A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 01 de Outubro de 2016

10/06/2015 15:50

Reinaldo envia projeto de redução do ICMS do diesel até segunda para votação

Priscilla Peres e Leonardo Rocha
Reinaldo decidiu fazer projeto por seis meses, para testar se haverá resultado. (Foto: Fernando Antunes)Reinaldo decidiu fazer projeto por seis meses, para testar se haverá resultado. (Foto: Fernando Antunes)

Até segunda-feira (15), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) encaminha à Assembleia Legislativa, o projeto de lei que prevê a redução da alíquota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos atuais 17% para 12%. A mudança vai vigorar por seis meses, em regimes de teste.

Veja Mais
Deputado propõe audiência pública sobre mudança no ICMS do diesel
Governo estuda projeto ou decreto para reduzir ICMS do diesel em julho

A decisão de hoje, confirmada pelo deputado estadual Rinaldo Modesto (PSDB), põe fim a dúvida do governador entre reduzir o imposto por decreto ou por lei. A previsão é que a redução entre em vigor no dia 1° de julho e siga até dezembro de 2015. Se nesse período o consumo do combustível não aumentar, a alíquota volta para 17%.

De acordo com o governo, o Sinpetro /MS (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis) garantiu que a redução da alíquota vai chegar até o consumidor, ou seja, que os postos vão reduzir o preço do diesel de acordo com o valor do imposto. O próprio sindicato foi quem elaborou o projeto, atestando a viabilidade da mudança.

No mês passado, Reinaldo disse que a mudança valerá por seis meses, como forma de teste. Isso porquê a partir da redução da alíquota, o diesel ficará mais barato no Estado, porém o governo estará deixando de arrecadar. Para que a mudança não tenha impacto significativo nas finanças, é necessário que aumente o consumo. Se isso não ocorrer, o percentual de imposto volta aos 17%.

No início deste ano, Reinaldo enfrentou reivindicações e protestos do setor de transporte, que pede a redução da alíquota para a continuidade dos trabalhos. Eles alegam que o estado perde competitividade ao manter a cobrança de 17%, frente aos vizinhos. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions