A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

16/11/2013 08:30

Mesmo com proibição ambulantes ainda vendem nos terminais da Capital

Filipe Prado
Produtos importados não podem ser vendidos nos terminais (Foto: Filipe Prado)Produtos importados não podem ser vendidos nos terminais (Foto: Filipe Prado)

Mesmo com proibição, ambulantes continuam a vender em terminais de ônibus em Campo Grande. O comércio foi liberado somente aos 109 vendedores de produtos alimentícios que pertencem à associação, porém ainda há venda de outros segmentos nos locais.

Os produtos importados ainda são proibidos para a comercialização nos sete terminais da cidade, mas os ambulantes ainda continuam a vender e esperam a liberação. “Ainda não foi liberada a venda, mas estamos tentando a legalização”, comenta Milton Carvalho de Almeida, 58 anos.

Ele já trabalha no terminal Júlio de Castilho há quatro anos, e diz que sofreu muito com a fiscalização da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito). “Eles vinham sem avisar e levavam tudo o que tínhamos. Perdi muita coisa, acho que dava pra comprar um carro com o dinheiro que perdi”, comenta Milton.

Catarina Galeano Rocha, 43, vende salgados no terminal há um ano, e também relata que as fiscalizações geraram muitos prejuízos. “Eles pegavam tudo o que viam pela frente, não só o produto, mas até as vasilhas, então tínhamos que comprar tudo de novo”.

No terminal Nova Bahia, Tereza Luiza de Carvalho, 41, ainda tem medo da fiscalização, mesmo com a promessa da agência. “Dizem que eles vão voltar, tirar os novatos e deixar só os mais velhos”, explica.

Porém agora a Agentran prometeu que não irá mais “tomar” os produtos dos ambulantes e irá esperar a legalização. “Parece que já está acontecendo à legalização, mandaram fazer camiseta e tudo mais. Espero que dê certo”, relata o vendedor Ageu Gonçalves, 29.

Para quem é da Associação de Terminais de Transbordo estão sendo confeccionadas camisetas e bonés, para a identificação dos ambulantes. “Nós conseguimos arrecadação dos ambulantes e um patrocínio para fazermos camisetas e bonés, para que os que são legalizados, sejam identificados”, comenta a presidente da associação Custódia Gomes, conhecida como Sol.

Sol explica que somente quem vende produtos alimentícios e é da associação pode ficar no transbordo. “Eles liberaram somente para os alimentos, quem vende produto importado não pode ficar aqui, mas ficam, pois não tem aonde trabalhar. Por isso estamos correndo atrás dos diretos deles”, relata.

Ela comenta que muitos vendedores não querem entrar para à associação, pois não acreditam na promessa de legalização. "Tem gente que não quer entrar, que não acreditam que será regularizada a situação deles. Não podemos fazer nada, temos que deixar", explica a presidente.

São 109 ambulantes registrados na associação (Foto: Marcos Ermínio)São 109 ambulantes registrados na associação (Foto: Marcos Ermínio)
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...
Homem tem corpo queimado em acidente doméstico e morre na Santa Casa
Após dois dias internado, José Loureiro da Cruz, 49 anos, morreu por volta das 6h30 desta sexta-feira (15) na Santa Casa em decorrência de acidente d...


Cara srª Anna Martins, não critico quem quer trabalhar honestamente e com toda certeza não desrespeito e nem atrapalho ninguém, mas acho que todos tem os mesmos direitos e obrigações. Uma vez já tiraram esses ambulantes das calçadas porque estavam de fato atrapalhando, colocaram eles naquele espaço apertado e quente que é o camelódromo, tendo que adquirir seu espaço, ou pagar aluguel e taxas, acha justo que agora, aos poucos, outros vão invadir o espaço das ruas e terminais a seu bel prazer? Eu trabalho, como todo mundo tem que fazer, afinal muito pouca gente nasce rica, pagos minhas taxas e contribuições e todos devem fazer isso. Se existem espaços vazios e livres, acho sim que devam ser disponibilizados, mas de forma organizada e justa, pagando taxas e sem atrapalhar a vida de ninguém.
 
Ivone Arguelho em 17/11/2013 08:52:12
É um absurdo ficarmos reféns de lanchonetes que vendem produtos de péssima qualidade e de valores abusivos só porque não tem concorrência, abaixo o monopólio!!
 
Helena Cristaldo em 16/11/2013 16:32:23
Produtos importados?? O correto não seria, PRODUTOS CONTRABANDEADOS??
Contrabandeados sim!! Não foram com certeza recolhido os devidos impostos para legalização dos mesmos. Isso é crime e a punição é cadeia.
Os vendedores de salgados devem ser proibidos. Não sabemos a procedência e como é feito os salgados. E os defensores diriam, coitadinhos só estão querendo viver honestamente. E nós usuários do terminal não queremos sofrer uma infecção com bactérias que sabe Deus de onde veio. Se a saúde publica fizer um exame laboratorial, nos alimentos vendidos nos terminais, não passa um no teste. Todos com certeza estarão com contaminação bactereológicas. Temos que ter primeiramente dó de nós. Os vendedores só visam os bolsos deles.
 
Alfredo Carvalho em 16/11/2013 15:21:32
E quanto à origem, manipulação ????? ALIMENTOS É COISA SÉRIA .
 
Renato Valença em 16/11/2013 14:45:03
Na verdade já foi até divulgado pela imprensa que empresas estão trazendo pessoas de fora para atuarem como ambulantes na capital, então NÃO são todos pobres coitadinhos como foi citado abaixo, e sim empresários lucrando e muito com isso, agora tem horários que fica impossível andar nos terminais já vi uma senhora de idade cair ao trompar com um desses cidadãos que ficam na porta dos coletivos tentando pegar cliente a laço, alguns espaços estão realmente vazios e poderiam ser ocupados por alguns mas por aqueles que realmente precisam, a prova disso é o pessoal que vende bombom a empresa estava contratando recentemente para atuar nos terminais. E outra o numero absurdo de "entidades" pedindo nos ônibus, na linha 080, 082, está complicado.
 
Anna Gonçalves em 16/11/2013 14:16:13
Na minha visão, deveria SIM proibir os ambulantes em locais publicos (praças, terminais de onibus), pois além de atrapalharem de alguma maneira (espaço, produtos piratas e outros), eles não pagam impostos, não trabalham com CTB e varios outro fatores. Agora se for pelo lado humano tudo bem, mas todos tem que ter em mente que, se não houver controle desse ambulantes, logo Campo Grande estará tomada por "trabalhadores" assim.
 
José Luis da Silva em 16/11/2013 12:34:01
Pelo que percebo a atual administração está tendo mais sensibilidade com a situação dos ambulantes, correto e justo, porque são pessoas humildes que preferem trabalhar, enquanto outros preferem outro caminho para sobreviver (os meios ilícitos), além do caso dos ambulantes dos terminais, há o caso dos ambulantes da praça Ari Coelho, que foram expulsos de lá depois que a praça foi "revitalizada". Parabéns ao atual prefeito e claro aos trabalhadores organizados em associação que lutam por seus direitos, é assim que se faz uma sociedade mais justa.
 
Shirley Andrea Alves em 16/11/2013 11:59:43
Tanta outras coisa pra se preocuparem... com a segurança em geral. Deixe os ambulantes trabalharem, não é um pequeno espaço ocupado por alguém que quer apenas trabalhar que vai atrapalhar a passagem na calçada. Ao passar por um ambulante comprimente-o, de um bom dia e se possível compre algo. Mas não venha criticar pessoas que estão TRABALHANDO... terminais como Aero Rancho e Nova Bahia que tem espaços fechados podiam ser cedidos ( cobrado que seja) Mas poxa gente tem espeço a todos aqueles que querem apenas trabalhar ( vender seu brinquedo, antena capinha de celular... o q quiser) Quem não pode ajudar NÃO ATRApalha. BOm dia a todos que tiveram o privilégio de acordar hoje e ir para o trabalho.
 
Anna Martins em 16/11/2013 10:38:13
O problema não são os ambulantes nos terminais já que existe espaço suficiente e as lanchonetes acabaram relaxando com a qualidade dos produtos vendidos por eles. O problema maior, e isso até agora não ouvi ninguém falando nada, são os ambulantes que, de pouco em pouco, estão voltando para as calçadas do centro da cidade. Nossas calçadas já são horríveis, algumas não oferecem nenhuma condição de tráfego, agora está praticamente impossível passar por elas, porque existem banquinhas em todo lugar: é gente vendendo celular e capinhas; meias, toucas e luvas; relógios; controle remotos e antenas; artefatos de couro como carteiras, cintos, e tudo quanto é tipo de badulaques e bugigangueiras. Não foi pra isso que criaram o camelódromo?
 
Ivone Arguelho em 16/11/2013 10:02:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions