A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

20/02/2012 19:33

Uma parada na folia para aproveitar as pechinchas da feirinha da Bolívia

Paula Vitorino
Mercadorias ficam penduradas em frente as lojinhas, em meio a rua empoeirada. (Fotos: Marlon Ganassin)Mercadorias ficam penduradas em frente as lojinhas, em meio a rua empoeirada. (Fotos: Marlon Ganassin)

Durante o dia Corumbá parece dormir para curar a ressaca da noite de folia e a movimentação maior acontece na fronteira com a Bolívia. Os turistas aproveitam a segunda de Carnaval para cruzar a fronteira e fazer a festa na feirinha da Bolívia.

Veja Mais
Primeiro dia de desfile de Corumbá dá aula de Carnaval e deixa expectativas
“Prainha” do rio Paraguai é refresco ao calor de 30º e cura para ressaca

“A gente veio conhece o Carnaval de Corumbá e já aproveitou para fazer compras do outro lado da fronteira. Descansamos da noite de ontem e à tarde viemos para cá”, diz o folião de Panorama, interior de SP, Marcio Nunes, de 33 anos, que veio curtir a folia com um grupo de amigos e parentes.

Chegar até lá é fácil. Cerca de 15 minutos e pronto, a placa “Benvenidos a Bolívia” recepciona os compradores. Em pleno Carnaval, a fiscalização também tira férias e a passagem de veículos acontece tranquilamente. O pedágio custa R$ 1.

A paisagem não é das melhores, ao contrário da vista do Pantanal, com as ruas de terra, desertas e empoeiradas. Mas o que atrai mesmo os visitantes são preços das lojinhas e barracas.

Blusas penduradas, qualquer uma, por R$ 10 cada. Blusas penduradas, qualquer uma, por R$ 10 cada.

Quem conhece bem o local já avisa: perfume e eletrônicos não compensa tanto, é melhor ir para a fronteira do Paraguai. O forte mesmo da feirinha são as roupas, produtos de cama, mesa e banho.

“Compensa muito só para comprar roupa de cama, mesa e banho. É a terceira vez que venho”, diz a professora do Rio de Janeiro, Jaqueline Teixeira, de 38 anos.

A oferta desses produtos é variada e exposta pelos varais na frente das lojas. Camisa pólo é vendida por R$ 15, em outra loja os vestidos e blusas expostos podem ser levados R$ 10 cada, já as tolhas de banho custam R$ e a calça jeans masculina R$ 15 e feminina R$ 17.

Mas o comerciante ainda avisa: se levar por atacado o preço cai pelo menos R$ 2 em cada peça.

Edredon de casal custa em média R$ 50, com várias estampas, e a roupa de cama pode ser renovada por R$ 20, também de casal.

Pechincha nas barracas.Pechincha nas barracas.

Mas para quem chega até a feirinha, aproveitar os descontos nos outros produtos é quase uma obrigação. A farmacêutica Oaiane de Mello, de 22 anos, e o cunhado Eduardo Lino, de 14 anos, explicam que o vale “é andar, olhar e comprar o que gostar, com preço bom”.

Ele sai levando um tênis e ela, como toda mulher, hidrantes e produtos de beleza.

Vale lembrar que o turista da feirinha tem que ter disposição para vasculhar as lojinhas e pechinchar, mas também muito bom humor para relevar o jeito boliviano de vender.

Simpatia não é o forte das vendedoras, que são adeptas do sistema pegou-comprou e não gostam do jeito brasileiro de olhar e provar o produto antes da compra.




Nas compras na feirinha da Bolivia, na divisa com Corumbá, evite comprar no
Shopping ROMARIO. Os produtos garantidos com legítimos não passam de peças de segunda linha e sempre com algum defeito que a gente não consegue identificar. Notadamente, sons, celulares relógios e tenis. O proprietário, pessoa agressiva não respeita o direito de seus consumidores.Não recomendo e peço que divulguem essa mensagem para todos os seus amigos. Não entrem na fria como eu entrei.
Perdi dinheiro e passei muita raiva.
 
William Gat em 11/11/2013 21:42:09
son unas ropas mui bellas!!! mi papá es de lá bolivia!!! um besito para la bolivia!!!!!!!!!!!!
 
isabelle de souza vallejos em 28/07/2012 02:26:40
É um perigo ficar andando de carro lá na Bolívia.
Fica a dica.
 
Lais Oliveira em 21/02/2012 10:23:48
cuidado para nao ser roubado pois infelismente ocorre muitos roubos de veiculos na bolivia os brasileiros vao fazer compras e acabam sendo roubado e o pior que os comerciantes bolivianos nada fazem para acabar com os crimes tem que para de fazer compras no comercio boliviano para ver se muda
 
francisco anielta correa em 21/02/2012 02:01:44
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.