A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

29/11/2016 12:49

Mudança de plano tirou piloto de Aquidauana do voo da Chapecoense

Paulo Nonato de Souza
O aquidauanense Lucas (no centro) no voo da Lamia que levou a Chapecoense para Barranquilla, em outubro (Foto: Arquivo da família)O aquidauanense Lucas (no centro) no voo da Lamia que levou a Chapecoense para Barranquilla, em outubro (Foto: Arquivo da família)

O piloto aquidauanense Lucas Medeiros Catafesta, de 22 anos, estaria no posto de piloto-assistente no avião da companhia aérea boliviana Lamia, que caiu na madrugada desta terça-feira com a delegação da Chapecoense, a 30 Km da cidade de Medellin, na Colômbia, se o voo fretado do time catarinense tivesse passado por Corumbá ou Puerto Suarez, como estava previsto. Por sua sorte, a escala do voo que saiu de Guarulhos, São Paulo, foi em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, de onde a equipe partiu na aeronave da Lamia com destino a Medellin, local do primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional.

Veja Mais
Tragédia na Colômbia interrompeu melhor ano da história da Chapecoense
Time da Chapecoense passou por Corumbá para jogar em Barranquilla

Não seria sua primeira vez no posto de copiloto-assistente da Lamia. No dia 17 de outubro, Lucas esteve no voo da companhia aérea boliviana que levou a delegação da Chapecoense desde Puerto Suarez até Barrinquilla para o jogo das quartas-de-final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Junior, realizado no dia 20 de outubro no Estádio Roberto Meléndez. Em plano C de logística, depois de ter vetado dois planos com voos fretados desde Belo Horizonte, onde jogou e empatou em 0 a 0 com o Cruzeiro pela 31 rodada do Campeonato Brasileiro, a Chapecoense foi a Corumbá, de onde seguiu de ônibus até Puerto Suarez para embarcar no voo da Lamia.

Esta era a logística que Lucas aguardava que fosse repetida para o jogo da final da Copa Sul-Americana, amanhã, em Medellin, segundo disse há pouco o pai do piloto em entrevista ao Campo Grande News. “Meu filho nasceu de novo. Ele só estava esperando o chamado”, disse emocionado o comerciante Ademir Catafesta. “Já rezamos bastante e vamos continuar rezando, porque só temos que agradecer a Deus”, ressaltou.

Ademir contou que o filho Lucas sempre quis ser piloto, desde os 6 anos de idade. Aos 15 anos entrou para o aeroclube de Aquidauana e nunca mais deixou de se preparar para realizar seu sonho. “Meu filho vinha voando como copiloto-assistente da Lamia na expectativa de ser contratado. É um trabalho normal de preparação que leva de 4 a 5 meses até o piloto conhecer a aeronave”, explicou.

Segundo Ademir Catafesta, o filho Lucas chegou até a Lamia indicado por um amigo de Corumbá, que o apresentou ao comandante da empresa boliviana, Miguel Quiroga, que era o piloto do voo que caiu com a delegação da Chapecoense.

“O comandante Quiroga fez um pouso tecnicamente perfeito. Cair onde o avião caiu, numa floresta fechada, e mesmo assim algumas pessoas se salvaram, se fosse em um lugar plano e limpo ele teria salvado todo mundo”, analisou Ademir.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions