A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

07/07/2015 10:37

Capital termina semestre com a inflação mais baixa do ano, 0,38% em junho

Mariana Rodrigues
os produtos que mais encareceram, está a cebola (25,74%). (Foto: Marcelo Calazans)os produtos que mais encareceram, está a cebola (25,74%). (Foto: Marcelo Calazans)

O mês de junho registrou inflação de 0,38%, em Campo Grande, menor índice do ano, segundos dados divulgados hoje (7) pela Anhanguera Uniderp. A queda no índice é uma tendência natural do segundo semestre, e a esperança do governo para que a inflação volte para dentro da meta. No acumulado de doze meses, a inflação da Capital soma 9,07%, o dobro da meta de 4,5% estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) e acima do teto permitido, de 6,5%, considerando-se os dois pontos para mais ou para menos.

Veja Mais
Pendências financeiras podem ser resolvidas até hoje na Semana da Conciliação
Comércio tem 47,9 mil novos devedores no primeiro semestre

De acordo com o IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande), que é um indicador da evolução do custo de vida das famílias, a inflação de junho ficou bem abaixo de maio, onde o índice registrado foi de 0,61%, e superou o mês de junho do ano passado em 0,37%.

Segundo o coordenador do Nepes (Núcleo de Pesquisas Econômicas), Celso Correia de Souza, os alimentos foram o que mais influenciaram o índice, com aumento de 1,06%, impactaram em 0,22% a inflação do mês.

"Apesar do aumento nos preços de produtos desse grupo, a inflação do mês passado recuou bastante em relação a maio, indicando que a pior fase já ficou para trás. Também vimos que há tendência de queda no índice desde janeiro. Portanto, a estimativa é que a inflação seja menor nos próximos meses".

Segundo dados divulgados mensalmente pelo Nepes, dentre os produtos que mais encareceram, estão a cebola (25,74%), chuchu (17,25%) e o pescado fresco (12,85%). Fortes quedas de preços ocorreram na manga (-11,08%), abobrinha (-11,02%) e abacaxi (-9,48%).

O pesquisador explica que os motivos do sobe desce de preços são em razão da influência de fatores climáticos e devido a entressafra. “Alguns produtos aumentam de preços ao término da safra, outros diminuem de preços quando entram na safra. Quando o clima é desfavorável há aumentos de preços, ocorrendo quedas quando o clima se torna favorável”, diz Correia.

Além dos itens da alimentação, o consumidor sente no bolso a alta nos itens relacionados a despesas pessoais (1%), habitação (0,25%), saúde (0,21%) e transportes (0,07%). Eles impactaram em 0,09%, 0,08%, 0,02% e 0,01% a inflação do mês de junho, respectivamente.

Já os vestuários (-0,36% ) e educação (-0,10%,), ajudaram a conter a inflação do mês de junho, pois devido ao impacto negativo, impactaram negativamente em -0,03% e -0,01%, respectivamente a inflação.

Inflação acumulada - Nos últimos 12 meses, a Capital se destaca com as maiores inflações em transportes (13,03%), habitação (10,82%), despesas pessoais (10,57%) e alimentação (10,45%). O grupo vestuário apresentou deflação acumulada de -0,20%.

Considerando os seis primeiros meses de 2015 a inflação acumulada já ultrapassou o teto da meta, chegando a 6,69%. Destacam-se com as maiores inflações acumuladas os grupos Habitação (10,11%), educação (7,71%) e transportes, (7,68%). O grupo vestuário fechou com deflação acumulada de -1,15%.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions