A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

24/05/2012 15:55

Servidores do Incra recebiam comissão para legalizar venda de lotes

Aline dos Santos

“Os valores variavam de R$ 3 mil a R$ 6 mi”, afirma delegada da PF.

Transações eram legalizadas no Incra. (Foto: Marcelo Fernandes)Transações eram legalizadas no Incra. (Foto: Marcelo Fernandes)

Alvos da operação Gaia, servidores do Incra (Instituto Nacional de Reforma Agrária de Colonização) e funcionário do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Corumbá cobravam comissão de até R$ 6 mil para legalizar vendas de lotes da reforma agrária. “Os valores variavam de R$ 3 mil a R$ 6 mi”, afirma a delegada da PF (Polícia Federal), Márcia Paulino.

As fraudes foram identificadas, principalmente, nos assentamentos Tamarineiro 2 e Paiolzinho, onde os lotes chegam a 50 hectares. Mais de 200 lotes foram comercializados. Em menor escala, a situação também foi verificada no assentamento Setenta e Dois.

Já no São Gabriel, foi detectado o arredamento de área para fazendeiros. As investigações apontaram várias irregularidades na cessão dos lotes. Os fazendeiros pagavam entre R$ 3 mil a R$ 20 mil por mês.

Conforme a delegada, parte dos assentamentos pertencia ao Incra e parte ao sindicato. Mas, o esquema para venda de lotes funcionava de maneira similar. O proprietário do lote fazia um documento informando a desistência e o comprador apresentava requerimento pedindo a posse. Para “legalizar” a transação os servidores ou funcionários recebiam a comissão.

Por decisão judicial, três servidores do Incra foram afastados de suas funções. Eles também vão sofrer procedimento administrativo. Um funcionário do sindicato ficou preso por dois dias e já está em liberdade.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Corumbá, Divina Rosa da Cruz, a Rosinha do Sindicato, continua foragida. Ainda hoje a prisão temporária deve ser convertida em preventiva.

De acordo com a delegada, somente foram pedidas prisões de pessoas ligadas ao sindicato pelo risco de atrapalhar a operação. Ao todo, 17 pessoas já prestaram depoimento. Hoje, foi ouvido um assentado. A polícia ainda aguarda o depoimento de um comerciante, que está hospitalizado.

O indiciamento do grupo será por formação de quadrilha, falsificação de documentos e corrupção. As investigações duraram mais de um ano. A operação leva o nome de Gaia em alusão à divindade que representada a terra na mitologia grega.

PF ouviu 16 pessoas e quer oitiva de mais 2 sobre irregularidades em assentamentos
Algumas confirmaram as transferências ilegais de lotes e informações de outras vão auxiliar na investigaçãoA PF (Polícia Federal) já ouviu 16 pessoa...
Operação prende bando que fazia transferência ilegal de lotes em assentamentos
Foi deflagrado na manhã desta terça-feira (22) em ação conjunta da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União, a segu...
Cinco pessoas são atingidas por raio em colheita de cana e uma morre
Um trabalhador rural identificado como Abmael Fernandes dos Santos, de 30 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (7) ao ser atingido por um raio en...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions