A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

13/09/2012 09:49

16/09

Ângela Kempfer
Cena de Solo, não só, do Mercado Cênico. (Foto: Divulgação)Cena de "Solo, não só", do Mercado Cênico. (Foto: Divulgação)

Até domingo, o Lado B vai garantir entrada franca para os espetáculos da 2ª Bienal de Teatro de Mato Grosso do Sul. Para conseguir o convite, basta curtir a página do Campo Grande News no Facebook. Serão 3 pares ao dia, sempre com sorteios às 14 horas.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

Hoje, a apresentação será de Solo (Não Só), com Mercado Cênico. O grupo sul-mato-grossense entra em cena às 20h, no Teatro Aracy Balabanian.

Ao som de um violino, o universo particular de uma personagem é exposto em uma pequena sala, enquanto a moça aguarda seus convidados para uma cerimônia. Ela sutilmente retoca seu batom vermelho quando é inundada por pensamentos insanos com Nietzsche e Almodóvar.

Veja o restante da programação da Bienal:

Sem Cerimônia, com Conectivo Corpomancia (MS) - às 16h na Avenida Afonso Penna (gratuito)

Tem como intérpretes criadores Franciella Cavalheri, Marcos Mattos, Paula Bueno, Renata Leoni e Yan Chaparro do Conectivo Corpomancia. As intervenções acontecem pelas ruas da cidade sem aviso prévio e começam tranquilas com caminhadas e movimentos simples, depois se transformam em movimentos mais elaborados. A intenção é provocar um ruído no cotidiano urbano e chamar atenção para as questões do corpo.

Sobre Trutas, Cibalenas e Olhares, com BR S.A (DF) - às 20h no Teatro Aracy Balabanian (Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00)

O espetáculo apresenta o jogo entre o conto Olhar de Rubem Fonseca que foi o mote para a criação cênica e os desejos dos intérpretes da companhia. O conto retrata a vida de um escritor em estado contemplativo que, em um surto de inanição e por sua serviçal, concebe um poema visceral e escatológico.

Makunaima na terra de Pindorama, com Teatro que Roda (GO) - às 17h na Avenida Afonso Penna (gratuito)

A rua é um lugar propício para o jogo do teatro, não porque seja um espaço hospitaleiro, mas, justamente porque é um espaço que implica em riscos, que desafia os artistas a inventar novas lógicas do uso da cidade. Atuar na rua é dialogar com as mais diversas demandas daqueles que habitam esse espaço público. É também interferir na ordem do funcionamento desse lugar, modificando seus fluxos, e ampliando suas possibilidades lúdicas. A encenação de “MaKunaíma na Terra de Pindorama” é uma experimentação com esse jogo. Pretendemos interferir nas frestas dos fluxos da rua, propondo que o espectador acompanhe os atores em uma espécie de brincadeira ao redor de tipos que pertencem às ruas, avenidas e praças do Brasil.

Inocência, com Conectivo Corpomancia (MS) - às 20h no Teatro Aracy Balabanian (Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00)

O espetáculo de dança parte do olhar de três intérpretes com experiências distintas que se relacionam através da dança com os temas despertados por uma leitura atual do livro “Inocência”. Renata Leoni, bailarina e produtora de dança, que volta aos palcos depois de 12 anos, Camila Emboava, bailarina e jornalista, em seu primeiro trabalho com dança contemporânea e Guilherme Leoni, ilustrador e filho de Renata, pela primeira vez no palco.

Maria, Madalena (MS) - às 18h no Teatro Aracy Balabanian (Ingressos: R$ 10,00 e 5,00)

Três intérpretes-criadoras de Campo Grande, Franciella Cavalheri, Miriam Gimenes e Roberta Siqueira, mediadas por Chico Neller, diretor e coreógrafo da Ginga Companhia de Dança, tratam de questões do feminino, tendo com ponto de partida os símbolos, a Virgem Maria e Maria Madalena. Maria, Madalena, separada conscientemente por uma vírgula, vem questionar os polos que a mulher vive na sociedade atual.

Encerramento da Bienal- Vozes Urbanas, com Teatro Para Alguém (SP) - as 19:00 no Lendas Pub (Ingressos: R$ 10,00 e 5,00)

Uma prostituta entra num carro onde o cliente nada fala, e o silêncio vai incomodando-a. No trajeto, ela tenta manter um assunto com o cliente que permanece em silêncio o tempo todo, e nisso a prostituta vai revelando suas particularidades diante de sua profissão, suas revoltas, enfim sua vida, uma saga humana aparentemente desprezível mas na realidade hercúlea.

Espetáculo transmitido ao vivo pela internet no site www.teatroparaalguem.com.br




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.