ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  01    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Shoppings e Camelódromo podem continuar com atividades suspensas na Capital

Comércio "formiga", de bairro, está garantido, mas prefeitura estuda retorno de outras atividades

Por Silvia Frias e Clayton Neves | 01/04/2020 13:21
Prefeito deve divulgar até amanhã regramento do comércio e se shoppings retomam atividades (Foto/Arquivo)
Prefeito deve divulgar até amanhã regramento do comércio e se shoppings retomam atividades (Foto/Arquivo)

A reabertura do comércio de Campo Grande, prevista para a próxima terça-feira (7,) será gradual, feita com base em estudo, caso a caso, explicou o prefeito Marquinhos Trad (PSD). Como a infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) segue em curva ascendente, ele diz que ainda estuda se irá manter a suspensão dos shoppings e no Camelódromo.

“Estamos conseguindo manter o controle, mas as pessoas estão achando que isso já passou, que é só um fase, mas não é”, disse Marquinhos, criticando as aglomerações que voltaram a ser vistas em pontos da cidade, contrariando a orientação da OMS (Organização Mundial de Saúde) e do Ministério da Saúde.

Por isso, diz que cerca de 30 técnicos está avaliando como será a retomada da atividade comercial em Campo Grande. Marquinhos adiantou que o comércio “formiguinha”, aquele de bairro com apenas um atendente no estabelecimento está garantido, justamente por conta deste perfil de atendimento. Porém, mesmo esses, devem seguir regras de distanciamento para garantir a segurança dos consumidores.

“O comércio de um armarinho nas Moreninhas é diferente do feito no Mercadão ou no Camelódromo”, disse. “Estamos analisando medidas diferentes e paulatinas sobre a reabertura”. Até amanhã, segundo o prefeito, as medidas específicas devem ser definidas e informadas ao setor varejista.

Protesto – Marquinhos comentou sobre o protesto de ontem à tarde, em que cerca de 40 pessoas criticaram toque de recolher e o fechamento dos estabelecimentos comerciais.

“O objetivo do buzinaço era o retorno do comércio, mas ninguém disse que não reabriríamos”, disse, criticando que a manifestação foi inoportuna por vários motivos, entre eles, o distúrbio que poderia causar no Instituto dos Cegos, localizado ao lado da prefeitura, já que o prédio público era o alvo da carreata. O trânsito, ontem, ficou bloqueado na altura da Rua Bahia para evitar a passagem pelo trecho.