ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, QUINTA  04    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Paciente de câncer garante na Justiça medicamento que custa R$ 21 mil

Justiça Federal já havia condenado União, Estado e Município, de forma solidária, a arcar com a despesa, mantida agora pelo TRF

Por Silvia Frias | 12/11/2020 10:13
Medicamento utilizado no tratamento de Linfoma de Hodgking (Foto/Reprodução)
Medicamento utilizado no tratamento de Linfoma de Hodgking (Foto/Reprodução)

O TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região manteve decisão que beneficia mulher residente em Campo Grande, portadora do Linfoma de Hodgking, e reinvindicou na justiça o fornecimento de medicamento.

A paciente alegou falta de recursos financeiros para compra do medicamento Adcetris (Brentuximabe Vedotina), que custa R$ 21 mil no mercado.

Em 1º grau, a Justiça Federal já havia condenado União, Estado e Município, de forma solidária, a arcar com a despesa.

As rés recorreram ao TRF3 pela reforma da sentença. Ao analisar o caso, o relator afirmou que as alegações genéricas trazidas pela União, pelo Estado e pelo Munícipio não deveriam ser consideradas.

A decisão é do desembargador Nery Júnior, da 3ª Turma do TRF foi dada no dia 29 de outubro e divulgada nesta quinta-feira (12), em ação da paciente contra União, estado de Mato Grosso do Sul e município de Campo Grande.

Para o colegiado, a paciente comprovou a necessidade do tratamento e a hipossuficiência para arcar com o custo do medicamento. “A autora provou ser portadora da doença, em estado de agravamento da saúde e, consequentemente em risco de óbito, bem como a necessidade da medicação, que não tem substituto, conforme laudo médico pericial”, ressaltou o desembargador federal relator Nery Júnior.

O Linfoma de Hodgkin é uma forma de câncer que se origina nos gânglios do sistema linfático. Com a progressão da doença, fica limitada a capacidade do organismo de combater a infecção. Em casos raros, há a necessidade de transplante de células-tronco.

Para o magistrado, a recusa no fornecimento do medicamento implica em desrespeito às normas que garantem ao cidadão o direito à saúde e, acima de tudo, o direito à vida.“É assegurado a todos o acesso igualitário e universal aos serviços de saúde, bem como a integralidade da assistência, dispondo a lei que a saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado (União, Estados-Membros, Distrito Federal e Municípios) prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício”, destacou.

No seu voto, o desembargador federal entendeu que o fornecimento gratuito de remédios deve atingir toda a medicação necessária ao tratamento dos necessitados. Isso inclui, além dos medicamentos padronizados pelo Ministério da Saúde, todos aqueles que por ventura sejam necessários às particularidades de cada paciente.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário