A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

14/08/2014 08:11

Sem praias, Capital aposta em eventos para lotar hotéis e atrair investimentos

Kleber Clajus
Sem praias, Capital aposta em eventos para lotar hotéis e atrair investimentos
Aquário do Pantanal é aposta para reforçar setor turístico na Capital (Foto: Marcelo Victor / Arquivo)Aquário do Pantanal é aposta para reforçar setor turístico na Capital (Foto: Marcelo Victor / Arquivo)

Mesmo sem praias ou grandes atrativos naturais, Campo Grande se consolida no cenário de turismo de eventos. O segmento representa 70% da demanda hoteleira local que se expande na esperança de que obras como a do Aquário do Pantanal possibilitem maior permanência do turista na Capital e, em contrapartida, ainda buscam soluções para a carência de mão de obra qualificada.

Veja Mais
Olarte planeja apoiar implantação clube de águas térmicas na Capital
Governo prevê "preço de cinema" para visitar Aquário do Pantanal

Dados da ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) apontam que, desde 2011, o segmento evoluiu 29,53% na oferta de leitos no município, ao ampliar de 4.567 para 5.916 a oferta de acomodações. No período, quatro empreendimentos foram inaugurados: Hotel Ipê, Grand Park, Mohad e Ibis Budget. A projeção para os próximos anos é de que mais de 1.851 leitos serão criados.

O presidente do Campo Grande Convention & Visitors Bureau, Marcelo Silva de Oliveira, avalia que a demanda ainda não acompanhou a expansão do setor e reflete em taxas de ocupação de 55% nos meios de hospedagem. Nesse sentido, manter o turista transitando em Campo Grande é a alternativa para reverter o cenário.

“Apostamos no Aquário do Pantanal por ser um grande equipamento turístico que terá que funcionar bem para atrair mais turistas para a cidade. Se não aumentarmos o fluxo de pessoas teremos, em 2016, média de 45% de ocupação de leitos”, analisa Marcelo Silva, que também atua como empresário do setor.

Com inauguração prevista até o fim do ano, a obra do Governo do Estado deve consumir mais de R$ 120 milhões para se tornar o maior aquário de água doce do mundo, além de ser dedicado a pesquisas sobre a fauna pantaneira e ter pretensão de atrair 150 mil visitantes por ano.

De acordo com o titular da Semac (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia), Carlos Alberto Negreiros, o empreendimento se tornará principal indutor da permanência do turista ao incentivar ainda o turismo científico, com intercâmbio entre pesquisadores e universidades. Tal mudança de perfil, no entanto, deve ser associada a uma melhor atenção ao turista com a especialização da mão de obra.

Nos próximos anos, 1.851 novos leitos devem ser incorporados a estrutura hoteleira (Foto: Marcelo Victor)Nos próximos anos, 1.851 novos leitos devem ser incorporados a estrutura hoteleira (Foto: Marcelo Victor)

Carência de pessoal – O empresário Jair Pandolfo coordena um “império” de cinco hotéis na Capital e confessa dificuldade de encontrar profissionais qualificados, em especial no que tange ao domínio de outros idiomas. Para ele, este é um dos entraves, inclusive, que o impedem de construir mais uma unidade para somar a rede hoteleira composta por Grand Park, Internacional, Metropolitan, Nacional e Colonial.

“A cidade está crescendo, mas falta pessoal preparado para trabalhar, que tenha cursos no setor e idiomas. Todo dia temos pessoas entrando e saindo, além de ter 10 funcionários a mais para cobrir possíveis falhas”, conta Jair, que iniciou no ramo em 1982 e reside em um de seus hotéis administrados por familiares.

Se há carência de pessoal, sobram cursos de especialização em áreas correlatas a hotelaria. Um dos polos formadores é o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) que também tem constatado baixa demanda de interessados em ingressar ou mudar para o setor, que tem salários iniciais entre R$ 724 e R$ 5 mil.

“Para a demanda hoteleira não há profissionais porque, muitas vezes, as pessoas não veem o turismo como uma profissão em que possam crescer. É preciso, também, sensibilização dos órgãos públicos e empresários para compreender a importância crescente do turismo no Estado”, pontua a analista de educação profissional de turismo, hospitalidade e lazer do Senac Campo Grande, Fabrizia Valle da Costa.

Projetos integrados - Segundo a analista do Senac, investir em projetos integrados de turismo não beneficia apenas hotéis e restaurantes, mas todo o setor de serviços ao aquecer o comércio local.

Na Capital, estão em estudo na Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Turismo e Agronegócio) propostas para instalação de clube de águas termais, além de incentivos fiscais para novos empreendimentos.

Para Jair Pandolfo, falta de mão de obra qualificada impacta na expansão de negócios (Foto: Marcelo Victor)Para Jair Pandolfo, falta de mão de obra qualificada impacta na expansão de negócios (Foto: Marcelo Victor)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions