A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

01/12/2016 14:48

Sem repasse da prefeitura, fundação que fazia City Tour está perto de falir

Com dívidas de R$ 80 mil, fundação responsável pelo City Tour de Campo Grande está prestes a fechar

Richelieu de Carlo
Ônibus do City Tour de Campo Grande está parado há um ano. (Foto: Marcos Erminio/Arquivo)Ônibus do City Tour de Campo Grande está parado há um ano. (Foto: Marcos Erminio/Arquivo)
Marcelo Bozza na tribuna da Câmara durante sessão desta quinta-feira. (Foto: Richelieu de Carlo)Marcelo Bozza na tribuna da Câmara durante sessão desta quinta-feira. (Foto: Richelieu de Carlo)

“A situação é crítica, estamos prestes a ser extintos”, alerta o presidente da Fundação 26 de Agosto, Marcelo Bozza, sobre a instituição responsável pelo ônibus do City Tour de Campo Grande desde 2004, que foi paralisado em janeiro deste ano.

Veja Mais
City Tour para turistas deve voltar até Natal, garante a prefeitura
Fundação que gerenciou City Tour cobra R$ 1 milhão da prefeitura

Com dívida R$ 80 mil e sem receber da prefeitura o repasse para manutenção do ônibus desde agosto de 2013, Marcelo utilizou a tribuna da Câmara Municipal, durante a sessão desta quinta-feira (1º), para fazer um apelo aos vereadores com o intuito de expor a situação da fundação e pedir ajuda aos vereadores para resolver essa situação.

Com a responsabilidade pelo City Tour, por meio de parceria público-privada, a fundação receberia por convênio com a prefeitura o montante de R$ 14,9 mil mensalmente para custear a manutenção do veículo. Entretanto, a instituição alega que não recebeu esse dinheiro durante 26 meses, nos últimos quatro anos, de janeiro de 2013 a 2016.

Durante este período, o serviço foi mantido com recursos próprios, com gastos mensais de até R$ 30 mil. Porém, sem condições financeiras de manter o passeio, o veículo do City Tour foi devolvido à prefeitura em janeiro deste ano.

“O ônibus andou por 12 anos. A fundação está paralisada, os contratos com os funcionários foram rescindidos. Hoje, nossos recursos são só para pagar as dívidas”, desabafa Marcelo Bozza.

Comtur - Segundo Marcelo, o que o motivou a ir à Câmara hoje foi uma reunião do Comtur (Conselho Municipal de Turismo), na segunda-feira (28), em que a secretária municipal de Turismo, Dharleng Campos de Oliveira, afirmou que o dinheiro do convênio havia sido pago e que o ônibus do City Tour foi devolvido sucateado.

“Ela disse que o ônibus estava sucateado. Sendo que, a cada ano, o veículo deprecia 25%. Nós utilizamos durante 12 anos, nós triplicamos sua vida útil”, afirmou o presidente da Fundação 26 de Agosto na tribuna da casa de leis.

Insatisfeitos com a declaração, Marcelo Bozza e o conselheiro Paulo Roberto Hans pediram auxílio para que os vereadores cobrem da prefeitura a comprovação de que o dinheiro foi pago e que divulgue o valor em caixa no Fundo Municipal de Turismo de Campo Grande. Além disso, entrarão com o pedido de ressarcimento de R$ 1 milhão na Justiça.

Segundo a prefeitura, passeios devem retornar até o Natal. (Foto: Divulgação/Prefeitura)Segundo a prefeitura, passeios devem retornar até o Natal. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Turismo – Prestes a falir, a Campo Grande Convention & Visitors Bureau - Fundação 26 de Agosto, é responsável por trazer à Capital eventos que movimentam o turismo e, consequentemente, a economia.

“Nós não temos recursos para trazer eventos. O turista gasta, traz dinheiro novo, movimenta a economia, os restaurantes, os taxistas. Uma forma de verificar a queda no turismo é através da ocupação de hotéis. Em dias normais, ela chegava tranquilamente a 65%, hoje está em 45%”, afirmou o conselheiro Paulo Roberto.

“O turismo é uma ferramenta de desenvolvimento econômico que não está sendo usado nesta cidade”, disse Marcelo Bozza ao concluir sua fala na tribuna da Câmara.

Natal - A responsável pela Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo, Ciência, Tecnologia e Agronegócio), Dharleng Campos, disse esta semana ao Campo Grande News que o veículo do City Tour passou por reforma completa, desde o assoalho que estava caindo, até toda a parte de motor que foi refeita, passando pela manutenção do ar-condicionado, troca de bancos e pintura.

“Tudo isso foi feito sem recursos. Quando o prefeito Bernal retornou ao governo, a prefeitura estava falida, com pagamentos atrasados ou divididos e então a prioridade foram as necessidades primárias, como a saúde, educação e obras. Com isso, o City Tour teve que aguardar um pouco, mas agora está sendo finalizado e temos a esperança que vai retornar ainda em dezembro e fazer a alegria do Natal da nossa população", explicou Dharleng.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions