A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

12/05/2014 12:20

Acrissul entrega os pontos e anuncia o fim, de vez, dos shows na Expogrande

Paula Maciulevicius e Bruno Chaves
Acompanhado da diretoria, Francisco Maia anuncia fim dos shows e da briga com a Justiça. (Foto: Cleber Gellio)Acompanhado da diretoria, Francisco Maia anuncia fim dos shows e da briga com a Justiça. (Foto: Cleber Gellio)

“Nós queremos dizer que decidimos que essa foi a última Expogrande com shows”. A frase foi anunciada na manhã desta segunda-feira, pelo presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, durante apresentação do balanço final da exposição deste ano. A declaração põe fim ao perrengue que a entidade enfrenta há pelo menos três anos, quanto à realização ou não, de shows no Parque de Exposições.

Veja Mais
Acrissul apela à Justiça para não fechar parque de exposição na segunda
Acrissul pode pagar R$ 700 mil em multas por ferir a "Lei do Silêncio"

Maia justificou que a questão gera muito desgaste. “Nós procuramos ao longo de dois anos segurar a tradição de ter os shows. Isso era um pedido, inclusive, do Lúdio Coelho, que pediu que a diretoria procurasse fazer com que a exposição fosse uma festa da cidade, de integração do homem urbano com o rural”, ressaltou.

Segundo o presidente da Associação, desde 2011, quando a briga que já acontecia com os vizinhos passou a ser com a Justiça, o órgão procurou manter os shows. “Mas fomos mal compreendidos e não vamos colocar em jogo a credibilidade desta casa. Vamos encerrar este problema e não vamos ficar discutindo com a Justiça”, frisou.

A decisão não pega ninguém de surpresa, já que o entrave entre organização e autoridades é antigo. Nos capítulos anteriores de exposição, shows já foram impedidos e restrições e horários para o fim das apresentações foram determinadas. “Eu e minha diretoria temos quatro ações na Justiça e o nosso crime é realizar uma feira agropecuária. Isso não tem sentido”, comentou.

Sem os shows, do ano que vem em diante, o evento volta a ser centralizado no produtor rural. Dentro dos próximos dias um novo conceito para valorizar o público alvo começará a ser discutido. 

Ainda na fala de Francisco Maia, o novo formato não deve interferir nos lucros. “A movimentação dos shows é muito pequena, não significa nada perto dos números da feira em si”.

Como as atrações são promovidas por uma empresa terceirizada, a Acrissul não repassou um número fechado de público, apenas estimou que 200 mil pessoas passaram pelos shows.

Os campeões de público este ano, conforme a Acrissul, foram Jorge e Mateus. No entanto, não houve qualquer repasse à entidade, informou Maia. Nas demais apresentações, a Associação leva uma porcentagem de lucro em cima do público.

Considerada a maior feira agropecuária do Centro-Oeste, a Expogrande 2014 trouxe este ano shows musicais de Eduardo Costa, Bruno e Marrone, Turma do Pagode, Jorge e Mateus e Turma da Mônica. Dias antes do início da edição deste ano, o MPE acionou a Justiça para suspender a feira e interditar o parque sustentando que deveriam ser feitas obras no local para isolar o som das apresentações musicais e realização de um estudo prévio de impacto ambiental e de vizinhança durante o evento.




Doce engano da população achar que foram eles que acabaram com os shows no parque de exposições... quem conseguiu foi uma grande empreiteira que tinha seus interesses. Enquanto isso Campo Grande é uma cidade de velhos que com tudo se incomodam e gordos, pois a única coisa que se faz aqui é sair para comer. Parabéns Campo Grande, capital que nunca deixará de ser uma cidadezinha de interior, devido ao seu povo que é super mal falado no resto do país. Cidadezinha que nunca será vista com respeito pelo país a fora.
 
Izabela Tavares Silva em 16/05/2014 09:45:23
E nós queremos dizer que nossos ouvidos, paz e sossego agradecem. Aleluia, até que enfim, essa turma demorou para entender que incomodavam a vizinhança por anos a fio. Com tanto dinheiro que arrecadam e influência que possuem, ao longo desses três anos já deveriam ter construído outro local e não teriam tantos problemas com a justiça e os pobres vizinhos. Espero que consigam um bom lugar, de preferência quase chegando à Cuiabá. Ou será que "som nos ouvidos dos outros é refresco"?
 
Hugo Alves em 12/05/2014 15:04:31
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.