A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

19/01/2016 16:27

Escolas particulares pedem lista ilegal de materiais; saiba como denunciar

Priscilla Peres e Caroline Maldonado
Aulas escolares estão previstas para começar em fevereiro e agora é a hora de comprar materiais. (Foto: Marcos Ermínio)Aulas escolares estão previstas para começar em fevereiro e agora é a hora de comprar materiais. (Foto: Marcos Ermínio)

Escolas particulares de Campo Grande estão descumprindo a lei federal, em vigor desde 2014, que as proíbe de pedir aos pais materiais de uso coletivo. Agora, antes do início das aulas, o problema volta à tona e o Campo Grande News teve acesso a listas pedidas por escolas tradicionais da cidade.

Veja Mais
Variação de preço do material escolar chega a 1.505%, segundo Procon
Pedido de material coletivo é proibido há 2 anos e 8 escolas são investigadas

Em dezembro, oito delas foram notificadas pelo MPE/MS (Ministério Público Estadual) por não cumprirem o que manda a legislação. Depois disso, foi feito um acordo entre o órgão, os estabelecimentos e o Procon para que a lei fosse respeitada.

Na lista de produtos proibidos estão folhas de papel sulfite, copos descartáveis, papel higiênico, papel ofício, grampos, giz – estes são considerados de uso coletivo e, portanto, vetados nestes casos. Outra prática proibida pela lei é que a escola ofereça o serviço de vender os materiais necessários aos pais, mediante ao pagamento de uma taxa.

A Lei 12.886/2013 estabelece que o custo com produtos de uso coletivo deve estar incluído na mensalidade e que a escola entregue aos pais uma lista com os itens necessários para o ano letivo. Porém, não pode especificar a marca dos produtos, nem mesmo como sugestão.

Com a proximidade do início da aulas, os problemas entre pais e escolas voltam à pauta. Ao procurar a lista, muitos pais acabam se deparando com uma lista enorme de produtos, ou mesmo os já conhecidos como proibidos. Nessas horas, é preciso fazer a denúncia para o Procon.

Especificar marca dos produtos pedidos também é contra a lei. (Foto: Direto das Ruas)Especificar marca dos produtos pedidos também é contra a lei. (Foto: Direto das Ruas)
Pedir materiais de uso coletivo é proibido por lei, desde 2014. (Foto: Direto das Ruas)Pedir materiais de uso coletivo é proibido por lei, desde 2014. (Foto: Direto das Ruas)

Denúncia - A superintendente do Procon/MS, Rosimeire da Costa, explica que as escolas foram alertadas no fim do ano passado sobre as regras, mas caso elas não estejam cumprindo, a denúncia deve ser feita. Reclamações sobre os materiais ou qualquer outro assunto referente a relação entre os pais e as escolas podem ser feitas pelo número 151 ou pelo Fale Conosco do site www.procon.ms.gov.br.

"A escola tem que explicar para o pai para qual atividade será utilizada aquele material pedido. Mas o serviço de comprar o produto e cobrar uma taxa, não pode mais existir. O nome de marcas na lista também está proibido", alerta a superintendente.

Quando uma denúncia é feita, o Procon abre processo administrativo e se a escola é flagrada com a lista proibida é autuada por infração e a empresa tem dez dias para se defender. “A multa leva em consideração a quantidade de pessoas atingidas por aquele ato, entre outros fatores. Nesses casos, temos aplicado multa entre 80 e 20 Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul)”, detalha, quanto aos valores que equivalem a R$ 1,8 mil a R$ 45,8 mil, atualmente.

O Ibedec (Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo) também registra reclamações de consumidores no Estado. Segundo a consultora jurídica da entidade, Bárbara Grassi, as reclamações sobre lista de material escolar são constantes.

“Todo ano tem esse tipo de queixa. Os pais procuram orientação para saber se são ou não obrigados a comprar determinado item”, comenta. O Ibedec orienta gratuitamente e os consumidores filiados têm assessoria para entrar com ações judiciais de reparações de danos. O contato do instituto é (67) 3015-1090.




que tal se a escola apresentasse a lista de material para o PROCON primeiro e o mesmo desse aval para a compra? estava resolvido o problema.
 
Alex André de Souza em 20/01/2016 08:21:01
O grande problema que deixa margem para que as escolas continuem fazendo de conta que não sabem da lei são os acordos que são feitos entre escola, Procon e MP, não tem que fazer acordo, pegou pedindo coisa que não pode, multa e pronto, se fica dando bronca e falando "olha lá hein, no proximo ano não pode haver isso", pode ter certeza absoluta que vai haver, sem falar que as escolas se utilizam do mesmo sistema que os planos de saúde, manda a lista pra todo mundo, 3 reclamaram, tomamos um puxão de orelha mas o restante dos pais entregaram o material de uso coletivo sem denunciar, portanto, vale a pena porque a maioria entrega, se o MP aplica uma bela multa na escola, já passa a ser burrice fazer novamente pois a multa é maior do que o preço do material pedido.
 
Max em 19/01/2016 17:11:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions