A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/11/2015 10:02

Mercado leiteiro e as perspectivas de crescimento

Por André Lobo Faro (*)

Uma das atividades que merecem destaque no agronegócio brasileiro é a produção de leite. O Brasil já é considerado um dos maiores do mundo e, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a produção da bebida deverá crescer 27,6% até 2025. O levantamento projeta um crescimento anual entre 2,4% e 3,3%, o que resultará em um salto de 37,2 bilhões de litros em 2015 para 47,5 bilhões em dez anos.

A análise aponta ainda que as exportações devem crescer 47,2%, passando de 508 milhões de litros, volume esperado em 2015, para 748 milhões de litros em 2025.

Outra notícia positiva é que, para estimular o crescimento do mercado leiteiro no país, o Ministério da Agricultura lançou recentemente o Programa Leite Saudável. Essa é iniciativa vai investir R$ 387 milhões em 466 cidades dos estados de Goiás, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que representam 72,6% da produção nacional. A ação tem como objetivo beneficiar até 80 mil produtores, principalmente os de pequeno porte, para que eles tenham condições de ampliar a quantidade e melhorar a qualidade da bebida produzida.

Esses dados nos mostram que existe um grande potencial de desenvolvimento no segmento. E é isso que torna a atividade tão atrativa, tanto para os produtores rurais, como para as indústrias de equipamentos destinados ao agronegócio.

Atualmente, os fabricantes de equipamentos estão engajados em desenvolver soluções que tornarão o trabalho mais produtivo e seguro. O setor investe no aprimoramento de tecnologias e procura entender quais são as necessidades específicas de cada produtor rural. Essa é uma iniciativa que permite enxergar a melhor forma de utilizar as tecnologias dentro de uma propriedade rural.

Um exemplo são os tratores cortadores de grama, que já são conhecidos por realizar a manutenção de áreas verdes em hotéis, parques, canteiros e rodovias, e agora foram identificados como um aliado na manutenção de pastagens.

O equipamento consegue realizar o corte de forma uniforme, como se fosse utilizada uma tesoura. A técnica proporciona uma brotação mais rápida, o que garante um alimento de qualidade em um curto espaço de tempo. Outra vantagem da utilização dessa tecnologia é que ela conta com um compartimento capaz de armazenar o capim cortado. Dessa forma é possível misturá-lo a um composto proteinado para ser servido futuramente como ração.

Isso nos mostra que o mercado leiteiro também depende da tecnologia para continuar crescendo e se tornar cada vez mais produtivo. A expectativa é que nos próximos anos tenhamos soluções cada vez mais eficientes. Aliás, esses são os desafios da indústria: identificar os processos em que os equipamentos podem ser aplicados; e apresentar soluções de alta qualidade, capazes de minimizar o esforço físico, garantir a produtividade e ainda tornar o trabalho mais seguro.

(*) André Lobo Faro é diretor nacional de Vendas e Serviços da Husqvarna, líder global no fornecimento de equipamentos para o manejo de áreas verdes e que comemorou 325 anos em 2014.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions