A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

29/11/2011 13:31

Proposta de segurança nas aldeias inclui criação de Polícia Comunitária

Fernando da Mata

Reunião para discutir segurança foi motivada após o assassinado do líder indígena guarani-kaiwá Nísio Gomes, no último dia 18

Força Nacional durante operação no acampamento Guaiviry (Foto: João Garrigó)Força Nacional durante operação no acampamento Guaiviry (Foto: João Garrigó)

A proposta de criação de Polícia Comunitária nas aldeias do sul do Estado é a principal do pacote de medidas que devem ser adotadas na região nos próximos dias.

Segundo a assessoria de imprensa da Funai (Fundação Nacional do Índio), o objetivo do pacote é abranger toda a região onde há áreas indígenas regularizadas e acampamentos, com atenção especial em áreas de conflito, como o acampamento Guaiviry, quase na divisa dos municípios de Aral Moreira e Amambai.

Para viabilizar a criação da Polícia Comunitária, segundo a Funai, é necessário que os governos federal e estadual planejem a estrutura e a capacitação dos envolvidos sobre a questão indígena.

As outras três propostas discutidas, na segunda-feira (28), na sede da Funai de Dourados, são: aumento do efetivo, permanência e abrangência da Força Nacional; levantamento de todos os inquéritos policiais sobre casos de violência contra indígenas; e criação de um grupo de comunicação envolvendo lideranças indígenas e representantes da Funai e da segurança pública.

Além de representantes nacionais e regionais do órgão, participaram da reunião o Ministério Público Federal, Secretaria da Presidência da República, Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Policia Federal, Força Nacional, Polícia Civil e Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública.

Violência contra indígenas - A reunião na Funai de Dourados foi feita depois do assassinato do líder indígena Nísio Gomes, de 59 anos. O crime ocorreu no último dia 18, durante ataque de pistoleiros fortemente armados contra a comunidade guarani-kaiwá do acampamento Tekoha Guaiviry.

Segundo informações do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), pelo menos 40 homens estariam envolvidos no ataque. Cerca de 60 indígenas moram no local.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions