A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

15/08/2014 07:20

Assustados com morte brutal, vizinhos testemunharam discussões constantes

Aliny Mary Dias
Sapatos no local demonstram que houve correria (Foto: Marcos Ermínio)Sapatos no local demonstram que houve correria (Foto: Marcos Ermínio)
Rua onde vivia a família presa por matar Amarildo (Foto: Marcos Ermínio)Rua onde vivia a família presa por matar Amarildo (Foto: Marcos Ermínio)

Entre os vizinhos que acompanharam na noite de ontem (14) a confusão que terminou na morte de Amarido Flavio Tomazin, 47 anos, no Jardim Colibri, o silêncio e o medo predominam. No entanto, muitos afirmam que confusões e brigas eram constantes na casa.

Uma das vizinhas, que pediu para não ser identificada, conta que o corpo de Amarildo ficou caído em frente da casa dela. Ela explica que jantava quando ouviu quatro tiros e depois mais dois. “Eu me tranquei em casa com as pessoas que estavam aqui e esperei porque não sabia o que tinha acontecido”, conta.

Depois de sair de casa, a mulher viu o corpo de Amarildo e lembra que sempre havia confusão na casa. “Eles sempre bebiam aqui”, conta ela ressaltando que a imagem do homem morto vai ficar marcada na memória. “Eu nunca vi uma coisa tão horrível como essa de ontem”, completa.

Marcas de sangue e sapatos, que indicam a correria ocorrida no local, ainda estão em frente da casa. Fitas usadas pela Polícia Militar para isolar o local permanecem em frente da casa.

Crime - Conforme a Polícia Civil, Amarildo e Elys Camargo Nogueira, 26 se separaram há 1 ano e desde então ele ameaçava a jovem de morte. Ela chegou a procurar a polícia e pediu medidas protetivas, mas não deu andamento ao processo.

Por volta das 20 horas de ontem (14), Amarildo foi até a casa de Elys onde estavam o irmão dela Wesley Camargo Fidencio, 27 anos, a mãe Guiomar Camargo Fidencio e a irmã de Amarildo, Marilus de Fátima Tomazin Santos, 43 anos.

Uma discussão teve início entre Elys e Amarildo e o ex-marido tentou levar a jovem a força para dentro de um táxi que estava estacionado em frente da casa. A jovem se recusava a acompanhar o homem e diante das agressões, o irmão Wesley sacou uma arma e atirou contra Amarildo. Depois do crime, o irmão de Elys fugiu do local em uma moto.

Enquanto Amarildo ainda estava caído no chão da casa, Elys com ajuda da mãe e da irmã da própria vítima usaram uma barra de ferro conhecida como “pé de cabra” para dar golpes na cabeça do homem, que segundo relato das mulheres ainda estava vivo.

Identificado homem morte a tiros no bairro Colibri
Amarildo Flavio Tomazi, 47 anos, foi assassinado com três tiros no tórax e teve o crânio destruído com uma barra de ferro. O crime ocorreu, na noite ...
Homem é assassinado com tiros na cabeça e peito no bairro Colibri
Um homem ainda não identificado foi assassinado na noite desta quinta-feira (14) com tiros na cabeça e peito. O crime ocorreu na Rua João Triveletto,...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions