A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

25/05/2013 08:30

Família sofre, desconectada em bairro que ficou órfão da internet

Aliny Mary Dias
Alison recebeu carta de empresa há 1 mês informando que internet será suspensa (Foto: Vanderlei Aparecido)Alison recebeu carta de empresa há 1 mês informando que internet será suspensa (Foto: Vanderlei Aparecido)

O que você faria se estivesse a poucos dias de ficar sem acesso a internet por tempo indeterminado? Essa é a situação vivida pela família do universitário Alisson Pereira de Melo, de 23 anos, morador do bairro Recanto dos Rouxinóis em Campo Grande.

Veja Mais
Para quem só toma Sidra, sommelier apresenta espumante bom e barato
Loja reinaugura com liquidação de jeans por 39,90

A única operadora de internet que disponibiliza cobertura para a rua Victor Assis Brazil irá encerrar as atividades no próximo dia 31 e a partir do dia 1º de junho os trabalhos de faculdade, a pós-graduação do irmão e os cursos à distância do pai de Alisson não poderão ser feitos.

Uma carta enviada para a família pela empresa Jet, contratada há 4 anos, informou que a empresa foi comprada pela Sky e que o serviço de internet não será mais oferecido pela compradora.

Antes de contratar a Jet, a família que se mudou há 7 anos para a Capital procurou outras operadoras, mas nenhuma delas tinha cobertura na região. Depois da surpresa de receber o comunicado da suspensão dos serviços, a família começou uma rotina de ligações para atendimentos ao cliente e cadastros nos sites das empresas em busca de uma saída.

“Eu, meu pai e meu irmão começamos a ligar para várias empresas, mas nenhuma delas tem rede que cobre a nossa rua. A única é a Oi que oferece pacote de 1 mega, mas a atendente disse que estava esgotado e eu só conseguiria contratar se alguém desistisse ou se um morador morresse”, explica o jovem.

Depois de várias ligações e respostas negativas, a família ficou sem saída e não vê opção para continuar conectada à rede. “A gente não está pedindo nada de graça, queremos que tragam um serviço que a gente vai pagar por ele”, desabafa Alison.

Outro motivo de revolta da família é que pessoas que moram no mesmo bairro, há duas quadras da casa, têm a cobertura das empresas e o acesso normal à internet.

“Hoje em dia ninguém pode ficar sem internet, temos trabalhos para fazer e agora ficamos sem opção".

O jovem conta que até uma empresa local que oferece o serviço para várias regiões da cidade informou que a região não possui cobertura. “No folheto eles falam que cobrem até a Moreninhas, mas aqui pra gente não chega, é frustrante”, afirma Alisson.

As empresas procuradas pela família foram a GVT, que informou por meio de uma atendente que o serviço não tem disponibilidade prevista para a região. A Net também afirmou que a rede de cobertura não abrange o bairro Recando dos Rouxinóis.

A Oi, que oferece apenas o serviço de 1 mega, informa que está com os armários – espaços onde as fiações da rede se conectam às casas – lotados e que não a previsão para liberação.

Inconformada com a condição de ficar desconectada do mundo virtual, a família pensa até em entrar na Justiça para que alguma providência seja tomada. “A gente nem sabe se pode entrar com alguma medida para isso, mas se for possível vamos entrar com ação sim. Só queremos o serviço aqui”, completa o universitário.

Nenhuma das operadores de telefonia e internet que atende a cidade tem disponibilidade para a casa da família (Foto: Vanderlei Aparecido) Nenhuma das operadores de telefonia e internet que atende a cidade tem disponibilidade para a casa da família (Foto: Vanderlei Aparecido)



Hoje temos vários maneiras de por internet como eu fui obrigado a utilizar o modem da operado CLARO não é aquelas coisas, pois na região em que moro a operadora OI disse : que não tem rede disponível então tive de buscar outra alternativa a não ser a opção da banda larga da operadora .
 
peterson almeida em 26/05/2013 07:56:07
Sobre os comentários de internet via rádio, sim nós sabemos, porém nós queremos evitar essa alternativa, pois se comparado com os valores de conexões oferecidas por essas operadoras citadas na reportagem é estupidez pagar tão caro por um serviço que nao tem 1/3 da qualidade das demais. Mas caso não exista saída, teremos que recorrer a essa medida sim, pois dependemos da internet por conta de trabalho, faculdade e etc.
 
Alison Melo em 25/05/2013 16:34:30
"Vige", li cada comentário desnecessário acima, que nossa, quanta educação!. O CARTEL existe neste ramo faz muito tempo. É só ler um pouco e se informar que notará o que existe de fato em Campo Grande. O problema é que a ANATEL pouco se importa com isso.
 
Rafael Moreira Correia em 25/05/2013 15:57:42
Sobre o comentário:
"Só ele que não sabe que lá no bairro dele, tem por baixo 11 antenas de distribuição de internet via rádio.....".
É bom esclarecer que o custo inicial para o serviço via rádio é de R$ 150,00 à R$ 300,00, dependendo da empresa. As vezes as pessoas não disponibilizam desse valor inicial. É hora de fazermos um movimento para termos a internet custeado pelo governo. Vocês sabiam que Governo do Rio disponibiliza Wi-Fi grátis no Complexo do Alemão, Morro do Adeus, Morro da Baiana e Morro do Alemão ??? Não sabiam? Pois é, o Rio que é tão criticado por questões de desigualdades sociais começa a dar exemplo de inclusão digital a ser seguido pela nossa "Linda Capital Morena". Abraça essa por nós BERNAL!!! link: http://tecnoblog.net/94166/wifi-gratis-complexo-alemao/
 
Antonio Jordan Costa em 25/05/2013 12:34:53
E se ficar sem net?? vai morrer por isso?? Gente medíocre!
 
MARIO WANDERLEY ALFONSO NOGUEIRA em 25/05/2013 11:59:03
Terão que partir para uma internet Via Rádio ou então para uma 3G, ambas péssimas opções...
 
Luis Pontes em 25/05/2013 11:25:50
E a Anatel ainda proíbe, legislativamente, que pessoas físicas compartilhem a conexão de internet com terceiros. Isso só protege as operadoras, afinal, se todo mundo compartilhar a internet, elas ficam sem receita. Vejo que o compartilhamento é a única solução para a família não ficar sem internet: encontrar algum vizinho de rua que esteja disposto a "rachar" a conta e compartilhar a internet via sinal wireless. Recomendo usar uma antena omnidirecional > 8 dbi ou uma antena direcional entre as duas residências para melhorar a força do sinal.
 
Renato Marques em 25/05/2013 11:08:14
e so ele pegar internet via radio fica mais facil
 
JOSE PEDRO em 25/05/2013 10:39:15
Quando a operadora conseguir liberar esse 1 Mega, com certeza vai cobrar o valor de 10 Mega e entregar 200k.
 
Cleberson Silva em 25/05/2013 10:18:49
O nome disso é Cartel; quebraram os pequenos para que não disponibilizassem internet para todos. Agora como ficam os moradores de Campo Grande, uma capital das mais promissoras do país? Entregue à própria sorte. Onde está a Anatel que não vê isso? Cobrar tarifas absurdas essas operadoras sabem, mais dar um serviço satisfatório aí já não é possível. Simplesmente coisa de 3º mundo. Se for ver é bem capaz de nos presídios terem cobertura de internet banda larga, mas para o cidadão comum que paga seus impostos o serviço não está disponível.
 
Robert Verissimo em 25/05/2013 10:14:04
Não é só lá que isso acontece, região do Estrela Park é do mesmo jeito, só que a Operadora Oi te vende o serviço, te cobra por isso, além de deixar bem claro que é só tem o pacote de 5Mb e quando vence o prazo para instalarem te informam que não chega o sinal...
Bacana né, não poderia verificar antes de vender???
 
Evandson Carvalho em 25/05/2013 09:42:20
Somos reféns dessas operadoras de telefonia, que além de não ter um serviço de qualidade não tem cobertura para atender os clientes.
 
Guilherme Rocha em 25/05/2013 09:13:19
Só ele que não sabe que lá no bairro dele, tem por baixo 11 antenas de distribuição de internet via rádio.Eu tenho certeza que ele sabe, basta olhar para as casas em volta com a grade no teto que rapidinho ele terá internet de mais de 1 mega por cerca de 50 reais mensais.Usa a cabeça guri.
 
sarae silva em 25/05/2013 08:43:59
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.