A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

21/11/2011 15:32

Adolescentes, principalmente meninos, buscam no carro status de poder

Paula Vitorino

Psicólogo e Polícia Civil revelam que incidência de adolescentes no volante é maior na classe média e alta, que pegam o carro dos pais para “se mostrar”

Delegada Maria de Lourdes Cano. (Foto: Simão Nogueira).Delegada Maria de Lourdes Cano. (Foto: Simão Nogueira).

Ter um veículo e mostrar que consegue dirigir, ser independente, enquanto os outros colegas da mesma idade “pegam carona”. Segundo o psicólogo Renan Soares Junior essa relação estabelecida pelos adolescentes entre o veículo e o status de poder é o que leva a maioria a pegar o carro, como aconteceu no acidente deste sábado (19).

A combinação perigosa terminou na morte de um menino de 15 anos, que estava com outros 6 adolescentes e um carro conduzido por um deles, também de 15 anos. Quatro garotos continuam internados, sendo dois em estado grave.

De acordo com a delegada da DEAIJ (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), Maria de Lourdes Cano, só nos últimos três meses foram 97 flagrantes de menores na direção. Ela ainda revela que a maior incidência é entre a classe média e alta, que pegam o carro dos pais para “se mostrar”.

Outra característica da infração é a maioria ser do sexo masculino, já que o número de meninas adolescentes notificadas dirigindo é quase nulo. As garotas representam apenas 5% entre os adolescentes que foram pegos dirigindo e participam do programa sócioeducativo para adolescentes infratores no trânsito - Premi Jr., desenvolvido pelo Detran/MS (Departamento Estadual de Trânsito).

“Para o menino, o veículo tem ligação direta com o prestígio entre as mulheres e ele se acha o máximo porque dirige. É como se fosse uma arma, na relação de poder e respeito que o homem estabelece”, constata a delegada.

De acordo com o relatório do Premi Jr., cerca de 90% dos adolescentes afirmaram acreditar que vão ter mais respeito e poder se dirigirem um carro.

Preparados para o volante desde a infância - Mas o fascínio e a familiaridade com os veículos começam ainda na infância, dentro da família.

A delegada ressalta que se o adolescente pegou o carro é porque algum ensinou a dirigir ou emprestou o carro. “Os pais que tem chácaras e fazendas ensinam os filhos a dirigir nas estradas rurais, geralmente”, diz.

Ela também afirma que os pais tinham conhecimento de que os filhos utilizavam os carros na maioria das ocorrências.

O psicólogo Renan alerta que os pais ensinam os filhos a dirigir e depois não querem que eles peguem os carros. “Como que você ensina o adolescente com 14, 15 anos a dirigir e depois fala que ele só pode pegar o carro quando tiver carteira? É claro que na primeira oportunidade ele vai querer mostrar que sabe dirigir”, frisa.

Ele também chama a atenção para o fato da direção estar presente na cultura desde a infância. “Principalmente os meninos já tem o primeiro contato com a direção na infância. Ganham mini-motos, bugs e vão crescendo querendo veículos que os acompanhem”, diz.

Álcool - A combinação menor de idade e direção fica ainda mais perigosa quando combinada a ingestão de bebida alcoólica e alta velocidade. No caso do acidente deste sábado, existe a suspeita de que os adolescentes estavam acima da velocidade permitida e bebendo, já que foram encontradas ao menos 4 garrafas dentro do veículo.

“Não é incomum a combinação com o álcool, até por ser uma substância aceita pela sociedade e consumida em larga escala”, diz o psicólogo. Cerca de 50% dos adolescentes do Premi Jr. ingeriram bebida ao pegar o volante.

Ele também frisa que quando o adolescente bebe assume dois comportamentos de risco. “Juntam-se dois comportamentos arriscados, uma substância que vai traze efeitos colaterais e a direção de um veículo, que ele ainda não recebeu a preparação adequada”, diz.

A motivação para correr o risco é a auto-afirmação, mostrar que sabe fazer e consegue. “Ele busca emoções fortes, o que é muito presente na adolescência. Ele quer mostrar que sabe fazer direito e não vai lhe acontecer nada. O agravante é que esse comportamento acaba se estendendo na fase adulta”, frisa.

Punição - A delegada explica que a lei de trânsito não prevê punição criminal para o adolescente pego dirigindo, mas que devido ao aumento desse tipo de infração o menor é conduzido para assinar termo na delegacia.

O veículo é apreendido e o proprietário recebe multa. Se o adolescente tiver causado acidente, vai receber advertência ou a pena de prestação de serviço, como participar do programa Premi Jr. do Detran. Em casos de morte, o menor pode ser processado e ter a apreensão pedida pela Justiça.

O programa do Detran funciona desde 1996 atendendo uma média de 50 adolescentes por semestre, que recebem acompanhamento psicológico por 2 meses. Eles também vão para as ruas para observar a atitude de outros infratores no trânsito e as conseqüências.

A partir do próximo ano o projeto também deve contar com visitas aos setores de traumatologia dos hospitais e depoimentos de vítimas de acidentes.

“O objetivo é que o adolescente veja as reais conseqüências da sua infração”, explica o psicólogo.




Essa história de "status e poder" é uma bela desculpa de psicólogos, na verdade falta mais empenho e rigor dos pais, dar uma boa educação e impor limites e sem dúvida esclarecer melhor para os filhos o que pode e não pode, dar castigos e muito mais, deixar de alisar e passar mão na cabeça, afinal como ele aprendeu a dirigir com 15 anos??? Os pais não sabiam???? Olha no que deu.
 
José Elton da Silva em 25/11/2011 09:02:39
Esses adolescentes de hoje não sabem o que falam, afinal muitos depende de pai e mãe ainda, acredito que quando a gente detem o poder, status, é quando adquirimos algo com o nosso próprio esforço, como um adolescente pode se sentir poderoso em estar usando algo que não lhe pertence, e ainda mais dependendo financeiramente do papai e da mamãe?

 
Dj Mario Francis em 22/11/2011 09:20:39
Há muitos relatos de enganação ao público, o certo é que a libertinagem sem controle que foi feita na nova Lei de menores, favoreceu aos menores, aos pais sem responsabilidade e estragou a criação controlada dos pais. A maioria dessas pessoas que escrevem artigos sobre o caso, nem cuida de seus filhos, são educados por empregados. O menor tem que ter redução de liberdade em 50% na vida.
 
luiz alves pereira em 22/11/2011 08:33:06
infelismente os pais de classe social mais elevadas () sao muitos liberais faltam mais cobranca carinho porque quem tem dinheiho tambem morre e um pena a vida melhor.
 
wander bozolan em 21/11/2011 10:08:04
sou educadora,e o que tenho visto é que tanto na classe baixa,media,alta,os valores,a etica tem sido deixados de lado.preferimos abrir mão da verdade,do limites,do que educar.Educar é trabalhoso,formar um cidadão leva tempo.Mas a palavra de Deus diz que na obediencia esta a benção.se vc tem encontra dificuldade leia o livro;Pais obedientes,filhos alcançados.
 
fatima ardaia em 21/11/2011 08:25:23
Meu sobrinho, aos 12 anos falou que tinha pressa em completar os 14 anos. Perguntei-lhe o por quê. A resposta veio rápida e sem vacilos "Tia, 14 anos pode tudo!" Fiquei absurdamente estupefata ao ouvi-lo explicar. Como assim, pode tudo?Eu tenho 30 anos, praticamente é a minha geração que está educando esses jovens, será que fomos educados tão mal para criar pessoas tão alienadas do mundo?
 
Fernanda Dorileu em 21/11/2011 05:37:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions