A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

28/05/2011 18:07

Famílias que perderam parentes assassinados se reúnem em protesto

Francisco Júnior

Caminhada contra a impunidade foi realizada na comunidade São Benedito

Uma manifestação realizada neste sábado na Comunidade São Benedito, em Campo Grande, reuniu familiares que tiveram parentes assassinados em Campo Grande.

O ato contou com a participação de mais de 100 pessoas. De acordo com Eliane Aparecida da Silva, organizadora da manifestação e mãe de Bruna Caroline Pereira da Silva, de 15 anos, assassinada a tiros no dia 27 de janeiro deste ano, a ação teve como objetivo a luta pela justiça.

Segundo ela, a impunidade não pode prevalecer no país. “A assassina da milha filha já foi solta. Nós não queremos mais impunidade. Nós queremos justiça”, disse. Bruna foi morta a tiros por Daniela Araújo Neri, de 18 anos.

O advogado João Márcio Escobar, pai de Jefferson Bruno Escobar, mais conhecido com Brunão, morto no dia 19 de março por Cristhiano Luna de Almeida, 23 anos, em um bar, esteve presente no manifesto.

Ele acredita que a justiça falhou no caso do filho e que protestar é uma das maneiras encontradas por ele e familiares para que o assassino não fique impune. “A justiça não foi tão eficiente no caso do meu filho. Eu tenho uma frustração, mas ainda acredito na justiça”, afirmou.

Cristhiano Luna está cumprindo prisão domiciliar. " Ele tem que cumprir uma série de privações, mas essa não é punição para ele. Isso é pouco", relatou o advogado.

A mãe de Paulo Henrique Rodrigues, o "Paulinho", de 17 anos, morto no dia 17 de fevereiro do ano passado, no bairro Tarumã, também participou da ação.

Paulinho foi morto enquanto trabalhava numa bicicletaria localizada no cruzamento das ruas Acaia e Itaoca. Ele levou um tiro no coração, disparado por uma arma usada por Marcelo de Souza Ribeiro, o "Cicatriz”.

Momentos antes do assassinato, Marcelo assaltava a Mercearia Vital, pertencente ao avô da vítima, e que fica em frente à bicicletaria. Ao fugir do local após o assalto, Cicatriz desferiu o tiro que matou o adolescente.

A caminhada contra a impunidade percorreu vários ruas da Comunidade. O grupo pretende fazer outras manifestações na Capital.

Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


Acho q população esta mais que correta em fazer estes protestos pois ta feia a lei neste BRASIL , o bandidos continuam sendo protejidos, qdo chegam ir preso ficam 02 meses sao soltos como caso deste rapaz q matou Bruno, o cara ja vinha aprontando e agora matou um e ta ai em ksa , quer dizer tira vida de um trabalhador e fica por ai tocando vida dele, claro q vai continua aprontando pois nao é punido, cade justica ??
 
rosilene Leonel em 28/05/2011 10:46:30
Chega de impunidade! são tantas mortes como de Bruna e Brunão e os autores continuam na sociedade como se nada tivesse acontecido. No caso da Bruna que foi assassinada em frente de sua casa em quanto tomava tereré com uma amiga, sem ao menos poder se levantar da cadeira que se encontrava sentada. A autora do crime teve a liberdade depois de um pedido de legitima defesa que foi atendido.
Se uma pessoa é morta a tiros em frente de sua casa sentada sem ao menos poder levantar será que é legitima defesa?
O que a autora dos disparos estava fazendo com um revólver? É legitima defesa?
Chega de impunidade, até quando a justiça vai ser cega?

 
gislaine pereira em 28/05/2011 08:36:18
To com voces, enquantos nao percebermos que o poder ermana do povo e que nossas autoridades estao ai para representar nossos anseios, segundo os principios constituicionais, iremos viver esta falsa democracia, tem de ir pra rua mesmo, meter a lenha e fazer se cumprir a cidadania que patina neste modelo desaparelhado de Estado.
Temos dinheiro para segurança, para prisoes educativas, temos muito, mas muito dinheiro para ser investido em educacao, asfalto, moradia, lazer e inumeros direitos que padecem por conta desta pouca vergonha deste Estado coercitivo de direito, mas estamos permitindo que estas verbas sejam destinadas a uma pequena minoria detentora do poder que nos cala através da politica e da policia, ja chegou a hora de darmos um basta nisto, enquanto a roubalheira e falsa democracia imperar, vamos chorar mais mortes dos nossos queridos, mais impunidade, mais autoritarismo, mais sangue derramado no transito, nas esquinas e quem chora somos nós e quem ri é a minoria e goza as nossas expensas, em cima da nossa dor, chega, vamos nos olhar no espelho e criar vergonha na cara, indo para as ruas e se precisar, gerar uma guerra civil, ou nós somos brasileiros ou somos um saco de batata???
quem tem coragem, um é fácil de calar ou exterminar, mas a maioria é impossível, pensem nisto saco, pelo amor de Deus (...)
 
Gustavo Cesar em 28/05/2011 08:28:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions