A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

05/09/2014 10:46

Falta de atenção em cruzamento fere motociclista no Bosque de Avilan

Ludyney Moura e Kleber Clajus
Carro da servidora pública Andreia Bezerra teve danos na lateral (Foto: Pedro Peralta)Carro da servidora pública Andreia Bezerra teve danos na lateral (Foto: Pedro Peralta)

Um motociclista de 26 anos ficou ferido, nesta sexta-feira (5), ao ser atingido por um carro que realizava conversão na esquina das ruas Franjinha com Castelo Branco, bairro Bosque de Avilan, em Campo Grande. O acidente ocorreu às 9h11 e o socorro chegou em 15 minutos.

Veja Mais
Mototaxistas e taxistas se juntam e percorrem Afonso Pena contra Uber
Homem que morreu atropelado tinha 51 anos e foi identificado pela mãe

Imagens do circuito interno de uma empresa próxima, cedidas ao Campo Grande News, mostram que a servidora pública Andreia Bezerra de Azevedo, 35 anos, realizou uma conversão com veículo Fiat Punto no cruzamento, a fim de continuar trafegando na Castelo Branco em sentido contrário. Ela estava acompanhada do filho, de um ano de idade, na cadeirinha e tentava com o passeio fazê-lo dormir.

Já Kelvin Melchior Franco Martins, 26, seguia no sentido Bairro-Centro pela Franjinha em uma moto Ninja Kawasaki, quando foi surpreendido pela carro da servidora.

Com o impacto da batida, o motociclista voou por cima do veículo, que teve quebrado o vidro da motorista, além de ficar inconsciente. Já a moto chegou a perder as lanternas frontais na colisão.

Kelvin foi atendido em 15 minutos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e foi encaminhado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino.

Atenção redobrada – No cruzamento quatro ruas se encontram e há sinalização de parada, mas faixas no solo estão apagadas.

De acordo com o sargento do Corpo de Bombeiros, Adonias Garcia, o local oferece pouca visibilidade aos motoristas, o que requer atenção redobrada.

O comerciante Rames Santos Saab, 45, mora próximo ao local e já perdeu as contas de quantos acidente ou quase acidentes ocorreram nesta região.

“Tem as placas, mas não são suficientes. Tinha que ter um redutor de velocidade. E falta sinalização para o motorista saber onde parar”, contou Rames.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions