A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

01/05/2014 08:09

Mãe de bebê que foi morto pelo padrasto é agredida em velório

Kleber Clajus
Padrasto foi transferido ontem porque outros presos tentaram agredi-lo (Foto: S. Bronka)Padrasto foi transferido ontem porque outros presos tentaram agredi-lo (Foto: S. Bronka)

A mãe do bebê de um ano e meio morto pelo padrasto chegou a ser agredida, na quarta-feira (30), durante velório do filho em Dourados, município distante 233 quilômetros de Campo Grande. No mesmo dia, Rogério Avelino, 31 anos, preso acusado de matar o enteado foi transferido para a Penitenciária Harry Amorim Costa, após ser rejeitado por outros presos na 1º Delegacia de Polícia Civil do município.

Veja Mais
Rejeitado por presos, acusado de matar bebê é transferido de presídio
Bebê morre depois de ser derrubado de cama pelo padrasto

De acordo com o site Dourados Agora, familiares se revoltaram com a presença da mãe da criança no velório e chegaram a agredi-la. Ela chegou a ser retirada do local por conselheiros tutelares.

O delegado titular da 1ª DP, Lupércio Degerone, comentou ontem que o padrasto da criança teve que ser transferido porque outros presos queriam agredi-lo, em virtude do crime que está sendo acusado de ter cometido. A transferência ocorre em menos de 12 horas.

Caso – Rogério é acusado de ter matado o enteado na noite de terça-feira (29). Segundo relatos da mãe da criança, de um ano e meio, ela saiu para ir ao mercado e quando voltou o filho estava desacordado. O bebê tinha ficado sob a responsabilidade do padrasto.

O acusado disse à polícia que bateu na criança porque ela não parava de chorar. Ele disse ainda que tentou reanimar o enteado fazendo respiração boca a boca, mas sem sucesso.

Testemunhas - No total, a polícia intimou sete testemunhas, mas até ontem três foram ouvidas, as quais o delegado considera as principais, sendo elas a mãe da criança, o policial que atendeu a ocorrência e uma vizinha. Ainda serão ouvidos outros moradores da rua onde o mora a família para.

Segundo delegado, o depoimento desses outros vizinhos será importante para identificar se a criança sofria agressoões constantes e como era o relacionamento entre o casal.

O inquérito foi encaminhado para a 2ª Delegacia de Polícia Civil de Dourados, onde dará sequência às investigações.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions