A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

31/10/2016 17:34

MPE quer mais agilidade da prefeitura em equipar posto de saúde

Promotora pede que juiz dê um mês para prefeitura comprar aparelhos; com 90 dias, responsabilidade pode ficar para próximo gestor

Anahi Zurutuza
Paciente esperando por atendimento no CRS Nova Bahia (Foto: Alcides Neto/Arquivo)Paciente esperando por atendimento no CRS Nova Bahia (Foto: Alcides Neto/Arquivo)

Para o MPE (Ministério Público Estadual), 90 dias é muito tempo para que a Prefeitura de Campo Grande resolva falhas encontradas no CRS (Centro Regional de Saúde) do bairro Nova Bahia – no norte de Campo Grande. A promotora Paula Volpe quer que o juiz David de Oliveira Gomes Filho encurte esse prazo para 30 dias, como havia pedido no dia 27 de setembro, quando moveu a ação.

Veja Mais
Justiça dá 90 dias para Prefeitura equipar posto de saúde do Nova Bahia
Justiça dá 30 dias para Prefeitura regularizar atendimento em UPA

Com três meses de prazo, o prefeito Alcides Bernal (PP) poderá inclusive deixar para o próximo gestor a compra de equipamentos e regularização da escala de médicos. Mas, a titular da 32ª Promotoria de Justiça destaca que tais providências têm de ser tomadas o quanto antes.

O recurso contra a primeira decisão do magistrado data de quarta-feira (26), dois dias depois que David de Oliveira deu a sentença.

Relatórios anexados ao processo constaram que o posto de saúde que funciona 24 horas no Nova Bahia é mantido de forma precária. Na unidade, foram encontradas ao menos 180 irregularidades.

Conforme apurou o MPE, sete consultórios do CRS operam sem os equipamentos básicos, como balanças antropométricas, estetoscópios (para auscutar o coração) e otoscópios (examinar o ouvido), além de macas e mesas para exames e escadas.

Na sala de emergência, os três leitos não contam com bomba de infusão, oxímetros de pulso, cilindros de oxigênio e ventiladores mecânicos.

Ainda segundo o Ministério Público, vez ou outra faltam médicos no local. “Regularizar a escala de profissionais médicos clínicos gerais e pediatras, a fim de que a escala possua profissionais em todos os dias da semana e em todos os turnos de atendimento, conforme preconiza a Portaria n. 2048/2002 do Ministério da Saúde”, pede a promotora.

Prefeito Alcides Bernal visitando a UPA do Leblon no dia 12 de abril, dia seguinte à inauguração (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Prefeito Alcides Bernal visitando a UPA do Leblon no dia 12 de abril, dia seguinte à inauguração (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Segunda decisão – Na semana passada, duas decisões foram dadas para que o município resolvesse problemas em unidades de emergência. Anteriormente, a Justiça já havia mandado a administração municipal equipar a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Leblon – bairro do sudoeste da cidade –, inaugurada há seis meses.

Neste caso, o MPE denunciou que faltam pediatras e aparelhos para atender a urgência e emergência do local.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions