A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

15/03/2012 18:29

Polêmica em Dourados, Vila Olímpica é investigada pelo MPF

Fabiano Arruda
Reunião na Prefeitura de Dourados discutiu nesta quinta o futuro do complexo. (Foto: Divulgação/A. Frota)Reunião na Prefeitura de Dourados discutiu nesta quinta o futuro do complexo. (Foto: Divulgação/A. Frota)

Sem funcionar desde 9 de maio do ano passado, quando foi inaugurada, e fechada desde então, a Vila Olímpica Indígena de Dourados, primeira do País e que teve investimento de R$ 1,6 milhão, virou alvo de investigação do MPF (Ministério Público Federal).

Veja Mais
Gestão compartilhada deve ser a saída para Vila Olímpica em Dourados
A Vila Olímpica e o silêncio de alguns

As denúncias apontam irregularidades na construção do complexo como superfaturamento da obra. Segundo o procurador da República, Marco Antônio Delfino de Almeida, um perito de Brasília (DF) deve visitar a instalação na próxima semana. Ele deve comparar a construção com o total de recursos investidos.

Outra falha apontada é a pista de atletismo pavimentada, o que foge dos padrões de competições.

O procurador falou do assunto em entrevista no gabinete do prefeito Murilo Zauith (PSB) hoje. Integrantes da Funai (Fundação Nacional do Índio) e comunidade indígena também participaram do encontro.

Na ocasião, Zauith argumentou que o complexo foi inaugurado antes de sua gestão como prefeito.

A administração da Vila é mais um entrave. Em novembro, após reunião, chegou a ser sinalizado que a gestão fosse feita Prefeitura, Governo do Estado e Governo Federal.

No entanto, Murilo garantiu nesta quinta que o município investe financeiramente no complexo, assim como Ministério dos Esportes e Funai, mas a administração deve ficar com conselho composto pela própria comunidade indígena.

Complexo inaugurado há quase dois anos não funciona deste então. (Foto: Divulgação)Complexo inaugurado há quase dois anos não funciona deste então. (Foto: Divulgação)

Serão investidos mais de R$ 200 mil para atividades esportivas na reserva indígena em Dourados pela administração municipal na Vila Olímpica. A verba será destinada por meio do PELC (Programa Esporte e Lazer na Cidade.

Entre as ações previstas estão a implantação de núcleos de esporte recreativo e de lazer, para atendimento de crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos e pessoas com deficiência.

O caso - À época do contrato para liberação de recursos à Vila Olímpica, em 2006, a prefeitura de Dourados, administrada por Laerte Tetila, teria assumido a responsabilidade da gestão, que deve girar em torno de R$ 4 milhões por ano.

O complexo fica localizado entre as aldeias Jaguapiru e Bororó. Com 29 mil metros quadrados é dotado de uma quadra de esportes de estrutura metálica, campo de futebol, pista de atletismo, quadra de vôlei de areia, parque infantil, vestiários, banheiros adaptados e ainda um prédio administrativo.

Os recursos vieram do Ministério do Esporte e foram viabilizados por meio de emendas parlamentares do deputado federal Geraldo Resende (PMDB).

Dourados é o município com a maior população indígena do País, em torno de 12 mil índios das etnias guarani, kaiowá e terena. Esse foi um dos motivos para a cidade ser escolhida para receber a primeira vila olímpica. Além disso, a reserva local é considerada como uma das mais violentas do Brasil e o esporte é uma forma de tentar mudar o quadro.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions