A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

21/03/2012 12:50

Inundação para reservatório de usina vai atingir 25 propriedades

Aline dos Santos

O enchimento do reservatório da usina hidrelétrica São Domingos terá início em agosto

Usina deve entrar em operação no mês de setembro. (Foto: Reprodução)Usina deve entrar em operação no mês de setembro. (Foto: Reprodução)

O enchimento do reservatório da usina hidrelétrica São Domingos, localizada entre Ribas do Rio Pardo e Água Clara, terá início em agosto. Serão atingidas, integral ou parcialmente, 25 propriedades.

Em sete casos, a sede do imóvel rural teve que ser realocada. Conforme a Eletrosul, os donos das propriedades rurais foram indenizados.

Nesta semana, a empresa publicou que vai pagar R$ 3,6 milhões, com dispensa de licitação, pelo desmatamento da região a ser inundada. Ao todo, a área chega a 1.797,72 hectares.

A obra do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) teve início em 2009, com previsão de entrar em operação a partir de setembro deste ano. A usina vai investir mais de R$ 11 milhões em compensação ambiental.

Hoje e amanhã, a partir das 19h, a Semac (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia) realiza audiências públicas para apresentação do Pacuera (Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais).

As audiências acontecerão nos dois municípios diretamente impactados pela obra da usina. Em Ribas do Rio Pardo, a reunião será nesta quarta-feira, no Sindicato Rural.

Amanhã, a audiência será em Água Clara, na Câmara Municipal. A usina produzirá energia suficiente para beneficiar 550.695 habitantes e atender cerca de 172.632 residências.

Desperdício - O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou que a usina hidrelétrica faça repactuação de contrato para evitar desperdício de R$ 8,8 milhões.

Conforme a auditoria, foram encontradas irregularidades como superfaturamento decorrente de itens pagos em duplicidade, deficiências no projeto, formalização de termo aditivo objetivando reequilíbrio econômico-financeiro do contrato fora das hipóteses legais e acréscimos ou supressões em percentual superior ao legalmente permitido.




Lá se vão nossas florestas! E a biodiversidade?
 
Luis Azevedo em 21/03/2012 05:37:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions