A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

17/04/2013 14:45

Cinco índios são indiciados por morte de policial militar

Viviane Oliveira
João nega participação no crime. (Foto: Osvaldo Duarte/Dourados News)João nega participação no crime. (Foto: Osvaldo Duarte/Dourados News)

Além de João da Silva, de 51 anos, que já está preso, a Polícia Civil indiciou mais quatro indígenas acusados de participação no assassinato do produtor rural e policial militar aposentado Arnaldo Alves Ferreira, de 68 anos, em Douradina, distante 196 quilômetros de Campo Grande.

Veja Mais
Famasul culpa Funai por morte de PM e cobra um basta em conflitos
Índio é preso acusado de matar policial aposentado a golpes de facão e flechas

O cabo aposentado foi assassinado a golpes de facão e flecha durante confronto com indígenas ocorrido na noite da última sexta-feira (12).

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Marcelo Batistela, na tarde de ontem seis indígenas foram ouvidos, desses, quatro são acusados de participação no crime. Todos foram liberados e vão responder o inquérito em liberdade, com exceção de João.

Durante o interrogatório, ainda segundo o delegado, as testemunhas disseram que o produtor rural, vizinho da aldeia, intimidou os indígenas com vários disparos de arma de fogo e João da Silva acabou ferido na orelha.

Informaram também que após o conflito um grupo de indígenas revidou, amarrando a vítima e que somente João teria agredido o produtor rural.

O caso - De acordo com o site Dourados News, o produtor Arnaldo era dono de um sítio que faz divisa com a aldeia e, conforme a Polícia, os indígenas cortavam com frequência as cercas da propriedade e em conseqüência disso o gado fugia.

Segundo a Polícia, a vítima por diversas vezes tentou dialogar com os indígenas, mas sem sucesso. No início da semana passada o PM e os indígenas se desentenderam mais uma vez, resultando na morte do aposentado.

BalançoA Funai (Fundação Nacional do Índio) tem 80 ações na Justiça sobre conflitos entre proprietários e indígenas. Esta foi a segunda morte neste ano. A primeira foi de um adolescente de 15 anos, morto com um tiro na cabeça, no último dia 17 de fevereiro, em uma estrada que separa a aldeia guarani-kaiowá tey´ikue de fazendas na cidade de Caarapó.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions