhia da aprendiz. A neta Luana, de 7 anos. Durante 5ª Cavalgada no Pantanal, ele ainda tinha a companhia da aprendiz. A neta Luana, de 7 anos.

É que a vontade e o planejamento de fazer tudo dar certo falaram mais alto. Luiz Otávio espera há 35 anos para galopar pela rota pioneira. Ainda tinha o pai vivo quando falava de cavalgar. Segundo ele, deu a hora que deu. Mesmo levando quase quatro décadas para isso acontecer.

“Vou falar uma coisa, você que não conhece, mas fique só aqui, o Pantanal é apaixonante. Você larga tudo o que tem no mundo e vem pra Nhecolândia. Me chamam de louco, mas por que? O povo vai a pé para o Caminho de Santiago. A única coisa que eu quero é pegar o meu cabalo e vim de Livramento, como meus ancestrais”.

O galopar dos cavalos só começa mesmo é depois da benção que o cavaleiro vai pegar na igreja Matriz de Nossa Senhora do Livramento. É o homem pantaneiro que tira o chapéu para pedir proteção.

Luiz Otávio fala com alegria da rota. Veste a camisa do sonho, literalmente. A blusa azul mostra ‘Cavalgando pelo Pantanal – Percorrendo a Rota Pioneira’. E nele há também um misto de ansiedade e de realização nos olhos que parece os de um menino criança que acabou de ganhar um brinquedo muito esperado.

“Nestes cinco dias eu vim conversando com os anjos. Encontrei um amigo que aqui me disse que ele entendeu toda a cavalgada. Ele fala que eu disse a ele se conhecer minha dona, fala que eu estou indo ao encontro dela. Mas quem é a sua dona? Ele me perguntou. É a felicidade”.

A esta frase ele atribui que este espírito aventureiro é o maior antidepressivo. A viagem nem começou e a alma de Luiz Otávio já reflete o que os olhos viram. É de se imaginar que riqueza de experiência cavalgar só, pelo Pantanal não vai lhe trazer.

No livreto, onde está toda a explicação teórica da cavalgada, ele descreve “Mil vezes tenho me indagado das razões para realizar essa jornada, muitas vezes me surpreendido indagando a mim mesmo para quem a faria”.

“Vou falar uma coisa, você que não conhece, mas fique só aqui, o Pantanal é apaixonante. Você larga tudo o que tem no mundo e vem pra Nhecolândia”. Este será um dos vários pôr-do-sol vistos no seio da vida pantaneira, pelo cavaleiro Luiz Otávio. “Vou falar uma coisa, você que não conhece, mas fique só aqui, o Pantanal é apaixonante. Você larga tudo o que tem no mundo e vem pra Nhecolândia”. Este será um dos vários pôr-do-sol vistos no seio da vida pantaneira, pelo cavaleiro Luiz Otávio.

Ao todo serão mais de 40 fazendas e pontos de história, como a travessia do rio São Lourenço, na divisa dos dois estados de Mato Grosso. O caminho todo saiu do próprio bolso. Ainda não houve pantaneiro disposto a ajudar a reconstruir a história. Seo Luiz Otávio prefere não tocar no assunto, mas o sonho vai custar caro e sem patrocínio ele vai desembolsar R$ 45 mil.

A trajetória, já dita aqui, começa em novembro. Apesar de ir só, seo Luiz Otávio pode dar um gostinho do que é viver a cavalgar no Pantanal. Com a ajuda da filha, ele promete ir alimentando a página no facebook “Cavalgando pelo Pantanal a rota pioneira”, mostrando que valeu a pena.

Um dia chegando e no outro indo embora. No meio tempo, conhecendo as terras pantaneiras no sentido oeste-leste. Registrando mais do que em fotos e textos, na alma, a realidade atual. Imaginando dentro de si, como seria ali num passado de seu trisavô, mas principalmente verificando com os olhos de menino, o presente.

Se Almir Sater diz que cada um de nós compõe a sua história e carrega em si o dom de ser capaz e ser feliz, Luiz Otávio está fazendo sua parte. Talvez mais forte e mais feliz, quem sabe.




Oi Luiz Otavio, estive em Campo Grande no ultimo fim de semana e soube pelo Zezinho de sua "aventura". Que maravilha. ... Parabens pela coragem de enfrentar sozinho tantas cavalgadas. Abs. da prima Maria Silvia (Rio)
 
maria silvia sentes em 18/12/2012 10:32:17
...parabéns à iniciativa do Luiz, em sair nessa empreitada...com certeza é um grande resgate de si próprio, assim como é certeza que voltará mais Pantaneiro que nunca", pois o Pantanal é isso!
À vc Paula, só Elogios.... ta escrevendo que só... Excelente o seu texto!
 
mauro almeida em 18/09/2012 12:58:47
Lindo texto! Fiquei emocionada com a aventura deste pantaneiro.. já estarei aguardando todas as histórias que ele irá trazer desta jornada... Parabéns pela força de ir atrás de seus sonhos e desejos! Boa sorte, Luiz Otávio!
 
Rosa Terada Ishikawa em 18/09/2012 10:35:41
Luis Otávio parabéns pelo escolha da rota ele é linda pois conheço muito bem está região, nasci e cresci próximo a está linda fazenda Baia das Pedras que na época o Sr Zé Lima morava este então já falecido. vc ira encontrar muitas pessoas que ama e preserva o pantanal O HOMEM PANTANEIRO. desejo muita saúde pois a alma pantaneira ira lhe proteger. Abraços a todos que encontrar no caminho.
 
joao bitencourt em 18/09/2012 09:56:05
Nobre decisão. Parabéns e vá em frente, e se deleite dos previlégios que esta viagem lhe trará. Material e espiritualmente. Siga em frente, que Deus estará contigo. "não vai bambear o garrão", porque pantaneiro não é "pau-terra", pantaneiro é "aroeira". Diante de qualquer dificuldade, lembre-se do jargão " aqui não pica-pau, aqui você entorta o bico".

Até lá, cuide-se e fique focado. Abraços.
 
Cyl Farney em 18/09/2012 09:07:13
Já tive esse sonho, mas não posso realizar, Deus te acompanhe nessa jornada que não será nada fácil mas com certeza pelo caminho da Nhecolândia encontrará a hospitalidade pantaneira boa sorte.
 
José Carlos de Arruda em 18/09/2012 08:26:08
boa viagem bigode e não esqueça do zape grd abraço do vaqueiro
 
nilson ricartes em 18/09/2012 08:13:07
Grande e Aventureiro primo...faço votos que sua cavalgada resgate e demonstre o esforço daqueles que heroicamente nos antecederam, mantendo-os vivos em nossas memórias. Sucesso na empreitada.....
 
Arnaldo Puccini Medeiros em 18/09/2012 07:54:18
Carissmo Luiz Otávio, lendo sobre sua proxima aventura, trouxe a baila memórias de infância na deliciosa "nhumirim". Saiba meu amigo que não estarás sozinho nessa empreitada, estarei junto em pensamento. Abraços e muito boa sorte na estrada.
Fernando Scaffa
 
Fernando Scaffa em 18/09/2012 05:56:07
Agradeço e parabenizo inicialmente a Paula pela excelente reportagem que escreveu.
Agradeço a todas mensagens de apoio recebidas.
Envio o endereço da CAVALGADA no facebook para quem desejar acompanhar as atualizações e roteiros basta clicar em curtir que receberá atualizações automaticamente.
Obrigado a todos!

https://www.facebook.com/pages/Cavalgando-pelo-Pantanal-A-Rota-Pioneira/339009069518089?ref=hl
 
Luiz Otavio Barboza Carneiro em 18/09/2012 04:44:54
Que Deus lhe ilumine e o acompanhe nesta empreitada, pois o desafio é grande, porém a recompensa tenho certeza que será infinita.Registre os momentos da viagem para que possamos compartilhar de suas aventuras e da beleza deste nosso solo sagrado.
 
Edi Carlos Lima em 18/09/2012 01:14:01
Vá em frente meu amigo e que Deus o acompanhe nessa empreitada....fico do lado de cá torcendo para td dar certo......vá com Deus!!
 
Lenita Barbosa Pinese em 17/09/2012 09:51:26
Este é o verdadeiro homem pantaneiro, conserva histórias de vidas passadas que ali passaram, imaginem naqueles tempos o que era o pantanal matogrossense, com certeza Sr Luiz Otavio isto muito gratificante. melhor que ir para qualquer parte do mundo de avião com hoteis de luxo etc. isto vai ficar na história para toda sua familia, e para nós que somos Matogrossense / Mato grosso do Sul como sou eu.
 
Lenine Ferreira da Silva em 17/09/2012 08:52:36
Luiz Otávio,vai em frente com seu objetivo, Deus te acompanhe e te proteja sempre.
 
Lúcia Regina de Arruda Castelo em 17/09/2012 06:16:49
Grande Pantaneiro !!
Iniciativa espetacular ,abrindo total horizonte para nossas tradições,resgatando a história dos antigos desbravadores, aflorando a cultura pantaneira, certeza de atrair ventos favoráveis para o nosso ecoturismo...
Parabéns nobre Amigo Luis Otávio Carneiro
Deus ti Abençoe nessa empreitada...
 
Roberto Abreu em 17/09/2012 06:15:37
Muitos procuram roteiros no exterior para 'espairar' ou apenas a titulo de aventura - poucos - de tutano com sabor da terra querem vasculhar o solo onde nasceram ou vivem. Já estou imaginando as situações do dia a dia. Como se diz : 'cara marruá' inventar essa viagem. Não tenho dúvida: vai conversar com Deus sob os acordes dos passaros e sob o manto de estrelas, Vai com Deus Luizão! E volte
 
manoel afonso em 17/09/2012 05:50:45
Vamos ficar rezando por vc Luiz Otavio.... esperando noticias...tenha uma boa viajem!!!
 
Elene de Macedo em 17/09/2012 05:18:39
Paula.... ficou excelente a matéria....
Mto emocionante. Parabéns!!!
 
Renata Carneiro em 17/09/2012 05:17:36
Valeu...Luiz otavio....pela sua demonstração de coragem e fé...que DEUS ilumine essa sua caminhada...segue firme e forte no seu roteiro......ABRAÇOS.....
 
Gustavo Pael em 17/09/2012 04:52:07
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.