ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  06    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Saúde em Campo Grande estuda adotar homeopatia no tratamento contra covid-19

Projeto foi apresentado e depende de aval do Ministério da Saúde; farmácias homeopáticas já oferecem medicamento contra a doença

Por Silvia Frias | 27/07/2020 12:18
Remédio homeopático que foi prescrito para auxiliar no tratamento da covid (Foto/Divulgação)
Remédio homeopático que foi prescrito para auxiliar no tratamento da covid (Foto/Divulgação)

O uso de medicamentos homeopáticos no tratamento do novo coronavírus (covid-19) pode ser adotado na rede pública de Campo Grande, projeto que ainda está sob análise, pois depende de autorização do Ministério da Saúde.

Na rede de farmácias privadas, já há remédio usado para esta finalidade, baseado no Arsenicum album, prescrito por meio de formulário. Em MS, cerca de 4 mil pessoas já usaram o medicamento homeopático.

Na semana passada, o presidente da AMHMS (Associação Médica Homeopática de Mato Grosso do Sul), Luiz Darcy e a coordenadora do projeto, Nazira Scaffi, tiveram reunião com secretário Municipal de Saúde, José Mauro Filho e discutiram possível distribuição, na rede pública, de medicamentos que poderiam agir para amenizar sintomas ou evitar agravamento em caso de pacientes que desenvolvam a doença.

Em nota, a prefeitura informou que o projeto está sob análise, pois o tratamento apresentado precisa ser aprovado pelo Ministério da Saúde para compra dos medicamentos propostos.

Desde o dia 12 de maio, a AMHMS adotou ação preventiva contra a covid-19 no Estado, com prescrição de medicamentos, mediante preenchimento de formulário online.

Questão do formulário da associação (Foto/Reprodução)
Questão do formulário da associação (Foto/Reprodução)

Nazira Scaffi explica que a homeopatia vem sendo usada em epidemias há mais de 200 anos, tendo como resultados a proteção e redução dos sintomas. O medicamento preventivo é definido com base no conjunto de sintomas do novo coronavírus que a população vem desenvolvendo, o chamado gene epidêmico.

O medicamento pode ser prescrito tanto para quem está infectado, sintomático ou assintomático, quanto para contactantes, sem diagnóstico positivo para a doença. Neste caso, segundo Luiz Darcy, o remédio pode contribuir para evitar agravamento de sintomas, caso desenvolva a doença.

A associação alerta que o remédio prescrito não deixa a pessoa imune ao novo coronavírus e que as pessoas precisam manter as outras medidas sanitárias, como distanciamento social e uso de máscara. “Estamos somando todas as formas que a medicina tem para ajudar, estamos juntando forças”, diz a médica.

O formulário é preenchido online, em que a pessoa precisa responder se tem alguma doença crônica, se fez exames e se apresenta sintomas. Após o preenchimento dos dados, pode entrar em contato com a farmácia credenciada para retirada do remédio, que foi tabelado em R$ 12. Ele pode ser usado por qualquer pessoa, segundo a médica, mesmo os que não são pacientes regulares da homeopatia.

Nazira Scaffi explica que a composição do medicamento, a dosagem de como será usado somente é repassado ao paciente no momento da retirada na farmácia homeopática. A reportagem apurou que um dos medicamentos que já foi prescrito é o Arsenicum Album, regularmente prescrito para sintomas de gripe.

A informação da associação é que a cada mês pode mudar conforme a evolução dos sintomas nos pacientes. Por isso a posologia é mensal.

A associação também forneceu acompanhamento online, por meio de site em que a pessoa relata a evolução do quadro clínico. Nazira diz que o remédio não tem contra indicações. “Pode ter alguns sintomas adversos, mas são muito passageiros e não prejudicam a saúde, são leves e transitórios”, disse a médica. Ela alerta que, em caso de agravamento do caso, é necessário que a pessoa procure unidade de saúde.