A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

27/05/2015 13:39

TJ vê falha do MP por não denunciar Passaia e absolve réus da Uragano

Desembargador negou recurso e manteve decisão do juiz de 1ª instância que já tinha julgado a ação improcedente

Helio de Freitas, de Dourados
Exemplares do livro “A Máfia de Paletó”, escrito por Eleandro Passaia; jornalista gravou políticos e empresários na Operação Uragano (Foto: Dourados News)Exemplares do livro “A Máfia de Paletó”, escrito por Eleandro Passaia; jornalista gravou políticos e empresários na Operação Uragano (Foto: Dourados News)

A Justiça rejeitou ontem o recurso do Ministério Público Estadual e manteve a decisão de primeira instância que considerou improcedente a ação por improbidade administrativa contra os réus da Operação Uragano, que em 2010 levou vereadores, secretários, assessores, empresários e o então prefeito de Dourados para a cadeia por corrupção.

Veja Mais
Fruto da operação Uragano, MPE pede a demissão do seu ex-chefe no TJMS
Juiz manda MPE pagar multa de R$ 360 mil a réus da operação Uragano

A decisão foi tomada pelo desembargador Marcos José de Brito Rodrigues, da 2ª Câmara Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O Ministério Público ainda não informou se vai recorrer da sentença.

Em 2013, o juiz da 6ª Vara Cível de Dourados, José Domingues Filho, já havia considerado a ação improcedente pelo fato de o MP não ter denunciado o então secretário de Governo da prefeitura de Dourados, o jornalista Eleandro Passaia, que agiu como infiltrado, a serviço da Polícia Federal, para captar provas contra os acusados.

Entre os denunciados na ação por improbidade administrativa estão o ex-prefeito Ari Artuzi, que morreu de câncer em 2013, a ex-secretária de Administração Tatiana Cristina da Silva Moreno, o ex-vice-prefeito Carlos Roberto Assis Bernardes, o Carlinhos Cantor, os ex-secretários Cláudio Marcelo Hall e Darci Caldo e a empresa Financial Construtora Industrial Ltda.

Araponga - Usando equipamentos fornecidos pela PF, Passaia gravou conversas com Artuzi, com vereadores, empresários e outros secretários, em que os seus interlocutores pediam ou aceitavam dinheiro, entregues pelo jornalista. Uma das gravações mostrava Artuzi pegando o dinheiro na varanda de sua casa, no Jardim Canaã I, periferia de Dourados.

Nunca ficou clara a participação de Passaia nas investigações. Tanto o MP quanto a PF negaram que ele tivesse assinado um acordo de delação premiada, mas também não explicaram porque o jornalista não foi denunciado, já que agia como corruptor, oferecendo dinheiro aos demais envolvidos. Atualmente Passaia trabalha numa rede de TV no Paraná.

Enquanto gravava seus companheiros de prefeitura e vereadores, Passaia escrevia um livro sobre o esquema de corrupção. O livro ganhou o título de “A Máfia de Paletó” e foi lançado o dia 10 de setembro de 2010. Algumas páginas foram censuradas pelo próprio autor, segundo ele por imposição da gráfica que rodou o livro.

Criminal – O grupo formado por ex-políticos e empresários também responde a processo criminal, na 1ª Vara da comarca de Dourados. Essa ação, por corrupção passiva, tem 56 réus.

O processo criminal ainda está na fase de depoimento das 130 testemunhas arroladas pelos advogados de defesa. O caso é conduzido pelo juiz Rubens Witzel Filho.

O caso – No dia 1º de setembro de 2010, a Polícia Federal desencadeou em Dourados a Operação Uragano e prendeu vereadores, secretários municipais, empresários, assessores da prefeitura e o então prefeito Ari Artuzi, que passou dois meses na cadeia. Logos após renunciar ao mandato, ele ganhou a liberdade e morreu em 2013, de câncer.

As gravações feitas por Eleandro Passaia a serviço da Polícia Federal sacudiram a política sul-mato-grossense. O escândalo explodiu um mês antes das eleições e respingou inclusive no MPE (Ministério Público Estadual) e na Assembleia Legislativa.

Rigo e MP – Em uma das conversas gravadas, Passai grampeou o ex-deputado Ary Rigo, que implicou o então procurador-geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, Miguel Vieira. Em 2013 o Conselho Nacional do Ministério Público decidiu aplicar a pena de demissão de Vieira.

Os vereadores presos e processados foram cassados ou renunciaram e acabaram substituídos pelos suplentes. Como o vice-prefeito também estava implicado no escândalo de corrupção, a cidade teve uma eleição extemporânea, em fevereiro de 2011, e o eleito foi o atual prefeito, Murilo Zauith (PSB) – reeleito em 2012.

Juiz manda MPE pagar multa de R$ 360 mil a réus da operação Uragano
O juiz da 6ª Vara Cível de Dourados, José Domingues Filho, multou o MPE (Ministério Público Estadual) em R$ 360 mil e determinou que o valor seja des...
TJ mantém validade da Uragano e tira delação premiada de Passaia
Os advogados de defesa disseram que vão recorrer do cancelamento ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tr...
Bens de réus na operação Uragano voltam a ser bloqueados pela Justiça
Decisão é do desembargador Paulo Alfeu Puccinelli, em atendimento a recurso do Ministério Público EstadualA Justiça voltou a bloquear R$ 23 milhões ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions