A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

02/05/2015 08:58

Os alunos mudaram, e daí?

Por Ronaldo Mota (*)

Há um experimento que onde quer que tenha sido realizado o mesmo resultado tem sido recorrente. Ele é surpreendente e difícil de ser compreendido. As crianças, quando perguntadas sobre o número de horas por dia que ficam conectados à internet, uma parte delas deixa de responder simplesmente porque, para elas, a pergunta carece de sentido. Da mesma forma, se questionadas quando e quantas vezes elas "entram" na internet, de novo, sequer entendem o que está sendo perguntado. O fato é que existe hoje uma fração significativa dos mais jovens que está conectada o tempo todo e, portanto, eles não "entram" na internet pelo simples fato de que nunca "saem".

Google e outras empresas têm anunciado óculos, relógios, pulseiras e outros dispositivos como precursores de um novo tempo em que o mecanismo de acesso à informação acontecerá por algo grudado ao corpo e não mais descolado do mesmo, como é hoje a prática usual. Embora o sucesso de tal inciativa ainda seja limitado, é certo que a tendência é clara. Em poucos anos, talvez meses, estaremos fortemente tentados a gradativamente acoplar, de forma inédita, à nossa vestimenta do cotidiano o dispositivo que será a interfacepermanente de informação e de comunicação.

Teremos muito brevemente associado três tendências fortes que marcarão a cultura, os hábitos e os costumes das próximas gerações: 1.uma sociedade em que a informação estará amplamente disponível, instantaneamente acessível e podendo ser obtida gratuitamente; 2. uma geração que estaráconectada de forma quase contínua e permanente; e 3. tecnologiasque viabilizam desenvolver todas as tarefas cotidianas sem prejuízo de, simultaneamente, permitir que as pessoas estejam conectadas em tempo integral.

A pergunta a ser respondida, cujas consequências ainda não avaliamos plenamente, é como fica a educação nestes novos tempos? Provável que a resposta completa não esteja mesmo disponível e os detalhes dependam de particularidades e peculiaridades, associadas com variáveis complexas, incluindo o acaso, difíceis de prever. O que podemos é tentar traçar o perfil deste novo aluno. Com a vantagem que ele, de alguma forma, já existe, o que dispensa que elocubremos demais. Basta examinar as tendências já em curso.

À medida que lidamos com os mais jovens, especialmente crianças e bebês, conseguimos vislumbrar melhor o que virá a seguir. Assim, uma constatação é a impossibilidade da medida temporal de conexão, a ausência gradativa de significado para o clássico "entrar" ou "sair" da internet. Podemos elencar algumas outras características, tais como:o relativo desprezo pela memória, largamente compensada pela supremacia na lida com diferentes plataformas de acesso à informação; a disposição de absorver conteúdos, inclusive profundos e longos, desde que disponibilizados nas linguagens e nos módulos temporais apropriados; a compatibilidade de estabelecer com os mediadores educacionais uma relação bastante distinta daquela que conhecemos hoje entre professor e aluno; e a facilidade em trabalhar e desenvolver missões em equipe, independente da presencialidade física, entre outros.

Aprender a viver em uma sociedade em que a informação estará disponível e acessível em níveis sem precedentes exigirá de todos nós, sejamos docentes, gestores, formuladores de políticas ou alunos uma profunda reflexão sobre nossas práticas educacionais.

Com o foco no aluno, talvez fique mais simples imaginar como os demais atores e espaços educacionais se adaptarão ou não. O papel do educador e a missão da escola são elementos que trazem em comum duas certezas, ainda que aparentemente contraditórias: 1. escola e educador sobreviverão, 2. ambos serão tão profundamente modificados que suas novasfaces terão uma relação de memória distante com o que foram no passado, ou seja, continuarão a ser, ainda que sendo substancialmente diversos do que foram um dia. Mas, por enquanto, é certo que os alunos mudaram e foi antes da semana passada.

(*) Ronaldo Mota é reitor da Universidade Estácio de Sá e co-autor do livro "Educando para inovação e aprendizagem independente",da editora Elsevier

Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions