A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

01/09/2015 11:16

MST reivindica nomeação no Incra e retomada de assentamentos

Pelo menos 300 famílias do “Acampamento José Marcio Zoia” participam de bloqueio de rodovia, sem hora para terminar

Helio de Freitas, de Dourados
Trabalhadores sem-terra do MST bloqueiam a BR-163, entre Mundo Novo e Eldorado, na região sul de MS (Foto: Divulgação/MST)Trabalhadores sem-terra do MST bloqueiam a BR-163, entre Mundo Novo e Eldorado, na região sul de MS (Foto: Divulgação/MST)

O bloqueio da BR-163, na altura do km 29, entre os municípios de Mundo Novo e Eldorado, no extremo sul do Estado, é feito por famílias ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). O protesto começou por volta de 7h30 e não tem previsão de quando será encerrado, segundo o MST.

Pelo menos 300 famílias do “Acampamento José Marcio Zoia”, no município de Japorã, participam do bloqueio. Apenas ambulâncias e outros casos de urgência são liberados. O acampamento foi montado no início deste ano no distrito de Jacareí e tem pelo menos 1.500 famílias.

Nomeação no Incra – Jonas da Conceição, um dos líderes do MST na região, informou ao Campo Grande News que o protesto é para cobrar compromissos firmados pelo governo federal e também itens da pauta que o movimento tem em Mato Grosso do Sul, entre os quais a nomeação do novo superintendente regional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e a retomada dos assentamentos no Estado.

Conceição disse que já existe um nome de consenso para o cargo, de um engenheiro agrônomo sul-mato-grossense, mas até agora ele não foi nomeado. A superintendência tem como interino o servidor Sidney Ferreira, desde que Celso Cestari pediu demissão, em abril deste ano.

Terras indígenas – Os sem-terra também reivindicam a demarcação de terras indígenas e a definição de recursos para investimentos na reforma agrária em Mato Grosso do Sul, onde, segundo o MST, existem 29 mil famílias acampadas à espera de assentamento.

Ao contrário do que foi informado nesta manhã pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), o protesto não tem a participação de índios.

“Estamos aguardando que alguém do governo se posicione sobre nossa pauta, que é a nomeação do superintendente do Incra, reforma agrária e demarcação das terras indígenas. Estamos há algum tempo fazendo essa luta em conjunto, principalmente agora, quando mais uma liderança foi assassinada em Antonio João. O governo não se posiciona, esse é o problema”, declarou Jonas Conceição.

Segundo ele, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, esteve em Mato Grosso do Sul e fez o compromisso de que o governo ia adquirir as terras para instalação das famílias indígenas, mas até agora a promessa não foi cumprida. “Entramos num período mais complicado ainda, sem o superintendente do Incra e sem recursos estabelecidos aqui para o Estado”.

“O que esperamos é um posicionamento da direção nacional do Incra quanto à nomeação do superintendente. Já tem um nome de consenso entre os movimentos. O que falta é nomear e garantir recursos para o nomeado trabalhar”.

Segundo ele, até agora apenas uma reunião foi pré-agendada para sábado (5), com o senador Delcídio Amaral (PT/MS), líder do governo Dilma Rousseff no Senado.

Sem-terra invade fazenda e quer desapropriação de 5 mil hectares
O MST (Movimento Sem-Terra) ocupou, na madrugada de hoje (21), a fazenda Saco do Céu, em Casa Verde, distrito de Nova Andradina, a 300 quilômetros de...
Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions