ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

CNJ mantém suspenso pagamento de precatório milionário

Redação | 05/05/2010 07:36

Em decisão tomada na tarde de ontem, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) manteve a suspensão do pagamento de precatório no valor de R$ 18 milhões pela prefeitura de Campo Grande, até que seja apurada eventual infração disciplinar por parte do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul.

A decisão foi tomada depois de Pedido de Providências por quebra da ordem cronológica para o pagamento desse tipo de débito e suposto privilégio no repasse.

Os conselheiros do CNJ seguiram o posicionamento do relator do Pedido de Providências, ministro Gilson Dipp, que, no último dia 15 de abril, determinou liminarmente a suspensão imediata dos pagamentos, mas 8 de 13 parcelas já haviam sido depositadas, o que equivale a R$ 11 millhões.

No ano passado, o advogado Marcelo Barbosa Martins pediu, inclusive, a anulação do acordo que obriga a prefeitura de Campo Grande a pagar precatório milionário ao pecuarista e empresário Jamil Name.

O acerto - Em julho de 2009, o TJ/MS estabeleceu o pagamento do precatório, no valor total de R$ 25,5 milhões, independentemente da ordem cronológica e com liberação dos recursos via alvará.

Sete dias depois, o TJ estabeleceu acordo entre a parte beneficiária do precatório e a Fazenda Pública de Campo Grande, em que se fixou o crédito em R$ 18 milhões a ser pago em 13 parcelas fixas mensais a partir de 14 de agosto do mesmo ano.

Para suspender o pagamento, o CNJ considerou que a "quebra da ordem cronológica no pagamento do precatório, a expressividade dos valores e o fato de a dívida executável ter sido transformada em acordo de parcelamento para depósitos diretos ao credor, à margem do regime constitucional do precatório", justificam a apuração de eventual infração disciplinar por parte do desembargador Paulo Alfeu Puccinelli, vice-presidente do TJMS, que referendou o acordo firmado em Mato Grosso do Sul.

Ao acompanhar o voto do relator, o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, reforçou a necessidade de o Conselho sempre garantir o direito de ampla defesa pelas partes. "A presunção de inocência é um princípio constitucional", destacou. (Com informações do CNJ)

O caso - Após alegar problemas de saúde, o empresário Jamil Name obteve aval da Justiça para furar a fila e receber o precatório milionário. Contudo, repassou quase metade do valor para dois empreiteiros da Capital, a quem devia.

O advogado que contesta o pagamento já havia acionado a OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) para que a prefeitura forneça informações sobre o pagamento do precatório milionário.

Em julho, o desembargador Paulo Alfeu Puccinelli determinou o sequestro de R$ 25,5 milhões para garantir o pagamento a Jamil Name. A prefeitura conseguiu negociar um valor menor e fez acordo para as parcelas de R$ 1,38 milhão.

A defesa informou à Justiça que Jamil tem uma doença grave e que a equipe médica recomendou tratamento no exterior porque esgotaram todas as possibilidades de cura no Brasil.

Mas na sequência, os empresários Jorge Haddad e David Haddad Neto informaram ao TJ que vão receber seis parcelas a serem pagas pelo município.

Os valores que seriam repassados à Name para tratamento de saúde nos Estados Unidos, R$ 8,3 milhões, que representa 46% do total, foram parar nas contas de empreiteiros da Capital. Não houve contestação à cessão dos créditos.

Além dos Haddads, a Justiça foi informada que Name vendeu o direito de receber R$ 170 mil à Anache Imobiliária.

Nos siga no Google Notícias