A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

14/03/2013 07:31

Bicicletas elegantes, retrô e caras chegam à cidade com a febre das ciclovias

Elverson Cardozo
Modelo retrô. Bicicleta tem o desenho antigo, mas a tecnologia mudou. (Foto: Marcos Ermínio)Modelo retrô. Bicicleta tem o desenho antigo, mas a tecnologia mudou. (Foto: Marcos Ermínio)

Com 86 quilômetros de vias destinadas aos ciclistas em Campo Grande, a procura por bicicletas, é lógico, aumentou nos últimos meses. A “moda” sobre duas rodas ainda está pegando por aqui, mas as bicicletarias já estão vivendo uma espécie de “revolução”. À venda, modelos caríssimos, de alta performance, que raramente chegavam à cidade.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Em 2009 o publicitário Thiago Urias Lopes, de 29 anos, deixou a Capital para continuar os estudos em Curitiba. Quando voltou, no final de 2012, percebeu que Campo Grande estava entrando na onda das bicicletas.

De olho no mercado, resolveu investir no setor. Abriu, há dois meses, uma “Bike Shop”. O destaque da loja, que ele classifica como uma "bicicletaria moderna", são os modelos. A empresa trabalha com bicicletas retrô, que custam de R$ 2 mil a R$ 3 mil. A marca, dos Estados Unidos, tem conquistado quem adora um "estilo".

Apesar do desenho antigo, as “magrelas” tem a mesma tecnologia dos modelos modernos, que figuram em competições.

O charme fica no quadro mais largo, nas manoplas em couro, nos pneus com faixas brancas e no sistema de freios que utiliza o contrapedal. O peso, no entanto, ficou no passado. A estrutura, em alumínio, deixou tudo mais leve.

Manopla em couro. (Marcos Ermínio)Manopla em couro. (Marcos Ermínio)

Até R$ 54 mil - Na loja da Rua da Paz, também estão à venda marcas de empresas que trabalham com modelos conhecidos, como a Caloi. Uma bicicleta de entrada desta fabricante custa, em média, R$ 600,00, enquanto a “top de linha”, construída com fibra de carbono, chega a R$ 8 mil. Mas aí, como disse o proprietário, “é outro nível de pedalada”.

Mesma tendência segue a Kona, marca americana que também chegou a Campo Grande. A bicicleta básica sai por R$ 2.199. Tem a estrutura em alumínio e possui freio a disco mecânico.

A mais cara, da mesma empresa, custa R$ 25 mil e só é vendida sob encomenda. O sistema reúne o que há de melhor no mercado. O quadro é diferenciado, ainda mais leve que o de alumínio. Tem até suspensão dianteira.

Bicicleta da marca Scott. Modelo custa  R$  54 mil. (Foto: Divulgação)Bicicleta da marca Scott. Modelo custa R$ 54 mil. (Foto: Divulgação)

Já a Scott, da Suíça, possui um modelo que custa R$ 54 mil, preço de dois carros populares. Dentre os mecanismos que encarece o modelo está o câmbio eletrônico. “Tem chips. Você bate o dedo no trocador e ele faz o comando de troca de marcha na hora”, conta Thiago.

Evolução - Uma das pioneira no ramo das bicicletas em Campo Grande, a Ciclo Ribeiro, também teve de acompanhar o mercado. Além das montagens próprias, dos modelos populares, a loja passou a importar de uma marca canadense.

Na lista das mais procuradas está a “Aro 29”, que sai por R$ 3.100,00. Possui roda maior e serve para competição. Segundo o gerente comercial da empresa, Gleison Cleber Andrade Ribeiro, de 34 anos, a vantagem é vista nas trilhas.

“O alumínio mais leve se sobrepõe na trilha. No obstáculo é bem melhor. Em um buraco, como a roda é maior, ela passa com tranquilidade”, diz, exemplificando.

Mesmo com o aumento da procura por bicicletas mais sofisticadas, as básicas, que atendem àquele passeio de final de semana, não caíram da moda, diz.

A boa notícia é que agora elas saem com mais facilidade para as ruas. A cidade, ao que tudo indica, começa a mudar. “O cenário cresceu, mas ainda está caminhando”, pontua o gerente.




gostei muito da reportagem sobre bicicletas retro e acho que e uma tendencia e muita tecnologia e originalidade ah também recomendo o alemão da ciclo alemão já conheço e sei que é bom nisso.
 
devid de oliveira em 14/03/2013 20:19:26
Ciclovia aqui parece que foi feita para pedestre, é impossível pedalar na duque de caxias sem ficar desviando a todo instante dos pedestres (detalhe que tem calçada ao lado).
 
telson faraday martinez junior em 14/03/2013 19:10:54
o kaio gleizer falou tudo , eh impossivel andar de bike na ciclovia da cafezais os pedestres tomam conta da via, depois das 18:30 piora se vc quizer andar tem q ser na grama eles nao saem, fica a dica para fazer uma reportagem la .
 
tiburcio simonato em 14/03/2013 14:35:48
Agora só falta os pedestres "entenderem" que as ciclovias foram feitas para as bicicletas.
 
Kaio Gleizer em 14/03/2013 14:00:27
Alguém pode fornecer o endereço e telefone dos revendedores das marcas Nirve e Kona ai em Campo Grande???
 
Adinaldo Dutra em 14/03/2013 13:19:03
Só uma correção, hoje há sim uma febre do uso da bicicleta, mas esse movimento não começou agora, vem evoluindo faz mais ou menos uns 10 anos e hoje está no seu auge, as bicicletas tops sempre estiveram nas ruas só que hoje se encontra elas por ai com mais facilidade.
 
Sergio Giraudo em 14/03/2013 13:15:00
esse mecanico da ciclo alemao sabe o que faz ele e bom mesmo eu recomendo.
 
tiburcio simonatto em 14/03/2013 12:56:43
Ciclo Alemão, Reustaurador de bicicletas (67)9271-3781
 
Everton Amaral em 14/03/2013 08:51:32
E corrigindo a correção que eu fiz, a Scott é Suiça:
http://pt.wikipedia.org/wiki/SCOTT_Sports
 
Luciano Yamauchi em 14/03/2013 08:30:31
Excelente materia, poderiam também fazer uma sobre os passeios realizados pelas bikeshops que acontecem quase que diariamente além dos treinos que já são tradicionais e ocorrem no Parque dos Poderes e na Avenida Interlagos.Só um correção, a Scott é uma fábrica americana.
 
Luciano Yamauchi em 14/03/2013 08:28:25
Para não estagnar, que tal se a prefeitura fizesse, por ano, 10km de mais ciclovia.
E sempre ligando a alguma ja existente.
 
Romeu Luitz em 14/03/2013 07:43:17
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.