A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

09/12/2015 07:34

Em ruínas, reforma de Usina Velha que iluminava a cidade não sai do papel

A Usina Filinto Muller fez parte da história de Dourados e abasteceu a cidade movida antes da chegada da energia elétrica; transformação do local em centro histórico não passou de sonho

Helio de Freitas, de Dourados
Em ruínas, reforma de Usina Velha que iluminava a cidade não sai do papel
A Usina Filinto Mulher, ou “Usina Velha”; abandonada e em ruínas (Foto: Eliel Oliveira)A Usina Filinto Mulher, ou “Usina Velha”; abandonada e em ruínas (Foto: Eliel Oliveira)

Alimentada por lenha e depois por óleo diesel, a Usina Filinto Muller foi construída na década de 1940 e teve papel fundamental na história de Dourados, que no dia 20 deste mês completa 80 anos de emancipação. A usina abastecia a cidade antes da chegada da energia elétrica, na década de 1970. Depois foi desativada e seu patrimônio desapareceu aos poucos. As ruínas existem até hoje em uma área pública. Projetos e mais projetos de revitalização nunca saíram do papel.

Veja Mais
Chamada de Portal do Mercosul, 2ª cidade de MS comemora oito décadas
Após duas décadas de abandono, prédio do Clube Social será concluído

Para o arquiteto e ambientalista Luiz Carlos Ribeiro, a Usina Velha é a história de outro projeto engavetado “e a gaveta não é pequena e nem nova”.

Ao Campo Grande News, Ribeiro conta que em meio a toda discussão do que deveria ser feito para preservar a Usina Velha – uma preocupação que há muito se arrastava nas rodas culturais e nas páginas da imprensa local – em 1999 o assunto tomou uma forma mais real, com a intervenção do Ministério Público Estadual. Naquele ano foi apresentado um projeto de revitalização.

Segundo ele, o projeto propunha uma série de intervenções urbanísticas e arquitetônicas, “que em dados momentos, certas intervenções competiam, não harmonizavam com o velho, com o histórico, porque, infelizmente, não partiam de um pressuposto, de premissas melhores definidas”. Luiz Carlos Ribeiro apresentou esboços de um projeto diferente.

A discussão principal naquele momento era o que deveria ser feito com as ruínas da velha usina - “preservar ou restaurar”. Muita discussão foi feita sobre o assunto. O próprio Ribeiro defendeu na época a preservação como forma mais barata e “tarefa bastante fácil e de resolução rápida”, para transformar o local em espaço contemplativo. “A proposta que defendemos é a sua preservação enquanto ruína histórica, aliada a uma utilização enquanto espaço histórico-sócio-cultural”.

Entretanto, a partir dali a usina saiu da pauta, como Luiz Carlos Ribeiro define. “Os passos seguintes adotados pelas novas administrações ficaram mesmo no varejo de soluções superficiais, pois que, sem ter um pensado e elaborado projeto, não se poderia mesmo esperar resultado algum, como de fato aconteceu até hoje. Se recursos foram alocados pra alguma intervenção naquele espaço, de fato foram aplicados”.

Para o arquiteto, no lugar de um patrimônio histórico existe um verdadeiro “monumento à burrice”.

“Infelizmente, nossas sucessivas administrações, com raríssimas e esporádicas exceções, nunca primaram por pensar e planejar, no médio e longo prazo, só no curto e curtíssimo prazo”, diz ele, sobre a situação atual da usina.

Até o motor sumiu – Em artigo publicado no jornal O Progresso no dia 30 de janeiro deste ano, o advogado e escritor José Carlos Vasconcelos narra a experiência que teve ao conhecer a Usina Filinto Muller, em pleno funcionamento, nos idos dos anos 1970, ao lado do então prefeito Jorge Salomão.

“A Usina velha encontrava-se em perfeito estado de funcionamento, acionada por um motor de submarino. Lá estive e o prefeito Jorge Salomão, muito satisfeito, apresentou-nos o encarregado da usina, dizendo: ‘Este funcionário é exemplar: fica o dia todo com um paninho limpando o motor e cuidando da usina, e ela dá o que pode!’”, escreveu Vasconcelos.

O advogado afirma que além do motor de submarino, que desapareceu junto com outros equipamentos da usina, também não se sabe qual foi o destino da área de mil hectares, dada pelo Estado para retirada da lenha usada no início do funcionamento. “Com o tempo, a usina que queimava lenha passou para o sistema de injeção de óleo diesel. Nessa troca de sistema, que poucos ou ninguém que ainda esteja vivo pode ou queira informar, desapareceram os l.000 hectares de terras com toda a lenha que não fora queimada, assim como toda a maquinaria instalada para funcionar com a lenha”.

Segundo ele, com a chegada da energia elétrica na década de 1970, a usina começou a ser desmontada “por ladrões” e o poder público não demonstrou nenhum interesse em preservá-la. Até o motor do submarino, que pesava muitas toneladas, “submergiu para nunca mais emergir”, afirmou.

“A usina, depois de desmontada e carregada por ladrões de altos e baixos coturnos, que nunca foram incomodados pela justiça, vem agora recebendo contínua atenção de políticos, que prometem restaurá-la, porque é histórica – dizem, mastigando a demagogia que os animam!”, escreveu Vasconcelos.

Usina Velha, iluminada em evento realizado em 2012; centro histórico nunca saiu do papel (Foto: Eliel Oliveira)Usina Velha, iluminada em evento realizado em 2012; centro histórico nunca saiu do papel (Foto: Eliel Oliveira)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions