A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

08/11/2016 17:50

Prefeito eleito fez propaganda e levou eleitores da Bolívia ao Brasil

Ricardo Campos Jr.
Propaganda atribuída a Ruiter veiculada pela mídia boliviana (Foto: reprodução)Propaganda atribuída a Ruiter veiculada pela mídia boliviana (Foto: reprodução)

Inquérito da Polícia Federal, que embasa processo contra o prefeito eleito de Corumbá, Ruiter Cunha (PSDB), revela que o tucano agendou reuniões e veiculou propagandas nos meios de comunicação bolivianos anunciando transporte gratuito para eleitores que vivem no país vizinho. A medida, segundo a promotoria pública, caracteriza compra de voto.

Veja Mais
Justiça tenta há 10 dias notificar Ruiter, suspeito de comprar votos
Ação pede cassação de prefeito eleito e pode causar reviravolta em Corumbá

A ação foi aberta pelo MPE (Ministério Público Eleitoral) pedindo a cassação do registro de candidatura ou do diploma (caso a sentença saia após a posse) e a declaração de inegibilidade, o que forçaria a realização de um novo pleito no município, localizado a 419 quilômetros de Campo Grande, na fronteira com a Bolívia.

Conforme o material apresentado à Justiça Eleitoral, a propaganda veiculada em Puerto Suárez, cidade boliviana, anuncia reunião política no endereço de uma emissora de rádio local.

A propaganda adianta que, na ocasião, brasileiros que vivem no país vizinho receberiam orientações de como proceder no pleito e avisa sobre o transporte gratuito até as seções. Conforme o MPE, algumas dessas pessoas vivem há mais de 25 anos do outro lado da fronteira.

O encontro foi gravado e o áudio anexado ao caso. Nele, conforme o MPE, é possível ouvir as vozes de Ruiter e do vereador eleito Irailton Oliveira Santana (PSDB), o Baianinho, que também foi processado por envolvimento nas irregularidades.

Além disso, o próprio Baianinho postou fotos da reunião nas redes sociais que também colocam o prefeito eleito no local.

Diante das informações, policiais federais montaram operação no dia das eleições e barraram dois táxis que cruzavam a fronteira em direção ao Brasil que levavam, juntos, seis eleitores à  Corumbá. Os motoristas foram presos.

Os passageiros, em depoimento, afirmaram que estavam sendo levados de graça e que havia vários táxis partindo de Puerto Suárez sob agenciamento de uma mulher que distribuía santinhos de Ruiter e Baianinho aos que embarcavam.

Policiais também abordaram eleitores que estavam em um ponto de ônibus, tendo entrado em solo brasileiro a pé. Elas disseram, também em depoimento, que os táxis as deixaram na fronteira depois de saber da operação organizada pelos agentes. Eles dizem ter recebido de R$ 20 a R$ 50 para custear o transporte no país até os locais de votação.

Ainda no dia das eleições, policiais federais fizeram buscas na casa de Baianinho, segundo parlamentar mais votado. Na ocasião, ele jogou o celular na casa do vizinho, que devolveu o aparelho aos agentes.

Como primeira medida ao receber o caso, a Justiça Eleitoral emitiu notificação para que os acusados se defendam. Nesta terça, conforme o processo, o advogado que representa Ruiter e o vice Marcelo Aguilar Iunes (PTB), que também é alvo da ação, solicitou vistas ao processo.

O Campo Grande News tentou contato com Ruiter, mas até a publicação desta reportagem ele não foi encontrado para comentar o caso.

Assista ao vídeo da propaganda veiculada na Bolívia:




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions