A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

16/03/2016 10:50

Salário do trabalhador caiu 2% e de servidor sem carteira subiu 10%

Caroline Maldonado
No setor privado, a média de rendimento mensal era de R$ 1.488, no último trimestre de 2014 e caiu para R$ 1.481, no mesmo período (Foto: Arquivo)No setor privado, a média de rendimento mensal era de R$ 1.488, no último trimestre de 2014 e caiu para R$ 1.481, no mesmo período (Foto: Arquivo)

O rendimento médio do sul-mato-grossense encerrou o ano de 2015 em R$ 1.808, valor inferior aqueles referentes as médias dos últimos três anos. No 4º trimestre de 2013, o trabalhador tinha renda média de R$ 1.899, ou seja, 4,7% superior a constatada no mesmo período do ano passado. Nos últimos três meses de 2014, a média era de R$ 1.860, portanto a queda foi de 2,7%, na comparação com o mesmo intervalo de 2015. Os dados são da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domícilios) do IBGE (Instituto Brasileiro de geografia e Estatística). 

Veja Mais
Desemprego em MS cresce e atinge 4,2%, mas ainda é o 2º menor no País
Educação financeira: com desemprego como as famílias devem se organizar?

De modo geral, empregados do setor público mantiveram sua média de rendimentos em R$ 2.857. Nos períodos pesquisados, a vantagem foi apenas para aqueles que não tiveram carteira assinada, pois a média salarial teve alta de 10%. O valor passou de R$ 1.882 no 4º trimestre de 2014 para R$ 2.082, no mesmo período de 2015.

O grupo de servidores com carteira assinada viu a média de rendimento cair de R$ 1.825 para R$ 1.488, na comparação dos últimos trimestres dos dois anos. A diferença negativa é de 18%, conforme o levantamento.

No setor privado, a média de rendimento mensal era de R$ 1.488, no último trimestre de 2014 e caiu para R$ 1.481, no mesmo período. O valor médio foi reduzido tanto aos que têm, quanto aos que não têm carteira assinada. Entre os que assinam carteira, o salário médio passou de R$ 1.589 para R$ 1.582, diferença de 0,44%. Esses cálculos não consideram os trabalhadores domésticos da área privada.

Empregado doméstico - A pesquisa mostra que, em um ano, os trabalhadores domésticos com Carteira de Trabalho assinada conseguiram aumento salarial superior ao daqueles que não têm registro. De modo geral, o salário médio era de R$ 716 no último trimestre de 2014 e passou para R$ 747, no mesmo tempo de 2015, o que revela alta de 4,3%.

O salário médio dos trabalhadores domésticos com carteira assinada passou de R$ 933 nos últimos quatro meses de 2014 para R$ 977 no mesmo período de 2015, o que representa alta de 4,7%. A remuneração mensal dos que não têm registro em carteira foi de R$ 597 para R$ 605, o que significa aumento de apenas 1,3%.

Desemprego – A taxa de desocupação que, de outubro a dezembro de 2014, foi de 3,8%, ficou em 5,9 %, no mesmo período de 2015, em Mato Grosso do Sul. De janeiro a setembro do último ano, a taxa chegou a casa dos 6%.

Esse é o maior percentual desde o 1º trimestre de 2012, quando aumentou em 7,5% a taxa de desempregados. Naquela época, 58,7% das pessoas com mais de 14 anos estavam trabalhando. No fim de 2015, o nível de ocupação ficou em 61,3%.

Brasil - No país, a desocupação avançou 9%, nos últimos três meses 2015. Essa é a maior taxa dos últimos quatro anos. O resultado representa estabilidade em relação ao trimestre anterior, com taxa 8,9%, na avaliação do IBGE.

As análises apontaram diferenças significativas na taxa de desocupação entre homens e mulheres. No 4º trimestre de 2015, a taxa foi estimada em 7,7% para os homens e 10,6% para as mulheres. A taxa de desocupação dos jovens de 18 a 24 anos de idade é de 19,4%, elevada em relação a geral do país.

O grupo de pessoas com ensino médio incompleto teve desocupação de 16,3%, enquanto entre os que têm nível superior incompleto, o percentual ficou em 10,7%, mais que o dobro do verificado para aqueles com nível superior completo, que foi 4,8%.

Educação financeira: com desemprego como as famílias devem se organizar?
O mercado de trabalho passa por um momento difícil. Para termos ideia, vamos aos números quanto ao aumento da parcela de lares onde ninguém trabalha....
Empregado doméstico demitido sem justa causa já pode pedir seguro-desemprego
A resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) que regulamenta a concessão do seguro-desemprego ao empregado domést...
Alta taxa de desocupação em imóveis: há motivos para pânico?
Recentemente, as notícias do mercado imobiliário retratam um cenário de preços estagnados, vendas em desaceleração e uma alta taxa de imóveis desocup...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions