A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

20/03/2012 14:19

Os políticos, os partidos e a justiça

Por Vladimir Polízio Júnior (*)

Candidatos que tiveram suas contas rejeitadas podem disputar as eleições de outubro? Esse questionamento foi respondido pelos ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 1º de março, e por apertada maioria venceu o bom senso: político com conta rejeitada não pode disputar cargo eletivo.

Ninguém duvida que essa questão irá em breve para o STF (Supremo Tribunal Federal), porque envolve muita gente (foram rejeitadas 21 mil contas) e diversos partidos (pelo menos 18, dentre os quais o DEM e o PSDB, endossam requerimento do PT para que o TSE modifique seu entendimento).

A conclusão é que de um lado estão os políticos e seus partidos, e do outro nós e a Justiça. E ainda que no judiciário haja alguns “bandidos de toga” e vez ou outra se cometam excessos que lhe confiram um toque de humanidade, há outro Poder mais confiável? A Lei da Ficha Limpa foi de iniciativa popular, embora existam 594 congressistas mantidos com dinheiro público, sem contar o infindável número de asseclas e apaniguados igualmente custeados pelo erário, mas foi o STF que lhe conferiu a eficácia moralizadora tão necessária. Agora, partidos e políticos questionam se contas rejeitadas poderiam impedir a candidatura, sendo mais uma vez necessária intervenção do judiciário.

Nossos partidos são meros amontoados de letras, cada qual representando grupos que almejam apenas e tão somente seus próprios interesses. Estamos todos lançados à própria sorte, pois o futuro não depende mais do voto, mas sim dos magistrados.

Exemplos não faltam: Gilberto Kassab, prefeito paulistano, criou uma legenda que não é de centro, nem de esquerda ou de direita. Na discussão sobre os royalties do petróleo, os governadores Renato Casagrande, do Espírito Santo, e Sérgio Cabral, do Rio, simularam a defesa dos interesses locais por instinto de sobrevivência política, entretanto jamais pretenderam realmente comprar briga com o Governo Federal; como não têm oposição em seus estados, criaram um circo e bradaram palavras de ordem apenas para garantir votos em pleitos futuros. Há muitos intérpretes na política.

Esse espetáculo deplorável, contudo, não é privilégio de governadores ou de prefeitos. Há deputados, senadores e vereadores que se apequenam diante da grandeza do poder que deveriam representar. Houve um tempo em que a função do partido político era representar interesses de parcela da sociedade. Bons tempos aqueles.

(*)Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público (vladimirpolizio@gmail.com)

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



Grande Irmão Vladimir! Sempre antenado às grandes questões nacionais, e com opinião bem formada (e de respeito) sobre elas. Parabéns!
 
Neto Barros em 20/03/2012 04:43:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions