A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

25/08/2018 07:10

Os quatro temas que ainda assolam o agronegócio brasileiro

Por José Luiz Tejon Megido (*)

Os temas que assolam o agronegócio deixam suas lideranças ocupadas, vociferantes e repetitivas. São os mesmos temas que se repetem por anos, tomando em um momento ou outro uma dimensão mais dramática e mais mediática. Aqui vão os quatro eternos e incomodantes temas do agronegócio que sempre se repetem:

Venenos, agrotóxicos, defensivos ou que nome você queira dar – a questão da ciência e tecnologia;

O tema das terras no Brasil, os problemas com invasões, assentamentos, índios, cartórios e registros de terras – a ilegalidade reinante;

O meio ambiente, esse mesmo, com o Brasil tendo 66% de seu território preservado; todo dia tem alguém querendo criar uma reserva nova ou atacar o assunto: as queimadas e o desmatamento ilegal;

Logística, dos custos no Brasil, da burocracia, da infraestrutura, dos portos e bagunça tributária.
Esses grandes assuntos vemos presentes e permanentes sob distintas formas de abordagem ao longo das últimas décadas. Então, está na hora de criarmos um conselho de autorregulamentação do agro nacional e comitê de ética, o CONAAE.

A partir desse conselho, não deverá se esperar mais por governo nem por elementos alienígenas. O próprio setor deve propor suas autorregulamentações, criar seu comitê de ética e ali oferecer para a sociedade as linhas perante a tecnologia, o que é preciso ser feito sobre os recursos genéticos do país, os químicos, os agrotóxicos e o uso.

Nesse conselho se definirá as boas práticas ambientais, e cabe em seu comitê de ética avaliar, julgar e punir agentes do agro que não estejam em consonância com a própria autorregulamentação.

Que os legisladores sigam esse conselho ao invés do setor ficar refém do governo e da própria legislação, onde o lobby e as bancadas acabam virando torcidas organizadas de apaixonados versus detratores.

O setor publicitário na década de 80 criou o CONAR, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, e para isso integrou representantes da mídia, dos anunciantes e das agências de propaganda.

O objetivo era esse mesmo, antecipar, antever e proteger o segmento de investidas externas desprovidas de conhecimentos sobre a comunicação e a livre iniciativa.

O agronegócio precisa – antes de ser julgado, antes de ser atacado e antes das suas próprias lideranças vociferarem a cada dia, a cada semana –, de um conselho integrando os segmentos que o compõe, convocando órgãos de apoio como o capitalismo consciente, por exemplo, doutores em ética e governança.

Se não nos autoliderarmos, alguém fará, e pode não ser nada sensato e inteligente o que disso advirá.

(*) José Luiz Tejon Megido é Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM.

 

Médicos-veterinários e zootecnistas comprometidos com transparência e inovação
Vivemos tempos decisivos. Momento de escolher quem irá nos representar pelos próximos anos. No mês em que o processo democrático fervilha no país, mé...
Qualidade para antever o futuro da indústria
A qualidade na indústria acompanha as constantes mudanças disruptivas, orquestradas pelos avanços das tecnologias e inovações que movem o mercado. Ca...
Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions