A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

13/08/2014 08:43

Irmãs abrem brechó que também vende peças de outlet e quebra a rotina com sarau

Aline Araújo
Nathália fez um curso de personal stylist para poder atender melhor no bazar. (Foto: Marcelo Calazans)Nathália fez um curso de personal stylist para poder atender melhor no bazar. (Foto: Marcelo Calazans)

O imóvel com detalhes em rosa vivo, na rua 25 de Dezembro, remete a uma casa de bonecas, mas é o endereço do Brechó Balacobaco. A palavra, segundo o dicionário informal, significa algo supimpa, bacana, maneiro... Uma brasa, mora? Foi por um golpe do destino e nesse clima de encontro do passado com o presente que as irmãs Nathália, de 27 anos, e Marina Barro Corrêa, 22, criaram o brechó que decidiu não vender apenas roupas, mas realiza um Sarau nessa quinta-feira.

Veja Mais
De super-herói a câmera analógica, presentes para nerds estão em alta
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres

As irmãs tomaram cuidado com cada detalhe para deixar o lugar aconchegante ao estilo vintage. Com as próprias mãos pintaram as paredes e fizeram detalhes em chita nos portais das portas das salas e dos guarda-roupas. Os expositores são feitos de caixotes de madeira e paletes. As araras, Nathália ganhou da madrinha que tinha acabado de fechar uma loja.

O negócio começou com o investimento quase zero e na verdade foi ele quem escolheu as irmãs. “As oportunidades foram surgindo e seria burrice não abraçar”, conta Marina. Nathália é jornalista e tinha dois empregos, quando saiu de um, viu no brechó a chance de ter uma renda a mais. Marina, acabou de se formar em Nutrição e atende pacientes em casa, mas agora o foco maior é no comércio.

Brechó funciona em uma casa branca e rosa na rua 25 de Dezembro. (Foto: Marcelo Calazans)Brechó funciona em uma casa branca e rosa na rua 25 de Dezembro. (Foto: Marcelo Calazans)

Tudo começou em dezembro do ano passado. Com vontade de viajar, elas fizeram uma “limpa” no armário. Separaram tudo que não usavam mais, colocaram em caixas, chamaram as amigas e venderam por preços simbólicos de R$ 2,00 e R$ 10,00.

O resultado foi tão bom que quando estavam na viagem com renda do bazar começaram a receber ligações perguntando quando seria o próximo. Pronto, o negócio começou a ser montado.

O lugar elas já tinham, um escritório do pai que estava sem ocupação. O produto também, já que as roupas do brechó são de consignações. E gente interessada em vender e comprar não faltava.

“Desde o começo a gente trabalhou com a ideia de sustentabilidade, da mulher movimentar o guarda-roupa dela, trazer o que ela não usa mais e levar algo novo”, explica Nathália, que fez um curso de personal stylist para poder atender melhor no bazar. 

Guarda-roupa foi reformado para decorar o ambiente. . (Foto: Marcelo Calazans)Guarda-roupa foi reformado para decorar o ambiente. . (Foto: Marcelo Calazans)

Em pouco mais de quatro meses, o negócio cresceu mais do que elas esperavam. Agora, as roupas são mais selecionadas, e uma das quatro salas da loja é dedicada para outlet, com roupas, sapatos e bolsas de mostruário de marcas conhecidas como Forúm, Melissa, Maria Filó e Reinaldo Lorenço, todas vendidas a preço de brechó. “ O único problema é a numeração, que acaba não sendo variada”, pontua.

Os produtos da loja vão desde quadros e artigos de decoração, como vasos e conjuntos de louça, até peças de vestuário e acessórios. Os preços variam de R$ 2,00 a R$ 200,00. A loja também tem um cantinho dedicado para as crianças, um espaço para os pequenos ficarem enquanto as mães fazem as compras.

O brechó também trabalha com roupas novas de mostruário. (Foto: Marcelo Calazans)O brechó também trabalha com roupas novas de mostruário. (Foto: Marcelo Calazans)

Sarau - Na casa da família a música sempre esteve presente e é uma paixão dividida pelas irmãs. Nathália mesmo já cantou em banda show durante a adolescência e o inicio da vida adulta. A vida caminhou para outros rumos e com a vinda da primeira filha os palcos ficaram para segundo plano.

Com a loja e as reuniões de amigas regadas animadas, surgiu a ideia do Sarau do Balacobaco, que pretende reunir pessoas a cada dois meses e transformar o lugar em um ponto de encontro. “Foi a maneira que a gente encontrou de ficar perto da música e exercitar nossa paixão de cantar. Quem tem a música no sangue sabe como é, mais forte que a gente”, comenta Nathália.

As irmãs contrataram uma dupla para fazer a base instrumental de violão e percussão, mas na hora da festa os microfones vão estar abertos para quem quiser se aventurar no palco. Além de música e exposição de algumas peças de arte, o evento terá caldos e bebidas à venda.

Cantar também é um paixão das irmãs. (Foto: Marcelo Calazans) Cantar também é um paixão das irmãs. (Foto: Marcelo Calazans)

Outra intenção do sarau, além de reunir os amigos, é conseguir renovar a coleção. No dia do evento, as peças que estão há mais tempo no estoque ganharão lugar em uma arara com 50% de desconto.

Thayane Rezek, de 21 anos, estudante de Engenharia Civil, amiga e cliente do brechó, acha que o Balacobaco é diferente justamente por ser um espaço de confraternização. “As meninas já fizeram aula de dança do ventre, contação de história para as crianças e aqui acaba sendo muito mais que uma loja, é um lugar para conversar e um espaço de cultura e carinho. Acho que as pessoas estão carentes desse calor humano”, relata

O Sarau do Brechó Balacobaco, localizado na Rua 25 de Dezembro, 1268, quase esquina com a Rua das Graças, será realizado na quinta-feira (14), às 17h. A entrada é gratuita.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.