A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

19/02/2014 14:29

Obra milionária “tira” 3ª faixa e amplia insegurança na Rodovia da Morte

Aline dos Santos, enviada especial a São Gabriel do Oeste
Cruz lembra morte às margens da BR-163. (Foto: Cleber Gellio)Cruz lembra morte às margens da BR-163. (Foto: Cleber Gellio)

A 15 dias de ser privatizada, a BR-163, que corta Mato Grosso do Sul de Mundo Novo a Sonora, segue com a manutenção custeada pelo poder público. Os sete contratos chegam a R$ 359 milhões, mas tanto dinheiro não impede que as obras deixem para trás uma reclamação: o fim das terceiras faixas.

Veja Mais
Remarcada pela 3ª vez data para assinatura do contrato de concessão da BR-163
Buracos tomam conta da BR-163 dois meses após obras de recapeamento

“Você fica sem opção de ultrapassagem. Estão tirando a terceira faixa. Você anda mais fora da pista do que na rodovia”, afirma Osvaldo Maidana da Rocha, 40 anos. Dono de oficina mecânica, ele viaja uma vez por semana de Campo Grande a Camapuã.

Numa via ruidosa, em que caminhões com até 25 metros de extensão escoam a produção do Estado, a terceira faixa é a oportunidade para o trânsito fluir na Rodovia da Morte. Nesses pontos de trégua em meio à batalha entre os veículos de grande porte e os carros, os caminhões ocupam a faixa da direita, abrindo caminho para os carros.

“Nessa melhoria que fizeram, tiraram a terceira faixa. São vários pontos de Campo Grande para cá. Pintaram uma linha reta, isso para mim é acostamento, não terceira faixa”, reclama o vendedor Cícero Brito, 63. Morador de Jaraguari, há mais de uma década ele trabalha a poucos metros da rodovia.

Cícero conta que a frente de trabalho, já a caminho de Bandeirantes, “pulou” o perímetro urbano de Jaraguari. Desta forma, o acesso segue inseguro. É preciso cruzar a via. Nas extremidades da área urbana da rodovia, foram colocados redutores de velocidade, mas as rotatórias continuam somente nos sonhos dos moradores de Jaraguari, a 44 quilômetros de Campo Grande.

Nos 140 quilômetros entre a Capital e São Gabriel do Oeste, percorrido pela reportagem na segunda-feira, a sinalização vertical traz diversos apelos para o condutor, como “não dar carona para a morte” e não exceder na velocidade. Mas, são placas ao vento, a rodovia é palco de um festival de imprudências.

Obras tiraram terceira faixa em pontos da rodovia. (Foto: Cleber Géllio)Obras tiraram terceira faixa em pontos da rodovia. (Foto: Cleber Géllio)
Próximo a Jaraguari, asfalto ficou sem sinalização demarcando as faixas de rolamento. (Foto: Cleber Géllio)Próximo a Jaraguari, asfalto ficou sem sinalização demarcando as faixas de rolamento. (Foto: Cleber Géllio)

A comerciante Elair Balzan, 53 anos, que uma vez por semana viaja de São Gabriel a Campo Grande conta que não se cansa de ver o “cúmulo do absurdo”. O último foi num ponto em que o trânsito foi interditado para a obra de recapeamento da 163. “Todo mundo parado por 30, 40 minutos na fila. E na hora que abriu, um caminhão saiu ultrapassando todos pela direita”.

Ela se mostra cética quanto ao benefício das intervenções para manutenção da via. “Esse conserto é uma verdadeira mina de ganhar dinheiro, nunca param de consertar. Já dava para ter feito quatro faixas e ainda sobraria dinheiro”, afirma.
Entre Bandeirante e São Gabriel, asfalto irregular e buracos trazem ainda mais perigo para quem passa pela BR-163.

O fator motorista – Além das dificuldades de infraestrutura, o condutor responde por boa parcela dos perigos da Rodovia da Morte. A faixa contínua, que proíbe a ultrapassagem, não intimida os motoristas de saírem na contramão sem ter visibilidade.

Um caminhoneiro, que seguia no sentido Campo Grande, aproveitou que do outro lado havia duas faixas para forçar a ultrapassagem. Ou seja, “jogou” todos os veículos para a terceira faixa e ultrapassou uma fila de caminhões e carros.

Viajando com a esposa e uma estradeira mirim, a filha de onze meses, o caminhoneiro Leandro Souza, 28 anos, culpa a imprudência por tantos acidentes. “Não tem serra, é um retão só. A imprudência é do motorista”, avalia. A família vai de Santa Catarina a Rondônia. Na vida de rodar pelo país, Leandro passa ao menos três vezes por mês pela BR-163, em Mato Grosso do Sul.

Vizinho da rodovia, Cícero Brito reclama do fim da terceira faixa.(Foto: Cleber Géllio)Vizinho da rodovia, Cícero Brito reclama do fim da terceira faixa.(Foto: Cleber Géllio)
Viajando com a família, Leandro relata imprudência dos motoristas. Viajando com a família, Leandro relata imprudência dos motoristas.

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), desde dezembro foi adotada uma nova arma contra os apressadinhos das estradas. O Estado recebeu oito radares fotográficos digitais. Os equipamentos contam com laser, câmera de vídeo e máquina fotográfica digitais, sendo a ferramenta de controle de velocidade a mais sofisticada disponível no mercado.

O radar identifica veículo, marca, modelo, número da placa e características faciais do motorista. No ano passado, os radares contabilizaram 3.175 autuações. Quando uma viatura é avistada, caminhoneiros usam rádio para alertar que tem policial na pista. Entre 2010 e 14 de fevereiro deste ano, foram 362 mortes na rodovia. 

Contratos – De acordo com a assessoria de imprensa do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), existem sete contratos em andamento na BR-163, sendo quatro entre Campo Grande e o Paraná e três da Capital à divisa com Mato Grosso. O valor contratado é de R$ 359 milhões.

Ainda conforme o Dnit, empresas receberão somente o valor devido pelos serviços executados até o momento da paralisação do contrato. Depois, a CCR (Companhia de Participações em Concessões), que venceu contrato para explorar pedágios, vai assumir a malha viária de 847 km.

A empresa deverá investir R$ 6 bilhões na duplicação e manutenção da rodovia que interliga as divisas de Mato Grosso do Sul com o Mato Grosso e o Paraná.

Remarcada pela 3ª vez data para assinatura do contrato de concessão da BR-163
A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) voltou a remarcar para o dia 6 de março a assinatura do contrato de concessão com a empresa que v...
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves
Acidente aconteceu na rua Fernão Dias. Motorista bateu em carro estacionado....



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions