ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

TCU dá aval para CCR MSVia repactuar contrato da BR-163 com adequações

Presidente do órgão, Bruno Dantas, autorizou rearranjo nos tempos do contrato entre ANTT e concessionária

Por Gabriela Couto | 23/10/2023 15:55
Veículo da CCR MS Via estacionado próximo a um trecho da BR-163, em Campo Grande (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)
Veículo da CCR MS Via estacionado próximo a um trecho da BR-163, em Campo Grande (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)

O presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Bruno Dantas, autorizou a repactuação do contrato da BR-163, em Mato Grosso do Sul. Este é mais um passo para resolver o impasse criado pela concessionária após devolver de forma amigável o contrato em 2019.

Responsável pelos 845 km de estrada que corta o Estado de norte a sul, a concessionária se interessou em aderir ao novo processo licitatório criado pela Corte para sanar o problema logístico do Brasil.

Dantas acatou a recomendação da SecexConsenso (Secretaria de Controle Externo de Solução Consensual e Prevenção de Conflitos) para autorizar o rearranjo nos termos do contrato entre a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a CCR MSVia.

"A paralisação de investimentos, prevista no processo de devolução amigável, tem gerado descontentamento dos usuários em razão da ausência de obras relevantes, do aumento da tarifa e da demora na conclusão dos estudos de viabilidade para nova licitação, estimada para ocorrer no final 2024. Assim, na melhor das hipóteses, as obras seriam iniciadas em 2027 e concluídas em 2032, uma vez que estão previstas a partir do terceiro ano", escreveu Dantas em seu despacho.

A reportagem procurou a concessionária para comentar a decisão do TCU, mas até a publicação desta matéria não teve retorno.

A medida abre espaço para que as demais rodovias problemáticas da terceira fase de concessões do governo federal peçam readequação dos contratos, a chamada solução consensual. Ao todo, são 15 contratos de rodovias federais que poderão ser remodelados.

Fluxo intenso de veículos nas duas faixas sem duplicação da BR-163 em alça viária da Capital (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)
Fluxo intenso de veículos nas duas faixas sem duplicação da BR-163 em alça viária da Capital (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)

Negociação – A previsão é que a concessão seja estendida por mais 15 anos. Com isso, a empresa será responsável pela rodovia até 2049, mas terá que seguir uma série de exigências feitas pelo governador Eduardo Riedel (PSDB), inclusive o congelamento do preço do pedágio cobrado a partir de 2024.

Entre os demais pontos do novo acordo com a CCR MSVia estão quase 190 km de duplicação da rodovia, mais de 170 km de inclusão da terceira faixa e passarelas.

Além disso, estima-se a construção de dispositivos de acesso à pista lateral em oito municípios que são cortados pela rodovia federal, bem como a construção 12 km de pistas laterais nestas cidades.

Ao todo, serão investidos R$ 12 bilhões nos próximos anos, sendo R$ 3 bilhões nos primeiros três anos. O governador destacou, ainda, a manutenção do preço do pedágio cobrado a partir de 2024.

Entenda - A BR-163 corta o Estado de Mundo Novo a Sonora e suporta transporte de produtos agrícolas, com uma média de 70 mil veículos circulando diariamente.

A rodovia foi privatizada há 9 anos. Em 2014, a concessionária assumiu o compromisso de duplicar 806 quilômetros da estrada em MS, mas a meta não foi cumprida até então. A CCR fez 18% do combinado e alegou dificuldade econômica para continuar com o contrato.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias