A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

24/03/2014 15:00

MPE vai à Justiça para Estado cumprir lei e cobrar pelo uso da água

Aline dos Santos
Tarifa para uso da água será definida por comitês de bacias hidrográficas. (Foto: Marcos Ermínio)Tarifa para uso da água será definida por comitês de bacias hidrográficas. (Foto: Marcos Ermínio)

O MPE (Ministério Público Estadual) entrou com ação civil pública na Justiça para que o governo do Estado cumpra legislação que determina instrumento para outorga (concessão) do uso da água e diretrizes para a cobrança pelo uso dos recursos hídricos. O processo tramita desde 20 de março na 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, em Campo Grande.

Veja Mais
MS vai receber compensação por uso de recursos hídricos pela Eletrosul
Secretaria de Meio Ambiente lança cadastro estadual de recursos hídricos

Antes da ação judicial, o promotor Luiz Antônio Freitas de Almeida fez recomendação à Semac (Secretaria de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia) e ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Conforme o MPE, terminou o prazo em relação ao conselho, que é presidido pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Alberto Negreiros Said Menezes. Mas, sem resposta, a Justiça foi acionada.

Na recomendação, o promotor citou que “mora estatal em implantar o regime de outorga de recursos hídricos e a cobrança pelo uso da água, instrumentos da política nacional e estadual de recursos hídricos, está cristalizada em quase 17 anos desde a vigência da Lei Federal nº 9.433/97, em quase 12 anos desde a vigência da Lei Estadual nº 2.406/02 e em cerca de três anos da aprovação do plano estadual de recursos hídricos”. Para o Ministério Público, a demora é injustificável.

Ainda conforme a recomendação, sem implantação de outorga, o Estado tem autorizado ambientalmente a perfuração de poços tubulares, conferindo aos exploradores desse recurso o certificado de registro de poço, documento emitido como substituto indevido do regime de outorga.

Ao cobrar o cumprimento das leis e das políticas nacional e estadual de meio ambiente, o promotor levou em consideração que isso visa educar e reforçar a consciência de que a água, cujo acesso é reconhecido como um direito humano é um bem escasso e de valor econômico, de modo que é imprescindível o seu consumo racional e sustentável.

No fim do ano – Titular da Semac, Carlos Alberto Negreiros Said Menezes afirma que respondeu à recomendação do MPE e informou que o Estado está dentro do prazo. “A lei nacional manda que os Estados se aparelhem para emissão de outorga e cobrança do uso da água. Tem uma série de etapas”, diz.

De acordo com o secretário, todo o processo deve ser concluído no fim de 2014. O Estado já constituiu o Conselho de Recursos Hídricos e aprovou lei específica sobre o tema. Depois, é disponibilizado o cadastro de uso da água, cujo sistema foi finalizado.

“Com o cadastro feito, a próxima etapa é o balanço hídrico”, afirma o secretário. Serão conhecidos os usuários, definidas as microbacias e as tarifas para quem explora a água economicamente. “A preocupação do Ministério Público é muito justa, mas estamos dentro dos prazos”, diz o secretário.

Sobre o registro dos poços, Carlos Alberto afirma que o licenciamento ambiental não equivale à outorga. “Os dados são utilizados para a gestão, mas não tem nada a ver com outorga”, justifica.

Cobrança – A gerente de recursos hídricos do Imasul (Instituo de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Angélica Haralampidou, explica que a obrigação do poder público é fazer a outorga do uso da água bruta como insumo, ou seja no processo produtivo, e o sistema estadual de informação de recursos hídricos.

Com a publicação de documento normatizando a outorga, os usuários da água serão chamados em edital para cadastro. Ela enfatiza que isso não se aplica, por exemplo, a pessoa que recebe água tratada em casa. Pois quem fará cadastro é a empresa de saneamento.

“A outorga é o controle da quantidade e qualidade da água. O objetivo é permitir que todo mundo tenha direito de acesso à água”, pondera. A outorga é atribuição do Estado para águas subterrâneas e de rios sob domínio estadual.

Já a cobrança pelo uso da água é atribuição dos comitês de bacias hidrográficas. Os grupos são formados pelo poder público, usuários de água e sociedade civil.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions