A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

09/10/2018 13:29

Hai Kai - Inventando Moda

Por Heitor Freire (*)

Assistindo ao trabalho escolar do meu neto Eduardo Cabral, tive minha atenção despertada para o que ele estava apresentando: o hai kai, que é um tipo de poema curto de origem japonesa, bastante diferente, porque sua forma e disposição na página diferem do modelo literário tradicional.

Hai kai é um vocábulo composto por duas palavras da língua japonesa: hai, brincadeira, gracejo; e kai, harmonia, realização. O poema se constitui de dois elementos: concisão e objetividade.

O modelo tradicional japonês possui uma estrutura específica composta por três versos, formados por 17 sílabas poéticas na forma 5-7-5. Embora seja essa sua estrutura original, o hai kai foi se modificando com o tempo. Alguns escritores não seguem esse padrão. No Brasil, destacaram-se como representantes do hai kai, Millôr Fernandes, Paulo Leminski e Guilherme de Almeida, entre outros. O que se observa é que o padrão original, foi sendo abandonado e a criatividade de cada um criou um hai kai brasileiro, se assim podemos definir.

Na busca da minha identidade interior, já encontrei em mim, rastros de três etnias, judaica, árabe e japonesa. Daí ter sentido uma afinidade imediata com o hai kai. O que despertou em mim a vontade de também cometer os meus próprios hai kais.

Aí vai a minha primeira produção:

Começando a inventar moda
Aprendendo com hai kais
Pra variar o assunto.

O sabiá já está cantando
É sinal que está namorando
Cantemos o amor.

A primavera chegou
Com ela as flores e o amor
Amemos todos.

Hoje choveu muito
Foi aguaceiro pra todo lado,
Molhou tudo.

A felicidade é um tema
Que galvaniza os pensamentos
E sentimentos do ser humano.

Todos buscam uma definição
Para a felicidade no tempo
E no espaço.

Felicidade busca incessante,
É mutável, varia muito
Depende de cada um.

Felicidade como tudo
Depende da evolução e entendimento
De cada um.

Felicidade na minha caminhada,
Aspiração da minha existência,
Ao longo da minha estrada.

Beleza é fundamental,
Não é somente uma cara bonita,
Que se manifesta num sorriso.

Felicidade é acima de tudo,
A alegria de viver, sorrindo sempre
Um tom de voz e um abraço.

Na vida não há
Recompensa nem há punição,
Apenas consequências.
Hoje, eu fico por aqui.

Heitor Rodrigues Freire é corretor de imóveis e advogado.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions