A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

19/08/2013 07:03

"Dono" do Proibidão tem só 23 anos e quem frequenta resume: “esse é nosso morro"

Ângela Kempfer
Jean Paçoka, um dos sócios da casa noturna no bairro Santo Antônio.  (Fotos: João Garrigó)Jean Paçoka, um dos sócios da casa noturna no bairro Santo Antônio. (Fotos: João Garrigó)

Jean Paçoka parece uma celebridade em dia de baile funk no bairro Santo Antônio. Não passa pelo salão sem ser abordado, beijado ou abraçado. O guri de 23 anos tem cara de menino, mas voz grossa e discurso de empresário. O primeiro contato é “a paisana”, chego como uma pessoa qualquer que quer conhecer o Empório Santo Antônio.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

Mesmo sem saber que estava recebendo uma jornalista, disposta a falar verdades sobre o evento, Jean é atencioso. Abre o camarote depois de um pedido do grupo de cinco pessoas que ele nunca tinha visto antes. “Vocês vão gostar”, promete.

Há 3 anos, o rapaz resolveu investir na casa junto de um sócio, desde que o sertanejo não deu certo ali. “Peguei um público que ninguém queria. Então investi e hoje ta aí. Temos mais de 800 pessoas lá dentro dançando”, conta.
Como se fosse um MC do funk estilo “ostentação”, usa correntes, relógio e fala abertamente. ”Já consegui comprar apartamento, casa, moto”.

No início, a maior barreira para conseguir parcerias foi o preconceito. “Tinha gente que dizia que isso aqui ia ser putaria, bagunça. Mas a gente conseguiu acabar com essa imagem”, garante. Como em um placar de acidentes de trabalho, ele contabiliza 1 ano e 2 meses sem violência envolvendo a casa.

Empório lotado na última sexta-feira.Empório lotado na última sexta-feira.

Aos sábados, outro grupo é responsável pelo funk no Empório, com vários bondes femininos com nome sugestivos como As Felinas, as Fogosas, Menininhas do Papai. Mas Jean diz que no “evento dele” não tem espaço para esse tipo de “gurizadinhas”. “Não gosto desse tipo de show. Aqui recebo empresários, gente que gosta de qualidade. Meu negócio é o som automotivo. Não tinha espaço para as equipes tocarem em Campo Grande, então convidei para virem pra cá”, lembra.

No palco, ele convoca o público entre uma música e outra: “Levanta a mão aí quem teve um amigo que a vida levou na ‘judaria’” e na sequência introduz o refrão: “Eu tô bolado, cheio de ódio no meu coração, com a judaria que fizeram com nosso irmão”. Mas ele diz que é tudo onda, jura que a casa prega a paz. “O povo vem só para dançar”, diz.

O Empório tem 10 seguranças e 20 funcionários, que cumprem uma função que, segundo Jean, é questão de honra e sobrevivência para quem vive do funk. “Há uma produção. Cuidamos desde a hora que a pessoa entra, até às 5 da manhã quando todo mundo sai. É pra não ter qualquer complicação”.

Também tem a vantagem da proximidade. Jean cresceu no bairro Santo Amaro, ao lado do Santo Antonio. Então, diz estar em casa. “Todo mundo me respeita”.

Meninas descendo até o chão ao som dos MCsMeninas descendo até o chão ao som dos MCs

O público de Jean tem cara também de gente nova, mas todo mundo diz ter 18 anos. No topo das preferências do Proibidão, aparece o MC Magrinho, funkeiro carioca que dia desses foi indiciado porque publicou no Facebook uma foto na qual aparece com um fuzil. “Ele fala o que a gente tem vontade de falar, mas não tem coragem”, justifica o servente Ricardo Thiago, de 18 anos.

O dia mais esperando para os fãs é o 29 de agosto, quando o MC vai estar em Campo Grande em show na Chácara Tôa Tôa, outro reduto funkeiro.

Magrinho é dono do hit “Pumba La Bumba...Pumba La Bumba...Pumba La Bumba...”, com letra impublicável. Mas vale a pesquisa no Google para descobrir o conteúdo dessa pérola. Também tem canções machistas como “Tu me chama de maconheiro, eu te chamo de piranha.Te meto a porrada e você se apaixona.”

Já a turma que gosta de algo mais revoltado, curte MC Daleste, assassinado há quase dois meses com tiro durante show. “Ele morreu, mas continua na boca da gente”, comenta Jeniffer Trindade. No “recado” que ficou do MC estão músicas como “Apologia”: “Matar os polícia é a nossa meta. Fala pra nós quem é o poder. Mente criminosa, coração bandido. Sou fruto de guerras e rebeliões."

Meninas na divulgação do MC Magrinho, que fará show em Campo Grande.Meninas na divulgação do MC Magrinho, que fará show em Campo Grande.

Nosso morro - Os olhos brilham quando o assunto é baile funk no Rio de Janeiro. Mas como ir até lá é difícil, a casa do funkeiros em Campo Grande parece ser o Empório Santo Antônio. “Nosso morro é aqui”, diz Tamara de Souza, menina sorridente do Jardim Aeroporto, com laço nos cabelos pintados de negro.

Na mesma roda, Luan e Gabriel contam que vieram de Terenos para o “Proibidão”. “A gente gosta de conhecer tudo. Escuto sertanejo, rock... Só não aguento chamamé porque é coisa de velho”, diz Luan.

Sobre as diferenças com as casas do Jardim dos Estados, Wesley Figueiredo jura que o “povo” do funk nunca fez discriminação. “Venho aqui como vou lá na balada sertaneja. A diferença é que aqui no bairro ninguém fica reparando em patricinha que chega. Lá, te olham como se você fosse sujo”, reclama.

Sobre violência, ele também faz comparações. “Nunca vi morte aqui. E se você for ver as ocorrências por aí, tem muito mais confusão em bar granfino da Afonso Pena”.




é nos que tah meu rei ass: MC BOLINHA parabéns JEAN PAÇOKA
 
gabriel rodrigues da silva em 25/08/2013 05:30:10
Isso sim é uma festa bacana ... frequentoo todos os fds ... Ta ai um kra quee vem crescendo cada da mais Jean Paçoka... Tudoo de bom aa esse parceiraoooo do funk =D
 
tunny Oliveira em 20/08/2013 12:38:16
parabéns jean vc é um showww qe deus te abençõe sempreeee
 
andreia gloria honorato rodrigues em 20/08/2013 09:42:55
Não gosto de nada que incita a violência. Não adianta falar que não faz diferença. Têm pessoas que só falta um incentivo para fazer uma chacina. A liberdade é boa quando é vigiada.
 
Fátima Maria Ribeiro Dos Santos em 20/08/2013 00:18:24
isso ai.campo grande está mudando mesmo esta deixando de ser uma capital vista por outros estado como um lugar cheio de caipira..fico feliz por isso parabéns......
 
flavio junior em 19/08/2013 21:24:48
Puraaa ostentacao,acompanhoo meu amigooo Jean desde q ele era dj no 100%
os baile funk dele sempree encheuu e sempree foii uma das maiores festas,adoroo mtoo os fervoo q ele faz sempree cm rspeitoo e dedicação,torço pela felicidade dele e esperoo q ele creça mais e mais...
Sou uma das integrante d uma das Equipe d som automotivo q toca la cm o nome de Equipe Robacena,sempre fomos bem atendidos la,e mtoo respeitados,em tdos os bailes funk dele as Eqps tem o lugar reservadoo...adoroo mtoo ele desde sempree
Que deus abencoe ele e ilumine os passos deleee...
 
Jeeh Robacena em 19/08/2013 16:35:36
Falar em bater em mulher pra ela se apaixonar, matar polícia, é incitar violência. Se não acontece no baile, fica na mente de algumas almas sebosas que compram as idéias magníficas contidas nas "músicas", ou dão vazão aquilo que já está contido em seus pensamentos externados nos proibidões.
 
Adriano Magalhães em 19/08/2013 15:31:51
Gosto é Gosto!
 
Etiene mendonça em 19/08/2013 13:08:13
Diversão é normal, só q tem q saber onde está, e vale lembrar que as letras das músicas tem q serem observadas e os pais ficarem atentos, eu por exemplo não suporto músicas com letras chulas e emporcalhadas, e essas, em minha ksa não entra...
 
Lúcia Sales em 19/08/2013 12:50:48
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.