A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

02/05/2012 17:09

Manifestação de sem-terra gera tumulto e reclamação de motoristas

Fabiano Arruda e Luciana Brazil
Trânsito fica tumultuado com manifestação de sem-terra na região central de Campo Grande nesta quarta. (Foto: João Garrigó)Trânsito fica tumultuado com manifestação de sem-terra na região central de Campo Grande nesta quarta. (Foto: João Garrigó)

A manifestação que envolve cerca de dois mil sem-terra nesta quarta-feira em Campo Grande, parte do movimento "Grito da Terra" em Mato Grosso do Sul, gera tumulto no trânsito da região central e reclamação dos motoristas.

Veja Mais
Cerca de 2 mil assentados participam do "Grito da Terra" em MS
Incra encontra irregularidades durante operação em assentamentos

Nesta tarde, o trânsito ficou bastante lento na avenida Afonso Pena até as imediações da Rua Rui Barbosa, próxima à sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), onde os assentados se concentram.

Além disto, pelo menos quatro ônibus, que trouxeram os manifestantes de diversas cidades do interior do Estado, estão estacionados em fila dupla na Afonso Pena, o que torna mais difícil o fluxo de veículos.

Agentes da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) estão no local monitorando o trânsito. Um deles, Renato Alves, informa que os sem-terra obtiveram autorização, mediante comunicação com antecedência, para estacionar os ônibus.

Apressado para sair do tumulto, um motorista aconselhou que a manifestação fosse realizada em praças por conta dos prejuízos causados a motoristas e pedestres.

“É altamente estressante e atrapalha porque às vezes calculamos tempo para chegar a algum lugar e encontramos o trânsito lento”, diz o condutor Rodrigo Benedito.

Outra “revoltada” era Maria de Lourdes, de 35 anos. Segundo ela, protesto de sem-terra quase sempre é sinônimo de prejuízo ao trânsito. Para ela, o Poder Público não pode permitir manifestações em locais movimentados.

Protesto - O ato é organizado pela diretoria da Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Mato Grosso do Sul), sem-terra e assentados.

Incra, Governo do Estado, Banco do Brasil e INSS participam do encontro com a federação, que cobra a retomada do processo de reforma agrária em Mato Grosso do Sul.

Do lado de fora, longe das negociações, outra parte do grupo de trabalhadores sem-terra aguardam o desfecho das negociações.

Os cerca de dois mil sem-terra participaram de passeata nesta manhã no Centro de Campo Grande.




Tem que dar serviço pra esse povo e não terra...
 
gualter eugenio em 03/05/2012 10:37:32
Esse pessoal podia ter mais consideração,
como que a gente vai trabalha pra sustenta eles se eles não deixam a gente chega no trabalho?
Aí complica...
 
Ronaldo Tavares em 03/05/2012 09:45:05
Esses cidadões,que muitas vezes ficam encostados em alguem para conseguir terras para si fazem seus projetos e ficam atrapalhando os que trabalham honestamente,pois nem todos precisam de terras,só pensam enriquecer a custa dos outros com o dinheiro do governo,retirando assim dos que realmente precisam.
 
Valdecyr Pereira Cardozo em 03/05/2012 02:58:18
É facil fazer critica, quando os problemas não são conosco. Eles lutam por condições para produzir. a final os alimentos que ficam na mesa dos brasileiros vem dos pequenos agricultores, pois os grandes estão na produção da cana de açucar.
 
Rosana Lima em 03/05/2012 01:08:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions